Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Setembro, 2008

A balzaquiana de Setembro

Sinto saudades de mim, de ti, deles, das ladeiras, das mangueiras, dos meus avós, do Solar do Unhão, da Amaralina, e até do futuro. Mas as balzaquianas são a minha vida, e fazem parte dela. Ontem fartei-me de rir: a Martine recorda-me de cada rosto, de todos os sotaques, até dos detalhes de uma vida cheia de peças e cores, com deslizes, mas sem queda. La strada é longa... mas voltar ao Black cat, não! Peter ou alguém no seu lugar há-de abrir um novo pub pela redondeza.

Pudesse Eu*

Pudesse eu não ter laços
nem limites
Ó vida de mil faces
transbordantes
Para poder responder
aos teus convites
Suspensos na surpresa
dos instantes!

* Sophia de Mello Breyner Andresen

A (à) imagem de Cabo Verde

Em tempos falamos aqui da diluição do mercado, retratando pontualmente a ineficácia de uma publicidade da manteiga planta emitida na TCV (da responsabilidade da empresa revendedora) em que a família pivô era portuguesa. No mesmo bojo se inclui a promoção do Azeite Galo e do Caldo Knorr, produtos oriundos de Portugal, vendidos no mercado nacional, e publicitados diariamente por intermédio de spots feitos para serem emitidos no mercado de origem. Um autêntico nonsense se atentarmos às regras e ao jogo sensorial que fazem parte do acto de promoção de um produto. Nesse post dizíamos que esse tipo de publicidade no qual os consumidores não se revêem, é absolutamente ineficaz. O que se nota é que todos esses produtos são importados, e simplesmente vendidos em Cabo-Verde. É bom saber que no dia em que uma dessas marcas forem adaptadas à imagem dos cabo-verdianos, ou seja, que os códigos para a sua promoção forem nacionais, a venda superaria, certamente, a expectativa dos seus comerciantes re…

Acontece, dicas ...

No dia 2 de Outubro, na Fnac Colombo, a jornalista da TVI, Conceição Queiróz, lança o seu segundo livro intitulado Os meninos da Jamba, uma grande reportagem que Queirós fez, há dois anos, nas terras de Angola. Jorge Sampaio, o prefaciador do livro, escreveu que “As histórias reais que a Conceição Queiróz nos relata prendem a atenção do leitor da primeira à última página”.

O primeiro livro da jornalista intitula-se Serviço de Urgência, e a reportagem que esteve na base desse título mereceu uma distinção do Prémio AMI – Jornalismo Contra a Indiferença.
Numa entrevista concedida a propósito d´ Os meninos de Jamba, a autora disse o seguinte: "foi a reportagem que mais me marcou. Despi a capa de jornalista e envolvi-me imenso. Aquelas crianças eram carentes de tudo.”

Conceição Queiroz é moçambicana, trabalhou na Televisão de Cabo Verde, inicialmente na Delegação do Sal, e posteriormente como Chefe de Informação, e apresentadora do programa Jornal Desportivo. Actualmente pertence à equip…

Com Paulo Abrunhosa

Dá-se recompensa

Não haverá ninguém que castre
este nosso desastre
à nascença?
Dá-se grossa recompensa!

Dever Astral

Saibamos ser dignos
dos nossos signos!

J.M. COETZEE, o autor de "Desgraça"

“Perdeste o emprego, o teu nome anda de rastos, os teus amigos evitam-te, escondes-te na Torrance Road como uma tartaruga com medo de meter a cabeça de fora da carapaça. Pessoas que nem aos teus calcanhares chegam dizem piadas a teu respeito. Não tens a camisa passada a ferro, sabe Deus quem te cortou o cabelo. Vais acabar como um desses velhos a remexer os caixotes do lixo.”

É desta forma sentenciada que Rosalind reprova a atitude do ex. marido David Lurie. Um professor universitário da cidade do Cabo que se envolve com uma aluna muito mais jovem. “Desgraça” de M.J. Coetzee é uma intensa narrativa de rendição perante uma viragem existencial, primeiro na vida de David, segundo, numa África do Sul pós apartheid.
A violência perpassa a obra de Coetzee, antes quando o professor se envolve com a jovem e é vilipendiado e expulso da universidade. Ao mudar-se para o campo, refugiando-se de tudo e de todos, presencia outra violência junto da filha Lucy (violações e chantagens) perante uma passi…

O negro, a história (o cabo-verdiano)

Há duas semanas trouxe para aqui a visão rácica do crítico literário Pires Laranjeira trazida a lume num artigo denominado “O Stock negro na Claridade”. Por uma questão de interesse, que gostaria de compartilhar com todos, resolvi publicar a visão síntese do sociólogo e historiador António Correia e Silva sobre esta questão. Uma outra vertente analítica que nos recorda um bocado a narrativa de Teixeira de Sousa que eventualmente, por caminhos diferentes, deixou laivos disso mesmo no seu livro "Ilhéu de Contenda".

“Gostamos de ser cabo-verdianos”. Não existe neste arquipélago a reinvenção de uma “beleza negra combativa e reactiva”. Isto porque o projecto branco foi derrubado em Cabo Verde. É certo que houve ensaios para reerguer esse projecto: a chegada dos degredados da colónia ao longo do século XVIII, a vinda nos anos 40 dos militares da metrópole para a promoção de casamentos brancos, mas essas tentativas não vingaram.
A elite resiste, sempre: são curiosos os dizeres dos te…

saudade do futuro

O meu mundo não é como o dos outros,
Quero demais, exijo demais,
Há em mim uma sede de infinito,
Uma angústia constante que nem eu mesma compreendo,
Pois estou longe de ser uma pessimista;
Sou antes uma exaltada, com uma alma intensa, violenta, atormentada.
Uma alma que não se sente bem onde está, que tem saudade... Sei lá de quê!"

poema: florbela espanca
imagem: picasso
título: pura eu

Da terra...

1. Apesar das claras evidências disponíveis ao nosso redor, existem muitas pessoas que continuam a acreditar que o aquecimento global não é problema coisa alguma. In: O Ataque à razão; Al Gore

2. Cabo Verde já criou o seu Comité para o Ano Internacional do Planeta Terra que será apresentado ao público no dia 17 de Outubro na Cidade da Praia. Esse órgão terá a responsabilidade de promover actividades que contribuam para a promoção de uma consciência pró terra, e fazer face a alguma vulnerabilidade natural, e ao surto de crescimento que vem conhecendo o país: reduzir os riscos dos desastres naturais, edificar construções mais seguras, inovar no manejamento dos recursos naturais e promover um ambiente saudável. Para além da retórica, até porque tem havido sinais de preocupações nesses domínios nas nossas ilhas… Esta ideia se inscreve na Década das Nações Unidas da Educação para o Desenvolvimento Sustentável (2005-2014), criada sob a égide da UNESCO.

3. La strada, infinita e sem retorno...

Sabura na Guetu

Sabura na Guetu encaixa como uma luva num programa feito em Cova da Moura por uma produtora independente, e emitido no passado fim-de-semana na RTP África. Não gostei dos meandros e da intencionalidade subjacentes ao referido programa, diga-se em abono da franqueza. Todavia, eu gostaria de frisar, antes de tudo, que não nutro qualquer sentimento "daninho" em relação a esse canal, que acompanho com atenção, estando aqui a exercer o livre pensamento crítico, com a melhor das intenções.
A missão do programa, como anunciou a apresentadora Catarina Furtado (certamente uma idolatrada no bairro), era mostrar que existem muitas coisas boas e gente "do bem" em Cova da Moura. Mas, a começar pela sua apresentação um tanto ou quanto debochada e redutora, não creio terem atingido esse objectivo.
Os ingredientes eram os de sempre: a mulher que faz uma panelona de cachupa; o jovem que provou ser responsável simplesmente porque conseguiu guardar uma câmera de filmar em casa, que lhe…

A escola, o jornalismo...

Ela cresceu naquela escola. Onde além de aulas, havia música, teatro e cinema, e se fazia dos natais e páscoas celebrações programáticas. Onde os professores estudavam em horas noturnas as disciplinas de formação humana, Filosofia e História. Na escola onde a capela e os seus santos serviam de esconderijos para os jogos de intervalo.
Até hoje, Patrícia carrega a manta de tristeza que a invadiu quando soube que a paróquia não ia mais ceder aquele espaço para o Ministério da Educação. Foram sucessivas desilusões iguais a esta que fizeram da Cidade de S. Pedro um lugar ermo de alma e de cultura.

Jornalismo

Os jornalistas de Cabo Verde vão ter finalmente uma sede: a inauguração acontece daqui a pouco, às 17 horas. O edifício fica no Plateau, nas antigas instalações do jornal Voz di Povo, mesmo ao lado do mercado. Mas a casa, apesar de ter ficado bonita, não dá nas vistas, as vendedeiras que povoam aqueles passeios não deixam.
Auguramos melhores momentos para, aí sim, celebrar… o jornalismo ca…

Cidade Velha: Património do mundo

Voltei à Ribeira Grande de Santiago para o início de rodagem de um novo programa. Revisito o Santiago dos anos 1460, no tempo e espaço, e me elucidam, sempre, os depoimentos e pesquisas sobre a relação da ilha mãe com a Costa Africana, e posteriormente com a Europa e as Américas. Apercebi-me em crescente que aqui nasceu a primeira sociedade escravocrata do mundo: na cidade erguida pelos europeus como porto seguro, por onde passaram Vasco da Gama e Cristóvão Colombo nas suas viagens rumo a Índia e as Américas, respectivamente. Na Cidade onde existe a igreja colonial mais antiga do mundo construída em 1495. Verdades incontornáveis e paradoxalmente pouco críveis, tal o obscurantismo a que os nossos manuais (mentalidades, diga-se) nos votaram.

Ocorre-me a reunião de 1994 em Ouidah, Benin, que cria o projecto UNESCO “A Rota do Escravo”, e me quedo incrédula quando fico a saber que afinal Cabo Verde pertence ao Comité Português, em vez de dinamizar uma comissão própria e necessariamente inde…

O negro, a história (suas nuances …)

Como se de uma nuvem se tratasse, resolvi transcrever alguns trechos da comunicação de Pires Laranjeira feita no Simpósio sobre os Fundadores do Movimento Claridoso, ocorrido há cerca dois anos na Cidade da Praia, em alinhavo com o escritor brasileiro Milton Hauton. Um percurso em retalhos e por geografias diversas, mas com (sentido) próprio.
"Será o povo cabo-verdiano assim tão cordial e sem preconceito rácico, como se quer fazer crer? Ou a análise das diferenças pelo prisma da classe e do grupo económico serve para encobrir a questão do preconceito rácico…?" (...)
"A visão de Baltazar Lopes é manifestamente de um arquipélago sem enfrentamentos rácicos, em que a cor da pele, segundo ele, nada significa:"(...)
"Será que o recalcamento do negro, em Cabo-Verde, foi ainda mais violento, destruidor, esmagador e preconceituoso do que outros espaços, em virtude de as ilhas serem territórios concentracionários, tendo sido tão castrador que dele pouco mais restou, a não …

Outros Infernos

O Inferno, tal como é descrito
em certos livros, com gravuras
terríveis, a cores, já ninguém
lhe pega, é gracejos de palhaços
para entreter a malta. Mesmo o amor
que já foi inferno, quando Petrarca
e Dante viam Beatriz e Laura na cama
com outros gajos – se não viam,
então ouviam –, mesmo o amor perdido,
afinal tão perto do paraíso
enquanto se teve a ilusão de que o beijo
é o exorcismo capaz de assustar
o anjo exterminador, mesmo esse
é um inferno excelente para os jornais.
Chateia que se farta, faz chorar
ás vezes e bota-se fora, já não dói.
Há os que acham tesouros a sonhar,
outros vêem-se belos e até príncipes.
São contos de fadas lidos a dormir.
No entanto, há infernos sérios,
pavorosos, como o vento, ciclónicos,
não cabem nos livros, ninguém os pinta.

poema: armério vieira. imagem: pollock a pintar

nota: quando procuro uma ilustração para os poemas de Arménio Vieira a primeira imagem que me vem à mente é a intransigência estética de Pollock: simplesmente, outros infernos.

Per te

Música sem longe
como as outras, agora minhas.
Da estrada fria ao infinito.

Vazio de palavras

Gosto de gostar em silêncio.
É quando gosto.

Momentu Angola

Angola vai às urnas para eleger um novo governo no dia 5 de Setembro. O mundo mais interessado, e várias entidades internacionais estão de olhos postos naquele país africano, ainda que com alguma preocupação. Os observadores europeus acham que os meios de comunicação públicos estão a favorecer o partido que sustenta o governo, a Amnistia Internacional fala em alguma violência, e a Unita denuncia um alegado financiamento do Banco de Angola ao MPLA.
Esse emblemático país africano vai eleger, finalmente, um governo em clima de paz e alguma contenção. Um momento marcante, tendo em atenção toda as tensões que nortearam a politica angolana nas últimas três décadas.
Os dados económicos apontam para um crescimento sem precedentes, mas a subnutrição infantil ainda permanece em niveis preocupantes em Angola. Assimetrias que devem merecer atenção redobrada, num momento de viragem.
Pelo silêncio ao redor, me parece que nenhum órgão de comunicação de Cabo Verde vai estar na cobertura das Eleições em …