Avançar para o conteúdo principal

CODÉ DI DONA: 1940-2010

Codé di Dona






















Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos seus vários intérpretes.
Codé di Dona era também exímio tocador do acordeão, a concertina, um dos instrumentos referentes do funaná, em parelha com o ferrinho. Nessa qualidade de instrumentista, Codé di Dona gravou dois álbuns: o primeiro, nos anos noventa, em França, e, o segundo mais recentemente, acompanhado dos filhos.
Entretanto, a música de Codé di Dona faz parte da discografia dos Bulimundo, Finaçon, Simentera, Zeca di nha Reinalda, Lura e Mário Lúcio Sousa, entre outros.

"Saudade, amor e amizade são três irmãos" que faziam gemer o seu acordeão, afirmara Codé di Dona numa entrevista à Agência Lusa. Ele assumia-se, humildemente, como um "trabalhador de Cabo Verde, agricultor, pastor e tocador". Reformara-se como guarda-florestal e permaneceu o resto da sua como o “guardador de rebanhos” da sua arte singular.

Natural de Chaminé, concelho de São Domingos, Gregório Vaz, de nome artístico Codé di Dona, viveu sempre na localidade de São Francisco, no mesmo concelho, onde curiosamente nasceu e viveu outro expoente da música cabo-verdiana, Ano Nobo, também já falecido. E é exactamente um dos mestres da música crioula que se calou, deixando Cabo Verde mais pobre e mais triste neste ano acabado de começar.

Comentários

Canto da Boca disse…
Vou escutá-lo, mas antecipadamente já sei que estarei ouvindo música de qualidade.

Um ótimo 2010!

;)

Mensagens populares deste blogue

Poema de amanhã

(...) - Mamãe!

Sonho que, um dia,
Estas leiras de terra que se estendem,
Quer sejam Mato Engenho, Dacabalaio ou Santana,
Filhas do nosso esforço, frutos do nosso suor,
Serão nossas. (...) ilustração: Mãe preta de Lasar Segall, 1930 poema: Poema de amanhã de António Nunes, 1945

Depois da Bandeira

1. SÃO LOURENÇO continua a ser um dos lugares mais agradáveis da Ilha do Fogo. O cemitério casado com a igreja e a casa paroquial; um lugar quase ermo, com a cara voltada para o mar, e um punhado de terra no ventre. Terra boa que d...eu bons filhos à ilha. Nesse cemitério, sob a imagem de uma pirâmide, mesmo à entrada, fica a campa do médico e escritor, Henrique Teixeira de Sousa, natural de Outrabanda, freguesia do Santo. Dois passos à frente descansa eternamente Padre Fidelis Miraglio, o eterno pároco de S.Lourenço e um dos primeiros Padres Capuchinhos italianos a pisar Cabo Verde. Na residência paroquial, mesmo ao lado, vive outro pastor de S.Francisco: Padre Camilo Torassa, italiano, filho de Cuneo, a viver entre Fogo, S.Vicente e Brava há mais de 50 anos: apesar do mal que lhe aflige os olhos e as pernas, a lucidez o acompanha. Éramos quatro adultos e uma criança, e fomos expressamente a São Lourenço para o visitar. Conversa vai, conversa vem, desafiou a um dos visitantes que co…