Avançar para o conteúdo principal

Acontece, dicas ...

No dia 2 de Outubro, na Fnac Colombo, a jornalista da TVI, Conceição Queiróz, lança o seu segundo livro intitulado Os meninos da Jamba, uma grande reportagem que Queirós fez, há dois anos, nas terras de Angola. Jorge Sampaio, o prefaciador do livro, escreveu que “As histórias reais que a Conceição Queiróz nos relata prendem a atenção do leitor da primeira à última página”.

O primeiro livro da jornalista intitula-se Serviço de Urgência, e a reportagem que esteve na base desse título mereceu uma distinção do Prémio AMI – Jornalismo Contra a Indiferença.
Numa entrevista concedida a propósito d´ Os meninos de Jamba, a autora disse o seguinte: "foi a reportagem que mais me marcou. Despi a capa de jornalista e envolvi-me imenso. Aquelas crianças eram carentes de tudo.”

Conceição Queiroz é moçambicana, trabalhou na Televisão de Cabo Verde, inicialmente na Delegação do Sal, e posteriormente como Chefe de Informação, e apresentadora do programa Jornal Desportivo. Actualmente pertence à equipa de Grande Reportagem da TVI. Uma dama do jornalismo!

Dicas...

Temos lido e ouvido, nos últimos dias, de tudo sobre a insegurança, a delinquência juvenil, e a desigualdade, em crescente, no país. Fenómenos que têm, cada um à sua velocidade, alterado a normalidade social, principalmente na cidade da Praia, e suscitado “vários tiros”, alguns no pé, outros, pelo contrário: " Uma solução deveria passar pelo «apoio à família e não pelo apoio ao betão». Como não dispõe actualmente de muito terreno para construção, a câmara deveria aproveitar o mercado imobiliário de forma a que as famílias dos bairros clandestinos possam ser alojadas de forma dispersa. O Estado e a câmara deveriam apoiar no arrendamento, cobrindo o valor que o agregado familiar não conseguisse suportar ou um programa em que as famílias iam ao mercado escolher uma habitação com um determinado plafond definido pelo Estado."

ler + aqui.

Comentários

Anónimo disse…
Querida Margarida, é a primeira vez que deixo uma mensagem, ou um comentário... Obrigada pela tua generosidade, também pela amizade. sabes que é muito bom sentir esta ligação, cerca de 5 anos depois de nos termos conhecido... Obrigada de coração pelas tuas palavras e parabéns pelo espaço... Diz-se blogg não é? Sou absolutamente leiga neste submundo em que se transformou a internet. Perdoa-me. É verdade... Estou completamente apaixonada pelas histórias destes Meninos da Jamba. Depois do Serviço de Urgência, decidi, que, se continuasse a escrever, seria no mesmo registo, em tom de reportagem, o que me dá um prazer inesgotável. Querida, mais uma vez obrigada e continuação de bom trabalho... Sei que continuas a ser a referência do jornalismo de televisão em Cabo-Verde. Um beijo de Lisboa, desta amiga... Conceição Queiroz
Pura eu disse…
Pois bem, querida. A Internet é um novo mundo, de facto... sub ou super, a depender das perspectivas (nossas). Ainda não li Meninos da Jamba e infelizmente nem pude ver a reportagem, mas não preciso disso para gostar do que fazes.
Tens de te familiarizar com a net, afinal é um outro veículo de belas histórias. (risos)
Bjs e bons fluidos no lançamento..
MF

Mensagens populares deste blogue

Poema de amanhã

(...) - Mamãe!

Sonho que, um dia,
Estas leiras de terra que se estendem,
Quer sejam Mato Engenho, Dacabalaio ou Santana,
Filhas do nosso esforço, frutos do nosso suor,
Serão nossas. (...) ilustração: Mãe preta de Lasar Segall, 1930 poema: Poema de amanhã de António Nunes, 1945

CODÉ DI DONA: 1940-2010

Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

Depois da Bandeira

1. SÃO LOURENÇO continua a ser um dos lugares mais agradáveis da Ilha do Fogo. O cemitério casado com a igreja e a casa paroquial; um lugar quase ermo, com a cara voltada para o mar, e um punhado de terra no ventre. Terra boa que d...eu bons filhos à ilha. Nesse cemitério, sob a imagem de uma pirâmide, mesmo à entrada, fica a campa do médico e escritor, Henrique Teixeira de Sousa, natural de Outrabanda, freguesia do Santo. Dois passos à frente descansa eternamente Padre Fidelis Miraglio, o eterno pároco de S.Lourenço e um dos primeiros Padres Capuchinhos italianos a pisar Cabo Verde. Na residência paroquial, mesmo ao lado, vive outro pastor de S.Francisco: Padre Camilo Torassa, italiano, filho de Cuneo, a viver entre Fogo, S.Vicente e Brava há mais de 50 anos: apesar do mal que lhe aflige os olhos e as pernas, a lucidez o acompanha. Éramos quatro adultos e uma criança, e fomos expressamente a São Lourenço para o visitar. Conversa vai, conversa vem, desafiou a um dos visitantes que co…