Avançar para o conteúdo principal

O ambiente, o turismo e a melodia















1.Praia Baixo, zona balnear situada a uma distância de 30 minutos da Cidade da Praia, vai ter “Casa do Mar”. Projecta-se para o espaço um centro de educação ambiental, para os formadores, virado para as tartarugas marinhas. Esse “laboratório vivo” será inaugurado em Abril do próximo ano, e todas as condições para isso já estão criadas. Projecto aprovado, financiamento garantido, parcerias, inclusive com o Oceanário de Lisboa. O professor da Universidade do Algarve, Nuno Loureiro, é o mentor desse projecto que nasceu no âmbito da geminação existente entre a Câmara Municipal de S. Domingos e o Município de Lagoas do Algarve. A ideia, segundo o professor, é criar riquezas endógenas, através de um turismo ecológico, e ao mesmo tempo contribuir para a consciencialização das populações face às ameaças ambientais, nomeadamente a protecção das tartarugas marinhas. Esse mesmo projecto abarca Achada Baleia, outra praia de desova das tartarugas na Ilha de Santiago. Nesse sítio, menos visitado pelos banhistas, vai ser construída uma reserva marinha.

2. De sessenta e tal mil turistas em 2001, se a memória não nos falha, aumentou para 280 mil, em 2006, a entrada de turistas em Cabo Verde. Um crescimento interessante e ao mesmo tempo intrigante. Precisamos de uma pesquisa que demonstre com que incidência essa gente regressa às nossas ilhas, e qual o seu grau de satisfação. Seria importante...
Os dados nos mostram que os italianos continuam a ser os que mais nos visitam, e que tem aumentado turistas do Reino Unido entre nós.

3. Comemora-se, hoje, o dia internacional do turismo sob o lema «O Turismo abre as portas às mulheres», escolhido pela Organização Mundial do Turismo (OMT). Em Cabo Verde, principalmente em Santiago, as praias continuam a ser devastadas. Todos os dias, quando a maré baixar, mulheres e homens lançam-se literalmente ao mar. Uns cavam e outras transportam na cabeça, em voltas incontáveis, uma média de 80 “banheiras” de areia, quantidade suficiente para encher um camião. Algumas andam nisso há mais de trinta anos...

4. Noto que as nossas rádios nunca deixaram de tocar Phil Collins...

Comentários

Paulino Dias disse…
Guida, sem contar ainda uma outra abordagem que se vem fazendo, da tal "integração" entre o turismo e a mulher. Esta muitas vezes é usada mais como um objecto (sexual) de decoração de materiais de promoção do nosso turismo. Veja os cartazes de promoção de um famoso empreendimento turístico da Praia (Capital Country Club), por exemplo...
Roseane disse…
A foto é muito bonita. Achei o tema interessante, mas não conheço a realidade do seu país, infelizmente.
Pura eu disse…
Pois é, Paulino. Este é um perigo que nos espreita da esquina... eu acho, inclusive, que se devia estabelecer regras aos promotores turísticos, nos acordos de intenção e contratos, no que tange às promoções para a venda, para evitar essas explorações indevidas... infelizmente, vamos com muita sede ao pote, e esquecemos de muitos pormenores, que, com o tempo, vão custar muito caro ao país.

Roseane, o nosso ambiente, apesar de saheliano, é rico e diverso, (com muitas espécies únicas) mas não temos consciência verde, infelizmente. Muita pobreza.
Alena disse…
Muito linda a fotografia!!!
Kal-El disse…
Olá miúda,
tudo bem?
desta vez so "vim" indicar-te dois blog que podem interessar-te:
www.euaindasouodirectorcriativo.blogspot.com e
http://ries.typepad.com/ries_blog/

bjinhos
Pura eu disse…
A miúda completou há dias mais um ano de vida… vai abandonando, aos poucos, esse estatuto…
Obrigada pelas sugestões.

Um abraço

Mensagens populares deste blogue

CODÉ DI DONA: 1940-2010

Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

Depois da Bandeira

1. SÃO LOURENÇO continua a ser um dos lugares mais agradáveis da Ilha do Fogo. O cemitério casado com a igreja e a casa paroquial; um lugar quase ermo, com a cara voltada para o mar, e um punhado de terra no ventre. Terra boa que d...eu bons filhos à ilha. Nesse cemitério, sob a imagem de uma pirâmide, mesmo à entrada, fica a campa do médico e escritor, Henrique Teixeira de Sousa, natural de Outrabanda, freguesia do Santo. Dois passos à frente descansa eternamente Padre Fidelis Miraglio, o eterno pároco de S.Lourenço e um dos primeiros Padres Capuchinhos italianos a pisar Cabo Verde. Na residência paroquial, mesmo ao lado, vive outro pastor de S.Francisco: Padre Camilo Torassa, italiano, filho de Cuneo, a viver entre Fogo, S.Vicente e Brava há mais de 50 anos: apesar do mal que lhe aflige os olhos e as pernas, a lucidez o acompanha. Éramos quatro adultos e uma criança, e fomos expressamente a São Lourenço para o visitar. Conversa vai, conversa vem, desafiou a um dos visitantes que co…