Avançar para o conteúdo principal

A emigração e o frio

















1. Creio que devemos fazer notar com preocupação as notícias que ontem deram conta do cerco que a Europa tem, vergonhosamente, fechado aos emigrantes. Desde criancinha que aprendemos, uníssono, a dizer que os cabo-verdianos, entenda-se pobres, saem para fora à procura de uma vida melhor. Portugal vai restringir-se à entrada de imigrantes com curso médio ou superior. França só admite poliglotas, ou seja o imigrante que, além da sua língua, domine o francês, além de criar barreiras ao agrupamento familiar. Será, certamente, mais comedido fechar os serviços consulares de visto, em vez de estar a zombar com a dignidade alheia.
A preocupação redobra quando um país de emigrantes (com e sem documentos), e, recorde-se, aberto ao mundo, queda em silêncio, e segue prestando colaboração no que se convencionou chamar “emigração ilegal”.

2. No rádio Djavan nos remete ao frio que vem lá do sul....

Comentários

aguiar disse…
e porque que somos obrigados a imigrar? porque nao podemos ficar nas nossas terras, o que fazem nossos governantes para que seus concidadaos nao emigrem? Em França oiço mtos franceses a elevarem as suas vozes pelos imigrantes, sejam eles africanos ou de outra parte do mundo, mas nao oiço as vozes daqueles que sao elitos com o votos do povo em Africa e se dizem nosso irmaos...

Gostaria de ouvir a sua opiniao sobre isto, sera pedir mto? agradeço antecipadamente;
saudaçoes cordiais
Pura eu disse…
Não é pedir muito, e acho que respondo no último parágrafo, à minha escala, a sua inquietação. Refiro-me como exemplo às autoridades do meu país, mas a tendência pode, com as devidas ressalvas, estender-se ao continente. A mesma coisa fez Wade no Senegal, ao abrir os braços a Sarkozi (???) no combate à “emigração ilegal”. Ou seja, quando os africanos apoiam essas iniciativas avulsas e apressadas, quer dizer que não dispõe de políticas próprias… não têm uma abordagem interna coerente e consequente contra a pobreza, o trabalho e a dignidade humana. Certo? Exemplo disso, é o tal vídeo produzido em Espanha e exibido no Senegal, desencorajando a emigração. De todo o modo, a pobreza extrema, os conflitos étnicos e políticos, hoje a epidemia da Sida, são as verdadeiras ameaças a uma estabilidade socioeconómica em África… mas para atenuar essas adversidades elegem-se pessoas … a partir daí, a conversa tem sido outra, como sabemos.
Ricardo Vidal disse…
Querida ex-colega faconiana Margarida:

Primeiro lugar, parabéns pelo seu blog e pela sua carreira de Jornalista. Vi pela internet que fizeste muitos progressos!!! Fico feliz em saber que minha querida ex-colega está tendo sucesso. Espero que outros bons ventos (destes ótimos ventos que sopram d'África) levem-te para outras glórias e sucessos.

Quanto ao post "A emigração e o frio", você tocou em um ponto interessante. Agora que a Europa renasce como potência que pode ombrear ao poderio norte-americano e sua economia já não apresenta crescimento tão acelerado, começa a surgir cada vez mais restrições à entrada de emigrantes. Curiosamente, a pouco mais de cem anos, foi a Europa um celeiro de emigrantes que mandava seus filhos paar América e África, uma vez que ela enfrentava seus problemas internos. Digo isso porque meu avô paterno é espanhol e ele emigrou para o Brasil porque na terra dele enfrentou um período de miséria. Já imaginou se naquela época houve medidas para restringir a entrada de europeus pobres? Com certeza eles teriam reclamado dizendo que estava sendo discriminados... Da mesma forma, quando terminou a carnificina da 02ª Guerra Mundial, os europeus não reclaramaram da chegada de emigrantes (principalmente de suas ex-colonias), que foram a principal força motriz da recuperação continental. Sinceramente, isso acaba mostrando um certo cinismo que a comunidade internacional deveria repudiar veementemente. A própria Europa que superou suas antigas diferenças entre povos em prol da unidade, cooperação e integração continental, deveria ter mais hombridade e ajudar na integração mundial - ajudando suas ex-colonias a se recuperarem da rapina que sofreram no passado e criando condições que possam acolher e integrar os emigrantes que por ventura queiram residir lá (como eles foram bem acolhidos em outros momentos, pelas nações latino-americanas).

Bem, espero esteja na linha do que você tinha a dizer. Em todo caso, quero te desejar meus votos de sucesso pra ti. UM abraçoo de um ex-colega da FACOM-UFBA

Ricardo Vidal
http://www.bardocelta.blogspot.com
Pura eu disse…
Querido amigo, Vidal. Quanto tempo!! Saudades.

Pois é, acho que disseste tudo. Esse pessoal está é com memória curta...só isso.

Um abraço
Aguiar disse…
obrigada pela resposta, mto pertinente e oportuna. desculpe a demora, mas estava cogitando...
saudaçoes cordiais

Mensagens populares deste blogue

CODÉ DI DONA: 1940-2010

Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

Poema de amanhã

(...) - Mamãe!

Sonho que, um dia,
Estas leiras de terra que se estendem,
Quer sejam Mato Engenho, Dacabalaio ou Santana,
Filhas do nosso esforço, frutos do nosso suor,
Serão nossas. (...) ilustração: Mãe preta de Lasar Segall, 1930 poema: Poema de amanhã de António Nunes, 1945