Avançar para o conteúdo principal

A (à) imagem de Cabo Verde

publicidade Iogurel






















Em tempos falamos aqui da diluição do mercado, retratando pontualmente a ineficácia de uma publicidade da manteiga planta emitida na TCV (da responsabilidade da empresa revendedora) em que a família pivô era portuguesa. No mesmo bojo se inclui a promoção do Azeite Galo e do Caldo Knorr, produtos oriundos de Portugal, vendidos no mercado nacional, e publicitados diariamente por intermédio de spots feitos para serem emitidos no mercado de origem. Um autêntico nonsense se atentarmos às regras e ao jogo sensorial que fazem parte do acto de promoção de um produto. Nesse post dizíamos que esse tipo de publicidade no qual os consumidores não se revêem, é absolutamente ineficaz. O que se nota é que todos esses produtos são importados, e simplesmente vendidos em Cabo-Verde. É bom saber que no dia em que uma dessas marcas forem adaptadas à imagem dos cabo-verdianos, ou seja, que os códigos para a sua promoção forem nacionais, a venda superaria, certamente, a expectativa dos seus comerciantes revendedores. Arriscamos pensar que essa atitude enganadora e desinteressante advém de alguma incerteza por parte do importador com relação ao mercado nacional. E claro, uma vez mais, voltamos à tal questão simbólica (própria das mentes) sobre a qual nem vale a pena debruçar. Cai bem uma certa alienação…

No meio dessa ausência de atitude, é interessante, e de notar, a ambição plausível da marca iogurte Iogurel em mostrar-se um produto nacional para todos os cabo-verdianos. Isto é, antes de tudo, um sinal de respeito para com os consumidores.
Atitude idêntica resolveu um dia tomar a empresa de telecomunicações CV Telecom quando contratou uma empresa portuguesa para trabalhar a sua marca. A sua concorrente T + foi igualmente muito bem sucedida. Águas de Cabo Verde, BCA, e agora BCN têm, de acordo com as suas posses e ambições, apostado na sua imagem. Só é bem sucedido se for, á partida, à nossa imagem

foto: EME

Comentários

Edy disse…
Tens a total razão do teu lado miúda.Acho que o principal motivo deste "fenómeno" é a falta de produção no país:não se produz nada e,lá onde se produz algo,o mercado não não justifica a publicidade (o exemplo do "pontche" como produto que podia ser publicitado é ilucidativo);por outro lado,temos empresários muito pouco qualificados e,por isso,pouco atentos à importância da publicidade que acham unicamente que publicidade é gastar dinheiro (dou-te o mesmo exemplo dos "pontches" que podiam vender-se muito bem além-fronteira se se fizer uma boa publicidade).Por fim,poderemos também analisar o papel dos publicitários e empresas de publicidade "criolas" cuja qualidade,muitas vezes,deixa muito a desejar...
Pura eu disse…
Eu até entendo essa timidez do mercado e a relação directa que pode, ou não, estabelecer com a publicidade. Mas publicitar um produto importado com referências do país de origem, deveria ser algo inaceitável, a todos os níveis. A marca que quisesse promover o seu produto, deveria espelhar-se no seu consumidor. É simples!Até porque esse pessoal anda a perder dinheiro, à toa. Não é aquela publicidade que potencia a venda da manteira Planta, nem do caldo Knorr. Mas acho que este é um assunto do interesse dos publicitários que nunca dizem nada a respeito, e porque não da ADECO? (Esta associação não deve preocupar-se apenas com o estômago e o bolso do consumidor, mas também com a sua cabeça). Dicas, diria.

Mensagens populares deste blogue

Poema de amanhã

(...) - Mamãe!

Sonho que, um dia,
Estas leiras de terra que se estendem,
Quer sejam Mato Engenho, Dacabalaio ou Santana,
Filhas do nosso esforço, frutos do nosso suor,
Serão nossas. (...) ilustração: Mãe preta de Lasar Segall, 1930 poema: Poema de amanhã de António Nunes, 1945

CODÉ DI DONA: 1940-2010

Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

Depois da Bandeira

1. SÃO LOURENÇO continua a ser um dos lugares mais agradáveis da Ilha do Fogo. O cemitério casado com a igreja e a casa paroquial; um lugar quase ermo, com a cara voltada para o mar, e um punhado de terra no ventre. Terra boa que d...eu bons filhos à ilha. Nesse cemitério, sob a imagem de uma pirâmide, mesmo à entrada, fica a campa do médico e escritor, Henrique Teixeira de Sousa, natural de Outrabanda, freguesia do Santo. Dois passos à frente descansa eternamente Padre Fidelis Miraglio, o eterno pároco de S.Lourenço e um dos primeiros Padres Capuchinhos italianos a pisar Cabo Verde. Na residência paroquial, mesmo ao lado, vive outro pastor de S.Francisco: Padre Camilo Torassa, italiano, filho de Cuneo, a viver entre Fogo, S.Vicente e Brava há mais de 50 anos: apesar do mal que lhe aflige os olhos e as pernas, a lucidez o acompanha. Éramos quatro adultos e uma criança, e fomos expressamente a São Lourenço para o visitar. Conversa vai, conversa vem, desafiou a um dos visitantes que co…