Avançar para o conteúdo principal

A diluição do mercado

É no mínimo intrigante aquela publicidade da margarina Planta emitida diariamente na nossa TV pública. O leitor já viu? Uma família não cabo-verdiana a tomar o seu pequeno-almoço, com um ar de satisfação. Outra incompreensão é a voz off, anunciando a certificação do produto “nacional”, pelo Instituto Superior de Ciências da Saúde Egas Moniz.
O título acima foi a expressão encontrada para sintetizar esse quadro: um nonsense e puro descarte da inteligência dos consumidores. Se o spot, que em momento algum se refere ao mercado cabo-verdiano, contribui para a venda do produto, então algo está errado entre nós. O normal seria associar o produto a uma imagem nacional. Vejamos o exemplo da Coca-Cola. E caso a margarina Planta tenha escoamento no nosso mercado, sem o efeito da publicidade, que se prescinda dessa bizantinice.
Um cereal de marca Nacional é igualmente deste modo propagandeado nas nossas telas como sendo um “produto nacional”.
Falta de respeito e de atitude das partes envolvidas, respectivamente.

Comentários

Kal-El disse…
Olá miuda (permita-me que lhe trate assim),
excelente post e conteúdo provocante.Tudo o que sublinhaste,e bem,leva-nos,ou deveria levar,à seguinte questão/questões:que tipo de publicidade é produzida em cv?como é caracterizado e como funciona o mercado publicitário em cv?quais os estereótipos veiculadas pelas peças publicitárias realizadas em cv?
Enfim,nessa area,ainda há muitas questões sem respostas...
Pura eu disse…
Os anos passam, não serei tão miúda assim, mas muito depende da perspectiva, não é verdade? Mas adiante…

Não sei se poderemos falar em mercado publicitário em Cabo Verde, quando se assiste a situações como essa que descrevo. Puxei pela cabeça e não consegui imaginar um único país/canal/grupo de profissionais (de mercado) que aceitasse passivamente esse quadro. Há que pensar primeiro numa publicidade para Cabo Verde, a todos níveis, e só depois começar a debruçar em questões, como as pertinentes que levanta.
Kal-El disse…
ola de novo miúda!
Desculpa a minha insistência em chamar-te assim...acho-te uma miúda por causa do teu espírito inquieto que,parece-me,não deixou ser "tocado" pelo avanço dos anos (desconfio que,mesmo tendo em conta a tua idade,ainda assim deves ser uma menina)...sim "pikinoti",tens razão sobre o facto de não existir ainda um mercado publicitário em cv.Mas,pelas empresas do ramo existente,pelas empresas anunciante,pode-se concluir que esse mercado,no mínimo,está em construçao.Sendo assim,que melhor altura do que essa para levantar questões e,como dizes,pensar sobre esse mercado?Portanto,cá vai uma questão/sugestão para a tua reflexão:quais as consequências que a publicidade realizada no e para o consumo de paises estrangeiras terá nos cverdianos,na nossa cultura e nos nosso hábitos?
Pura eu disse…
Entendo o seu enquadramento muito particular.

Quanto à sugestão para reflexão, acredita que há já algum tempo que venho prestando atenção nisso. Publicidade feita para cabo-verdianos tem sido um negócio fácil e bom (para eles). Tarefa difícil será colocar na agenda pública essa reflexão que é séria… se já para os implicados directos é o que se vê…!!! As consequências são idênticas às produzidas pela emissão (programação unilateral) aberta e ininterrupta da RTP África… Para agir nesses dois casos não precisamos pensar muito…basta imitar a atitude de Angola.

Mensagens populares deste blogue

CODÉ DI DONA: 1940-2010

Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

Poema de amanhã

(...) - Mamãe!

Sonho que, um dia,
Estas leiras de terra que se estendem,
Quer sejam Mato Engenho, Dacabalaio ou Santana,
Filhas do nosso esforço, frutos do nosso suor,
Serão nossas. (...) ilustração: Mãe preta de Lasar Segall, 1930 poema: Poema de amanhã de António Nunes, 1945