Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Maio, 2011

E agora, José?

Cabo Verde: antologia de poesia contemporânea

Dia 19 de Maio, na Universidade Estácio de Sá/Rio de Janeiro, Ricardo Riso ministra a palestra para os alunos do curso de Letras: A POESIA DE CABO VERDE. Na sequência haverá o lançamento de “Cabo Verde: antologia de poesia contemporânea”, de Ricardo Riso (Organizador).

REVISTA ÁFRICA E AFRICANIDADES
Ano III, nº 13 – maio de 2011 – ISSN 1983-2354

CABO VERDE: ANTOLOGIA DE POESIA CONTEMPORÂNEA
António de Névada – Carlota de Barros – Danny Spínola – Dina Salústio – Filinto Elísio – José Luis Hopffer C. Almada – Margarida Fontes – Maria Helena Sato – Mario Lucio Sousa – Oswaldo Osório – Paula Vasconcelos – Vasco Martins – Vera Duarte

ILUSTRAÇÕES
Abraão Vicente e Mito Elias

ORGANIZAÇÃO
Ricardo Riso

Bandeira’l praia di São Filipe…das personagens também.

Bandêra di Praia era a bandeira dos escravos, que depois da bandeira grande (restrita e elitista) juntava o povo na praia de Bocarrom, daí esse nome “Praia”. É o que nos conta João José Lopes Silva (Jota Jota), um dos nomes incontornáveis da história recente da Bandeira de San Filipe. Discorria-se sobre isso em casa de Nhônhô di Ilda, (no passado, um dos famosos jóqueis da Bandeira), na zona de Lém.

Há três anos, esses dois emblemáticos senhores decidiram reerguer a Bandeira di Praia di cá Cumanzinha (senhora já falecida que promoveu a festa durante muitos anos). À mesa, xerém e bode, e depois o tradicional caldo de bode e cuzcuz (prato de pobre). À volta dessa mesa simples, mas simbolicamente rica, estão alguns dos verdadeiros fazedores das bandeiras do Fogo: Waldomiro Dias, Idalina, Daniel Alves (Nhô Sopa), Nataniel e muita juventude. Espontâneos e alegres contam as mais diversas e rocambolescas histórias. À volta dessa mesa, onde todos são servidos, os significados e significantes…