Avançar para o conteúdo principal

Acontece, dicas ...

No dia 2 de Outubro, na Fnac Colombo, a jornalista da TVI, Conceição Queiróz, lança o seu segundo livro intitulado Os meninos da Jamba, uma grande reportagem que Queirós fez, há dois anos, nas terras de Angola. Jorge Sampaio, o prefaciador do livro, escreveu que “As histórias reais que a Conceição Queiróz nos relata prendem a atenção do leitor da primeira à última página”.

O primeiro livro da jornalista intitula-se Serviço de Urgência, e a reportagem que esteve na base desse título mereceu uma distinção do Prémio AMI – Jornalismo Contra a Indiferença.
Numa entrevista concedida a propósito d´ Os meninos de Jamba, a autora disse o seguinte: "foi a reportagem que mais me marcou. Despi a capa de jornalista e envolvi-me imenso. Aquelas crianças eram carentes de tudo.”

Conceição Queiroz é moçambicana, trabalhou na Televisão de Cabo Verde, inicialmente na Delegação do Sal, e posteriormente como Chefe de Informação, e apresentadora do programa Jornal Desportivo. Actualmente pertence à equipa de Grande Reportagem da TVI. Uma dama do jornalismo!

Dicas...

Temos lido e ouvido, nos últimos dias, de tudo sobre a insegurança, a delinquência juvenil, e a desigualdade, em crescente, no país. Fenómenos que têm, cada um à sua velocidade, alterado a normalidade social, principalmente na cidade da Praia, e suscitado “vários tiros”, alguns no pé, outros, pelo contrário: " Uma solução deveria passar pelo «apoio à família e não pelo apoio ao betão». Como não dispõe actualmente de muito terreno para construção, a câmara deveria aproveitar o mercado imobiliário de forma a que as famílias dos bairros clandestinos possam ser alojadas de forma dispersa. O Estado e a câmara deveriam apoiar no arrendamento, cobrindo o valor que o agregado familiar não conseguisse suportar ou um programa em que as famílias iam ao mercado escolher uma habitação com um determinado plafond definido pelo Estado."

ler + aqui.

Comentários

Anónimo disse…
Querida Margarida, é a primeira vez que deixo uma mensagem, ou um comentário... Obrigada pela tua generosidade, também pela amizade. sabes que é muito bom sentir esta ligação, cerca de 5 anos depois de nos termos conhecido... Obrigada de coração pelas tuas palavras e parabéns pelo espaço... Diz-se blogg não é? Sou absolutamente leiga neste submundo em que se transformou a internet. Perdoa-me. É verdade... Estou completamente apaixonada pelas histórias destes Meninos da Jamba. Depois do Serviço de Urgência, decidi, que, se continuasse a escrever, seria no mesmo registo, em tom de reportagem, o que me dá um prazer inesgotável. Querida, mais uma vez obrigada e continuação de bom trabalho... Sei que continuas a ser a referência do jornalismo de televisão em Cabo-Verde. Um beijo de Lisboa, desta amiga... Conceição Queiroz
Pura eu disse…
Pois bem, querida. A Internet é um novo mundo, de facto... sub ou super, a depender das perspectivas (nossas). Ainda não li Meninos da Jamba e infelizmente nem pude ver a reportagem, mas não preciso disso para gostar do que fazes.
Tens de te familiarizar com a net, afinal é um outro veículo de belas histórias. (risos)
Bjs e bons fluidos no lançamento..
MF

Mensagens populares deste blogue

CODÉ DI DONA: 1940-2010

Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

Poema de amanhã

(...) - Mamãe!

Sonho que, um dia,
Estas leiras de terra que se estendem,
Quer sejam Mato Engenho, Dacabalaio ou Santana,
Filhas do nosso esforço, frutos do nosso suor,
Serão nossas. (...) ilustração: Mãe preta de Lasar Segall, 1930 poema: Poema de amanhã de António Nunes, 1945