Avançar para o conteúdo principal

Bandeira’l praia di São Filipe…das personagens também.

Nhô Sopa e eu.


















Bandêra di Praia era a bandeira dos escravos, que depois da bandeira grande (restrita e elitista) juntava o povo na praia de Bocarrom, daí esse nome “Praia”. É o que nos conta João José Lopes Silva (Jota Jota), um dos nomes incontornáveis da história recente da Bandeira de San Filipe. Discorria-se sobre isso em casa de Nhônhô di Ilda, (no passado, um dos famosos jóqueis da Bandeira), na zona de Lém.

Há três anos, esses dois emblemáticos senhores decidiram reerguer a Bandeira di Praia di cá Cumanzinha (senhora já falecida que promoveu a festa durante muitos anos). À mesa, xerém e bode, e depois o tradicional caldo de bode e cuzcuz (prato de pobre). À volta dessa mesa simples, mas simbolicamente rica, estão alguns dos verdadeiros fazedores das bandeiras do Fogo: Waldomiro Dias, Idalina, Daniel Alves (Nhô Sopa), Nataniel e muita juventude. Espontâneos e alegres contam as mais diversas e rocambolescas histórias. À volta dessa mesa, onde todos são servidos, os significados e significantes da bandeira se confluem e sustentam a boa memória de vidas e passagens.

Waldomiro Dias gaba-se de nunca colocar na sua boca um gole de bebida alcoólica, e de cumprir rigorosamente o horário de refeição. Uma vida regrada a explicar tamanha lucidez e vigor. Já Idalina assume que o seu “alimento é uísque”. Essa dama, de 89 anos, confessou-nos que está pronta para ir colar em Washington. O visto de entrada nos Estados Unidos foi um presente de aniversário que ela conquistou sem esforço pelo seu jeito desembaraçado de ser. É o grupo de coladores e tamboreiros das bandeiras do Fogo que tem viajado frequentemente para o estrangeiro para mostrar os toques deixados por Tchitchiti (o criador dos diferentes toques de tambor das bandeiras). Neste momento, Waldomiro Dias, tamboreiro chefe, ministra aulas de toques de tambor a dezenas de alunos. Muitos chegam de fora.

Curioso! Nhô Sopa, o eterno colador, não esteve desta feita na Bandeira Grande, mas não podia faltar à festa de Praia. Com vista fraca, pernas trémulas e voz rasgada recebeu de forma inconfundível os seus confrades que vinham de longas jornadas de colaçan. Recebeu-nos, também a nós, que depois de alguma bizantinice e non sense em torno da Bandeira Grande, ansiávamos por um momento genuíno com sabor à real bandeira.

A forma de colar de Nhô Sopa continua singular: trepidante e contagiante! Um colar diferente, diríamos até indescritível, que nos cala fundo.

fotu: Fausto do Rosário

Comentários

Anónimo disse…
Gostei do texto. Cá para mim, esta "Bandeira de Escravos..." não consigo imaginar Cabo Verde com escravos... e não sei por quê.
da caps disse…
Eu acho k tu e o kim Alves terão muito a dar à memória colectiva do legado cultural da ilha da ilha do Fogo, que afinal está mais actual do que se poderia imaginar.
Estou aqui a imaginar algo em concreto.. ;)

É que todas as tradições bebem de suas histórias e estórias, e por enquanto, vamos tendo memória oral..

Mensagens populares deste blogue

CODÉ DI DONA: 1940-2010

Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

Depois da Bandeira

1. SÃO LOURENÇO continua a ser um dos lugares mais agradáveis da Ilha do Fogo. O cemitério casado com a igreja e a casa paroquial; um lugar quase ermo, com a cara voltada para o mar, e um punhado de terra no ventre. Terra boa que d...eu bons filhos à ilha. Nesse cemitério, sob a imagem de uma pirâmide, mesmo à entrada, fica a campa do médico e escritor, Henrique Teixeira de Sousa, natural de Outrabanda, freguesia do Santo. Dois passos à frente descansa eternamente Padre Fidelis Miraglio, o eterno pároco de S.Lourenço e um dos primeiros Padres Capuchinhos italianos a pisar Cabo Verde. Na residência paroquial, mesmo ao lado, vive outro pastor de S.Francisco: Padre Camilo Torassa, italiano, filho de Cuneo, a viver entre Fogo, S.Vicente e Brava há mais de 50 anos: apesar do mal que lhe aflige os olhos e as pernas, a lucidez o acompanha. Éramos quatro adultos e uma criança, e fomos expressamente a São Lourenço para o visitar. Conversa vai, conversa vem, desafiou a um dos visitantes que co…