Avançar para o conteúdo principal

Cinema, Geo traffic...

ExampleDepois da morte do sueco Ingman Bergman(foto), e do italiano Michelangelo Antonioni, associada a outras perdas na sétima arte, instalou-se o debate sobre o futuro do cinema. A arena tem estado aberta a prognósticos: o futuro, os essenciais, quem serão os futuros Buñuel, Bergman, Hitchcock e Godard do cinema? A última edição da revista brasileira Bravo! Aposta em 10 nomes, tendo David Lynch à cabeça. Quentin Tarantino e Pedro Almodôvar fazem parte dessa lista, sendo a argentina Lucrécia Martel (com apenas duas longas) a única mulher do grupo. Um dos fóruns a estender esse debate é a 31ª Mostra Internacional de Cinema em S. Paulo – 19 a 1º de Novembro com 300 filmes em cartaz.

Entre nós

O primeiro e único filme de ficção rodado em Cabo-Verde com a total presença de actores cabo-verdianos e realizado por uma cabo-verdiana tem suscitado debates, e dividido opiniões. As opiniões têm movido por terrenos estéticos, em torno da pertinência do argumento, e um pouco da qualidade narrativa. A actuação dos actores (todos amadores) tem sido parcialmente poupada. Como ainda não tive a oportunidade de ver mais esse trabalho da Realizadora Ana Lisboa, demito-me dos conteúdos, e remeto os meus amigos leitores aos debates que acontecem aqui, aqui e aqui. Abraçando a atitude, nunca deixaria de frisar a ousadia de Ana Lisboa, por ter tido a coragem de levantar a bandeira da ficção nestas ilhas. Um terreno onde a perspicácia de um realizador é apenas um grão de milho, uma semente, se quisermos. Antes de tudo, parabéns Ana!

Geo traffic

Nos últimos dias tenho acompanhado através deste mapa a origem e a frequência das visitas a este blog. É interessante fazer notar que o Brasil está no topo da lista, a rondar, em média, os 40 % das visitas. A seguir vem Portugal, e depois Cabo Verde com uma média de 25% e 19 %, respectivamente. Visitas da Grécia, do Vaticano e da Ucrânia também são de notar, sem descurar os países mais próximos, da Europa e da África. Importa evidenciar que esta ferramenta da Freedjit mostra os caminhos, tanto de chegada como de partida, percorridos pelos internautas. Esse motor tipifica ainda as visitas expressas ao blog e “os encontros”, por acaso, através dos sites de busca. São elementos importantes a reter, caso alguém se interesse em aprofundar estudos sobre os conteúdos dos blog´s entre nós.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

CODÉ DI DONA: 1940-2010

Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

Poema de amanhã

(...) - Mamãe!

Sonho que, um dia,
Estas leiras de terra que se estendem,
Quer sejam Mato Engenho, Dacabalaio ou Santana,
Filhas do nosso esforço, frutos do nosso suor,
Serão nossas. (...) ilustração: Mãe preta de Lasar Segall, 1930 poema: Poema de amanhã de António Nunes, 1945