Avançar para o conteúdo principal

As cores da minha terra

Terminou no final da semana passada o IIIº EITU (Encontro Internacional do Turismo), ocorrido na Ilha do Sal. Foram três dias de importantes reflexões sobre temas muito pertinentes, organizados pela UNOTUR (União nacional do operadores turisticos). O painel “Imobiliária Turística e Aquitectura em Cabo Verde”, da autoria do arquitecto Luis Carvalho foi a exposição que mais me tocou, e pensei, cá dentro, quão bom seria para Cabo Verde se tivéssemos muitos outros arquitectos com a sensibilidade desse filho de caboverdeanos nascido em Cabinda.
Muito perspicaz, o arquitecto começou a sua explananação com um trecho poético de Jorge Barbosa, para no final concluir, em analogia, que efectivamente andamos perdidos neste arquipélago. Retive da sua comunicação que toda a abordagem do espaço é complexa, porque atenta aos múltiplos elementos que o compõe: as pessoas e o seu modo de vida, as cores da terra, os ventos, o clima, os sorrisos, ou seja, qualquer intervenção a esse nível demanda uma arrojada disponibilidade estética. A arquitectura tradicional (ou se quisermos, as construções que os nossos pedreiros e mestres de obra sempre fizeram) não deve ser desprezada; ela tem uma razão, ou múltiplas razões de ser.
O espírito da comunicação de Luís Carvalho conduz à necessidade premente de um equilíbrio estético na construção urbana. Um resort não pode ser eficaz, nem bem-vindo, do ponto de vista ambiental e sociológico, se a vila que o recebe não tiver as condições desejáveis de saneamento, segurança e económicas. Esse equilíbrio que perpassa necessariamente a vida das pessoas, é fundamental numa perspectiva de desenvolvimento a longo prazo.
Quando o arquitecto vinha para Cabo Verde, no avião, perguntou a uma jovem caboverdeana se conhecia S.Francisco e ela respondeu, sim, uma praia linda, super interessante. O arquitecto insistia, e a jovem só falava da praia de mar. Para Carvalho, S.Francisco é, antes de mais, uma localidade com pessoas, com especificidades, mas que também dispõe de uma bonita praia. O caboverdeano está a perder a sua capacidade de observação, ou precisa ganhá-la. Precisa recuperar a sua sensibilidade estética, ou, de contrário, procurá-la.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

CODÉ DI DONA: 1940-2010

Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

Poema de amanhã

(...) - Mamãe!

Sonho que, um dia,
Estas leiras de terra que se estendem,
Quer sejam Mato Engenho, Dacabalaio ou Santana,
Filhas do nosso esforço, frutos do nosso suor,
Serão nossas. (...) ilustração: Mãe preta de Lasar Segall, 1930 poema: Poema de amanhã de António Nunes, 1945