Avançar para o conteúdo principal

A estética do videoclip destrói o cinema actual?

A linguagem do cinema, hoje, velozmente influenciada (deturpada, dizem alguns) pela estética do videoclip é um debate actual e interessante. Um fenómeno que nos faz reflectir sobre a essência do cinema...a arte de contemplar. Aí reside o conflito. Ou se trata de uma nova linguagem de uma arte em evolução? Existe ou não conflito? Vejamos o que diz o mestre Setaro sobre esta matéria, polémica para alguns, para outros, nem por isso...


Setaro dixit...

A estética do videoclipe se espraiou, como metástase virulenta, na estrutura narrativa dos filmes oriundos da indústria cultural hollywoodiana. Nada contra, bem entendido, o vídeoclip, mas que a sua estética seja restrita a essa modalidade de expressão mais conveniente de ser aplicado dentro dos limites de sua configuração. Mas que seja uma tônica do cinema comercial contemporâneo é profundamente lamentável e bastante sinalizador de uma decadência flagrante na construção do espetáculo cinematográfico. Assim, as tomadas são rápidas, condicionando, com isso, o ritmo do próprio filme, que fica estilhaçado sem dar a oportunidade ao espectador da contemplação, porque tudo passa muito depressa. A aplicação, no entanto, vem a atender aos apelos de uma platéia aniquilada pelo império do audiovisual, uma platéia feita pela sociedade de consumo, pela pressa desenfreada, pela busca desesperada para a inserção no reinado da coisificação. O público desaprendeu a contemplar e é na contemplação que se inicia o processo cognoscitivo, que se dá a possibilidade de um maior conhecimento. Basta ver a maneira pela qual a platéia dos complexos denominados multiplexes reage ao espetáculo cinematográfico para se ter uma idéia da tragédia que os tempos pós-modernos estão a administrar o caos cultural, o caos criativo, o caos cinematográfico, restando pouco, muito pouco, àquele que pretende usufruir o cinema como uma manifestação de prazer e arte mithos e logos.

A tesoura está a parecer o fundamento da articulação narrativa, porque nos filmes contemporâneos, no lixo que se oferece no circuito comercial, o espectador não tem a oportunidade de contemplação de uma determinada tomada, de um determinado plano dada a rapidez em que se nos apresentam. A metástase, porém, se espalhou em obras de todos os gêneros e até mesmo um filme medíocre, é verdade como O sorriso da Mona Lisa, de Mike Newell, com Julia Roberts, a metodologia da tesoura é uma constante. Na feitura do produto, portanto, há como uma regra geral, senão explícita, implícita, que condiciona a instalação do estilhaçamento da construção narrativa. O cinema sempre foi feito por fragmentos, e a impressão de uma continuidade, ilusória, era decorrência de um processo que a sugeria, quando o que sempre houve foi a justaposição de fragmentos, de tomadas. Mas se um filme médio, vinte anos atrás, tinha, por exemplo, 600 tomadas, hoje possui em torno de 1000, excetuando-se, aqui, os ultra-rápidos como Moulin Rouge...

To be continued...

Comentários

Mensagens populares deste blogue

CODÉ DI DONA: 1940-2010

Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

Poema de amanhã

(...) - Mamãe!

Sonho que, um dia,
Estas leiras de terra que se estendem,
Quer sejam Mato Engenho, Dacabalaio ou Santana,
Filhas do nosso esforço, frutos do nosso suor,
Serão nossas. (...) ilustração: Mãe preta de Lasar Segall, 1930 poema: Poema de amanhã de António Nunes, 1945