Avançar para o conteúdo principal

Uma viagem espiritual

Um outro texto que ontem escrevi sobre este mesmo assunto, para um público diferente, leva, entretanto, o mesmo título, por razões que espero venha o leitor apreender.
O primeiro contacto, o primeiro choque: Centro missionário dos Capuchinhos na Cidade de Fossano, Itália. Pessoas, entre missionários e profissionais, que trabalham exclusivamente para Cabo Verde. Fazem tudo para manter dezenas de Jardins de Infância criados e patrocinados pelos Padres Capuchinhos. A falta de medicamentos, ou a avaria dos equipamentos no Hospital São Francisco, na cidade de São Filipe, na ilha do Fogo, mobiliza de imediato a equipa que empreende esforços faraónicos para solucionar os problemas. O trabalho periódico e voluntário dos médicos especializados para esse centro hospitalar, fundamental para a região Fogo e Brava, é outra ocupação dessa equipa que trabalha por Cabo Verde, sem falar das dezenas de jovens a especializarem-se e a formarem-se nas Universidades Italianas a cargo desse secretariado. A vinha de Chã das Caldeiras, o Centro social de Santa Cruz (na ilha de Santiago), o projecto em prol da energia renovável para Cabo Verde e a criação de uma produtora de televisão (Praia) são ideias novas que energizam o quotidiano dessa gente, soberanamente humana. Essa missão em Itália (gestão de projectos, financiamentos) faz a ponte local com a ASD (Associação para o Desenvolvimento), de cariz mais operacional.
A nossa viagem teve por objectivo conhecer os fundamentos de um projecto de fundação de uma produtora de televisão em Cabo Verde. O nosso primeiro projecto já está na forja: um documentário que conta a história incomensurável dos 60 anos de missão dos Capuchinhos em Cabo Verde. Um projecto espiritual imparável. Essa congregação religiosa, muito aberta e profundamente humana, fundou na Itália, há 25 anos, a Nova T, um centro de produção com centenas de produções documentais em países diversos, e com experiências também na área de ficção. A título de curiosidade, diria que o edifício que alberga a Nova T em Turim foi uma paróquia, onde Dom Bosco dispunha de um quarto para os seus momentos de repouso. Estamos em tempos medievais...

Mais do que experiências subjectivas, entendi ser pertinente dar a conhecer essa energia positiva que existe na região de Piemonte, Itália, em direcção a Cabo Verde. São famílias, personalidades, instituições que aprenderam a gostar destas ilhas e consideram-nas suas segundas casas.

Na volta

Escuto sem parar Danielle Pino, Renato Zero, Antonello Venditti, Luigi Tenco. Comigo veieram Per Nascere son nato de Pablo Neruda, e Le Settimane Sociali (1907 – 2007), Un confronto per la crescida dell, Itália, de Giovanni Quaglia . Outros momentos…

Comentários

Filinto Elísio disse…
Margarida,

É interessante o que contas. Um pouco por todo o mundo, há um rol de gente que se empenha solidariamente para que as coisas funcionem em Cabo Verde. O pessoal, por vezes, fica mergulhado no rame-rame da politiqueira e se esquece do humanismo com que se constrói a vida cabo-verdiana. O exemplo dos Capuchinhos merece documentário e não só.

Filinto
Ricardo Vidal disse…
Querida Amiga, muito beloe ste post sobre os frades Capuchinhos em Cabo Verde. Além de lembrar que solidariedade é tudo na base (e base do Humanismo), atenta que todos os homens e mulheres de boa-vontade podem e devem ajudar o próximo, apoiando missões como essa. Um abraço sincero e forte do seu amigo, Ricardo Vidal.

P.S. Ficaste bonita de óculos. Como sempre, encantadora.
Pura eu disse…
Pois é! A nova T.cv vai fazer a sua parte. Realmente a grande obra dessa congregação diluida ao longo desses 60 anos precisa ser melhor conhecida e reconhecida. Sem falar dos actuais projectos: Ontem conversava com uma pessoa que confessava o seu desnumbramento com as condições de funcionamento do Hospital S.Francisco, em S.Filipe. É um caminho..
Pura eu disse…
Tens razão, amigo. Continuas muito simpático. Obrigada.

Mensagens populares deste blogue

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

CODÉ DI DONA: 1940-2010

Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

Poema de amanhã

(...) - Mamãe!

Sonho que, um dia,
Estas leiras de terra que se estendem,
Quer sejam Mato Engenho, Dacabalaio ou Santana,
Filhas do nosso esforço, frutos do nosso suor,
Serão nossas. (...) ilustração: Mãe preta de Lasar Segall, 1930 poema: Poema de amanhã de António Nunes, 1945