Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Outubro, 2007

Traduzir-se

Uma parte de mim é todo mundo:
outra parte é ninguém:
fundo sem fundo.

Uma parte de mim é multidão:
outra parte estranheza e solidão.

Uma parte de mim pesa, pondera:
outra parte delira.

Uma parte de mim almoça e janta:
outra parte se espanta.

Uma parte de mim é permanente:
outra parte se sabe de repente.

Uma parte de mim é só vertigem:
outra parte, linguagem.

Traduzir uma parte na outra parte
- que é uma questão de vida ou morte –
Será arte?

Gullar em mim

Sei que me repito. A matéria da matéria é inalienável, e pouco ou nada muda, dependendo do ínfimo dos ventos. Na permanência da dor, procuro os meus, entre a vida e a morte, onde tu estás...

Traduzir-se (poema de Ferreira Gullar-foto-)
Gullar em mim (a minha declaração de amor)

Cinema, Geo traffic...

Depois da morte do sueco Ingman Bergman(foto), e do italiano Michelangelo Antonioni, associada a outras perdas na sétima arte, instalou-se o debate sobre o futuro do cinema. A arena tem estado aberta a prognósticos: o futuro, os essenciais, quem serão os futuros Buñuel, Bergman, Hitchcock e Godard do cinema? A última edição da revista brasileira Bravo! Aposta em 10 nomes, tendo David Lynch à cabeça. Quentin Tarantino e Pedro Almodôvar fazem parte dessa lista, sendo a argentina Lucrécia Martel (com apenas duas longas) a única mulher do grupo. Um dos fóruns a estender esse debate é a 31ª Mostra Internacional de Cinema em S. Paulo – 19 a 1º de Novembro com 300 filmes em cartaz.

Entre nós

O primeiro e único filme de ficção rodado em Cabo-Verde com a total presença de actores cabo-verdianos e realizado por uma cabo-verdiana tem suscitado debates, e dividido opiniões. As opiniões têm movido por terrenos estéticos, em torno da pertinência do argumento, e um pouco da qualidade narrativa. A actu…

Tcheka lança Lonji

Depois de Argui, e Nu Monda, Tcheka lança Lonji, o terceiro disco de uma carreira de cinco anos. Um trabalho marcadamente acústico, de voz, percussão e guitarra que nos transporta a paisagens reais. Realidades matizadas, recortadas por Tcheka, através de um lirismo poético original. São 14 temas, todos compostos por Tcheka que deixam a nu vivências. Como a faixa Primeru Bes Kin ba Cinema, por exemplo. Lirismo que nos remete à infância deste músico, nascido na Ribeira da Barca.
Lonji foi produzido inteiramente pelo nomeado nome do rock acústico brasileiro, Lenine. De recordar que em Novembro de 2005 noticiamos aqui o encontro desse músico com o Tcheka.
A aposta de Lenine neste artista, que além de produzir Lonji, meteu voz na música Telemóvel, atesta o prestígio de Tcheka fora de Cabo Verde.
Lonji foi gravado em estúdios brasileiros de prestígio como Nas Nuvens e Toca do Bandido, e contou com a participação de nomes sonantes da música desse pais.

Assine esta petição

Um artista da Costa Rica, Guillermo Habacuc Vargas, expôs um cão vadio faminto numa galeria de arte. Ninguém o alimentou ou lhe deu água e morreu durante a exposição. Guillermo Habacuc Vargas foi o artista escolhido para representar o seu país na "Bienal Centroamericana Honduras 2008". Existe uma petição onde é pedido que ele não receba este prémio. Por favor acesse esta página e assine a petição preenchendo o seu nome, e-mail, localidade e país. Acesse também um dos links onde esta história pode ser lida.

Um e-mail assinado por Filipe Moreira da Culturgest.pt

Slow Food em Santo Antão

Há uns tempos, albatrozberdiano fez um post sobre a associação internacional Slow Food, fundada em 1986. No ano passado fiz uma nota sobre o mesmo assunto. O movimento cujas raízes estão em Roma, congrega cerca de 100.000 pessoas no seu seio, e está presente em 104 países e nos cinco continentes. Promove a educação do gosto, luta pela preservação da biodiversidade agrícola, organiza manifestações, publica livros, revistas, e como o próprio nome indicia combate o Fast Food.
Em África, a Slow Food está presente em seis países, e acaba de chegar a Cabo Verde. Um dos seus objectivos é apoiar pequenos agricultores na preservação da produção artesanal de qualidade, garantindo, ao mesmo tempo, o futuro da comunidade local.
O queijo de cabra produzido no planalto da Bolona, em Santo Antão, vai ser o primeiro convivium (expressão da filosofia da associação) da Slow Food em Cabo Verde. Bolona é uma área montanhosa e árida; os queijos são produzidos com técnicas artesanais (com o mínimo de água po…

Medusa

Tangibilidades

O mesmo cão peludo jogado a seus pés e aquele menino eterno que lhe pertence. A semana que começa quase sempre igual: melancólica, flutuante, intrigante, sem incisão. Diferente é a poesia, a música, e (l´amore ci cambia la vita): são sempre outros. Os caminhos também são novos, difinem-se sob perspectivas surpreendentes, fugindo da contramão. Uma vida normal... e propriamente especial.

Melancolia

Estado de alma (também físico) que nos deixa pouco actuantes, imobilizantes, aparentemente tristes, e nada espontâneos. Doce a melancolia que da saudade vive.

Uma viagem espiritual

Um outro texto que ontem escrevi sobre este mesmo assunto, para um público diferente, leva, entretanto, o mesmo título, por razões que espero venha o leitor apreender.
O primeiro contacto, o primeiro choque: Centro missionário dos Capuchinhos na Cidade de Fossano, Itália. Pessoas, entre missionários e profissionais, que trabalham exclusivamente para Cabo Verde. Fazem tudo para manter dezenas de Jardins de Infância criados e patrocinados pelos Padres Capuchinhos. A falta de medicamentos, ou a avaria dos equipamentos no Hospital São Francisco, na cidade de São Filipe, na ilha do Fogo, mobiliza de imediato a equipa que empreende esforços faraónicos para solucionar os problemas. O trabalho periódico e voluntário dos médicos especializados para esse centro hospitalar, fundamental para a região Fogo e Brava, é outra ocupação dessa equipa que trabalha por Cabo Verde, sem falar das dezenas de jovens a especializarem-se e a formarem-se nas Universidades Italianas a cargo desse secretariado. A v…

Intangibilidades

1.
Repetidas vezes, em situações indefinidas, pensei em mudar de blog e trilhar novos caminhos no universo virtual, mas, quase sempre, dei conta das possibilidades de abordagens temáticas que este blog me permite, devido ao seu lato nome. Uma simplicidade que atravessa as minhas expressões mais existênciais, mas nem por isso se demite do circulo mais ao largo. Aqui já escrevi sobre tudo. Marcadamente sobre as minhas paixões: o jornalismo, a imagem, a poesia, a História, as estórias, a música, o cinema, a literatura, a minha ilha, o meu arquipélago e Salvador da Bahia. Nos próximos dias escreverei mais sobre o turismo e o ambiente. Primeiramente, por razões profissionais, mas também por uma necessidade imperativa de continuar a olhar e a tematizar as pequenas coisas. Penso igualmente levar estes momentos para outros espaços, falar para outros leitores, pensar em novos ângulos, com a condição de continuarem a ser apenas simples momentos.
2.
Durante uma semana, não garanto a minha presença …

As cores da minha terra

Terminou no final da semana passada o IIIº EITU (Encontro Internacional do Turismo), ocorrido na Ilha do Sal. Foram três dias de importantes reflexões sobre temas muito pertinentes, organizados pela UNOTUR (União nacional do operadores turisticos). O painel “Imobiliária Turística e Aquitectura em Cabo Verde”, da autoria do arquitecto Luis Carvalho foi a exposição que mais me tocou, e pensei, cá dentro, quão bom seria para Cabo Verde se tivéssemos muitos outros arquitectos com a sensibilidade desse filho de caboverdeanos nascido em Cabinda.
Muito perspicaz, o arquitecto começou a sua explananação com um trecho poético de Jorge Barbosa, para no final concluir, em analogia, que efectivamente andamos perdidos neste arquipélago. Retive da sua comunicação que toda a abordagem do espaço é complexa, porque atenta aos múltiplos elementos que o compõe: as pessoas e o seu modo de vida, as cores da terra, os ventos, o clima, os sorrisos, ou seja, qualquer intervenção a esse nível demanda uma arroj…