Avançar para o conteúdo principal

Sabura na Guetu

Mininus di guetu

















Sabura na Guetu encaixa como uma luva num programa feito em Cova da Moura por uma produtora independente, e emitido no passado fim-de-semana na RTP África. Não gostei dos meandros e da intencionalidade subjacentes ao referido programa, diga-se em abono da franqueza. Todavia, eu gostaria de frisar, antes de tudo, que não nutro qualquer sentimento "daninho" em relação a esse canal, que acompanho com atenção, estando aqui a exercer o livre pensamento crítico, com a melhor das intenções.
A missão do programa, como anunciou a apresentadora Catarina Furtado (certamente uma idolatrada no bairro), era mostrar que existem muitas coisas boas e gente "do bem" em Cova da Moura. Mas, a começar pela sua apresentação um tanto ou quanto debochada e redutora, não creio terem atingido esse objectivo.
Os ingredientes eram os de sempre: a mulher que faz uma panelona de cachupa; o jovem que provou ser responsável simplesmente porque conseguiu guardar uma câmera de filmar em casa, que lhe foi cedido pela produtora para um documentário; o Cromo di Gueto (apelido de um dos convidados) que é "bué de fixe", calão angolano transferido, sem propósitos (e se calhar, com estranhos propósitos) para os diálogos em questão; as crianças que dançam batuque, e são, aos olhos da apresentadora, um grande orgulho para a avó. Haviam mais casos clichés e de visões pré concebidas, que me contaram depois, mas eu tive que mudar de canal.
"Pobres coitados" que encontram razões para sorrirem num programa dessa natureza. Um programa que só reforça a sua guetização, olhares que reproduzam preconceitos de bradar aos céus, abordagens que não contribuem de forma alguma para uma integração desejável desses emigrantes. O que os "marginalizados" precisam é de cidadania e não do "tokenismo" e da "coisificação" mercê de um olhar televisivo. A integração cidadã, no sentido mais multicutural e humanístico do termo. De resto, e na sua essência, Cova da Moura não é a criminalidade de alguns dos seus moradores na condição de pária numa sociedade pretensamente democrática, mas o crime social (económico, político e, quiçá, cultural) de haver gueto e a sua reprodução insidiosa…

Mais felizardos

Outra moda que espero não pegue entre nós são reportagens de mães de famílias dos recônditos das ilhas com seis filhos para criar, mas que encontram realização nos docinhos que fazem, sempre a graças de uma ONG que precisa aparecer para justificar os subsídios que recebe... do pai da família nem sinal, mas isso não vem ao caso. A felicidade reina na família onde os filhinhos certamente irão vender doces como a mãe. Outra reprodução atroz de um exotismo que não nos interessa. Não queremos morar na "Cabana do Pai Tomás". Dignidade é outra coisa e queremo-la…mesmo com as suas dores de parto!

fotu: Rui Palha

Comentários

Edy disse…
Ui Ui miúda...andaste a ler "Sobre a Televisão" do Pierre Bourdieu?
Esse post parece inspirado nesse livro...
Pura eu disse…
Li-o há mais de 10 anos, e creio tê-lo já digerido. Diria que me identifico com ele...
Edy disse…
Sem dúvida um dos melhores livros do Bourdieu;és a primeira jornalista que me diz que gostou do livro (a maioria dos teus colegas não gosta porque o livro é pouco "amigo" em relaçao ao vosso trabalho)..também gosto do livro,por isso não canso de ler e reler...também vi um bocado do programa na rtp,a 1 mês atrás,mas não tive estômago nem paciência para continuar...
Pura eu disse…
É o livro mais fechado que já li sobre as capacidades manipuladoras e de omissão da Televisão, principalmente em se tratando de canais orientados para o bichão “audiência”: uma premissa que a mim pessoalmente me arrepia. (é nessa linha que vejo a emissão da Record em Cabo Verde, por exemplo) Mas como vês, este é um ponto de vista entre outros…
Eu diria, também, que Pierre Bordieu foi um pouco implacável com o meio, que pode eventualmente (em enquadramentos outros) engendrar outras construções sociais. Ou não! O livro é duro, de facto… mas eu não consigo deixar de me identificar com ele, apesar das ressalvas… e mais: tenho-o comigo sempre, caso mude de ideia.
Pura eu disse…
Gostaria também de acrescentar que "Sobre Televisão" retrata um universo temporal em que a Televisão dirigia as opiniões de forma mais absoluta. Hoje com as novas tecnologias de informação, tudo é mais relativo… concordas?
Edy disse…
Sim,concordo com a tua afirmação se tivermos em conta todos os média no geral(TV,rádio,jornais,revistas,internet,blogues).Mas continuo a reconhecer razão e actualidade ao ponto de vista do Bourdieu no que se refere à televisão no concreto...gosto particularmente da critíca aos "fast thinker" que só querem "se fazer ver e ser vistos" e às informações e abrodagens homogêneas por parte dos jornalistas

Mensagens populares deste blogue

CODÉ DI DONA: 1940-2010

Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

Depois da Bandeira

1. SÃO LOURENÇO continua a ser um dos lugares mais agradáveis da Ilha do Fogo. O cemitério casado com a igreja e a casa paroquial; um lugar quase ermo, com a cara voltada para o mar, e um punhado de terra no ventre. Terra boa que d...eu bons filhos à ilha. Nesse cemitério, sob a imagem de uma pirâmide, mesmo à entrada, fica a campa do médico e escritor, Henrique Teixeira de Sousa, natural de Outrabanda, freguesia do Santo. Dois passos à frente descansa eternamente Padre Fidelis Miraglio, o eterno pároco de S.Lourenço e um dos primeiros Padres Capuchinhos italianos a pisar Cabo Verde. Na residência paroquial, mesmo ao lado, vive outro pastor de S.Francisco: Padre Camilo Torassa, italiano, filho de Cuneo, a viver entre Fogo, S.Vicente e Brava há mais de 50 anos: apesar do mal que lhe aflige os olhos e as pernas, a lucidez o acompanha. Éramos quatro adultos e uma criança, e fomos expressamente a São Lourenço para o visitar. Conversa vai, conversa vem, desafiou a um dos visitantes que co…