Avançar para o conteúdo principal

Who`s Guilt?

guilt

















2010 já vai no seu sétimo dia, e a capital cabo-verdiana já testemunhou dois assassinatos: o primeiro, ocorrido no passado dia 5, no bar "Voz di Povo", e o segundo caso que teve lugar ontem à noite, em Safende, vitimando um taxista.

Esta manhã, na apresentação de cumprimentos de Ano Novo ao Presidente da República, José Maria Neves disse que “um dos grandes desafios de Cabo Verde, neste momento, tem a ver com a delinquência juvenil e os níveis de violência e de criminalidade resultantes das actuações dos grupos organizados de jovens thugs”.

Na Praia, não se fala em outro assunto: alguma impotência nota-se. O Governo não tem conseguido travar o rumo das coisas. Os muitos discursos e encontros organizados à volta da questão da criminalidade e da violência (inclusive a doméstica) ficam pela cosmética, porque nunca transitam ao plano seguinte: o da acção.

O fenómeno (a complexidade)

Este fenómeno da criminalidade juvenil é transversal à classe social. É um quadro urbano nacional, com maior incidência na cidade da Praia.

As respostas policiais e securitárias, importantes como medidas de acção pontual, não são suficientes para as mudanças estruturais contra o clima da marginalidade e da violência entre os jovens. A situação carece de uma abordagem sociológica mais assertiva, (dizem os entendidos) importando para a cena da análise temas como a moral, os bons costumes e os valores familiares, sem descurar a problemática da liberdade com responsabilidade.

Parece estar a prevalecer a cultura do rebelde e do desordeiro, prevalecente entre grupos de jovens, numa situação que não dispensa o alcoolismo, a toxicodependência e o tráfico de drogas, a par das disputas por espaços de influência nos bairros e na mobilização dos jovens pela cidade.

O transvio dessa juventude exige um olhar de toda a sociedade e através de uma vontade colectiva de instaurarmos a paz e a tranquilidade no convívio social.

Comentários

JB disse…
Margarida: apenas uma retificação em relação a um texto que concordo na sua (quase) totalidade: o fenonemo da violência urbana não tem incidência apenas na Praia. O quadro actual do que estamos vivendo no Mindelo é MUITO preocupante. Mortes, agressões gratuitas (já nem se pode falar em assaltos, é para magoar mesmo, sem ver a quem), destruição de património individual por pura diversão, guerra generalizada de gangs (ainda ontem me disseram que um dos gangs de zona tem mais de 200 membros, incluindo crianças de 11/12 anos).

Abraço
da caps disse…
Pois é.
Um Sociologo que passei a prezar muito, julgo estar agora na UniCV, fez no início do século, uma abordagem na TV muito interessante sobre esta questão, mas que se por parecer descabido, não sei, não foi levado em conta, pelo menos em termos de combate social à criminalidade.
Entre outros factores que acompanharam o aumento nível de vida "dos cabo-verdianos e das caboverdianas" e que alteraram a forma de educar os filhos, e o nível de exposição dos mesmos a 'perigos' de instabilização, este sociólogo disse qualquer coisa como:
-Nós somos uma sociedade violenta na forma de estar, e não é de hoje. O que mudou foi a forma como essa violência é praticada;
-Há expressões que ganharam destaque na sociedade porque caem naturalmente bem na forma de ser, expressões do tipo "Uipo!!" e outras que mais não significam que o impacto físico.

Nem vou alongar mais.
Se acharem que faz sentido e quiserem saber mais, falem com esse sociólogo que ele é acessível.
Edy disse…
olá miúda,
acho que a "moral",os "bons costumes",os "valores familiares" ou a "liberdade com responsabilidade" não serve de muito à uma análise sociológica do tema e,para ser franco,nem à solução do problema em si.Entendo a perspectivas das pessoas ao levarem estes pontos para o debate: compara-se a moral e os valores da sociedade,aquelas que são consideradas "correctas",com os valores desses jovens que são considerados como não tendo valores.O problema é o contrário: esses jovens têm valores,só que são valores diferentes da maioria que,à vista desses jovens,são considerados dominantes.O problema,que não é so nosso,é que algumas instituições estão a "falhar" na sua tarefa de socialização das crianças e dos jovens: a escola e a familia (alguns sociólogos defendem até que a escola deixou de ser uma instituição).Sendo socializados na rua,em grupos de amigos de rua,o normal é interiorizarem outros valores,os valores próprios do grupo de amigos de rua...tem ainda várias outras explicações que complementam o que acabei de escrever,mas a explicação seria muito longa..como dizes,e bem,estamos perante um fenómeno complexo que tem de ser analisado a nível macro e a nível micro...
bjs
Pura eu disse…
Comentários que fornecem luzes interessantes para o debate. Um debate que precisa ser feito sem tabus e com pressupostos práticos... sem desmerecer as reflexões sociológicas.

abraço aos três,

ps: Vou destacar trechos de cada comentário em formato de post, com a vossa permissão.

Margarida

Mensagens populares deste blogue

CODÉ DI DONA: 1940-2010

Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

Depois da Bandeira

1. SÃO LOURENÇO continua a ser um dos lugares mais agradáveis da Ilha do Fogo. O cemitério casado com a igreja e a casa paroquial; um lugar quase ermo, com a cara voltada para o mar, e um punhado de terra no ventre. Terra boa que d...eu bons filhos à ilha. Nesse cemitério, sob a imagem de uma pirâmide, mesmo à entrada, fica a campa do médico e escritor, Henrique Teixeira de Sousa, natural de Outrabanda, freguesia do Santo. Dois passos à frente descansa eternamente Padre Fidelis Miraglio, o eterno pároco de S.Lourenço e um dos primeiros Padres Capuchinhos italianos a pisar Cabo Verde. Na residência paroquial, mesmo ao lado, vive outro pastor de S.Francisco: Padre Camilo Torassa, italiano, filho de Cuneo, a viver entre Fogo, S.Vicente e Brava há mais de 50 anos: apesar do mal que lhe aflige os olhos e as pernas, a lucidez o acompanha. Éramos quatro adultos e uma criança, e fomos expressamente a São Lourenço para o visitar. Conversa vai, conversa vem, desafiou a um dos visitantes que co…