Avançar para o conteúdo principal

À guisa de nota... ainda

O Jornal de Educação, Ciência e Cultura, Artiletra, completa, este ano, 15 anos, e o seu último número está muito interessante. O destaque vai para uma entrevista de Larissa Rodrigues com o poeta Oswaldo Osório, do seu nome próprio Osvaldo Alcântara, seguido de uma resenha de Arnaldo França, d´Os loucos poemas de amor e outras estações inacabadas, obra editada pelo Artiletra. A entrevista recorda a infância de Osório, no Mindelo, os seus desgostos, a sua ida a Portugal em 1957 para prestar o serviço militar. O regresso de Lisboa é também interessante… o seu gosto pelo desenho floresce nessa altura. O poeta que perdeu visão em 2004 está a finalizar, com a ajuda de sua filha, a jornalista Sandra Custódio, o seu romance “As Ilhas do Meio do Mundo”, depois de cinco livros de poesia já lançados.

Nesse primeiro número, deste ano, O Artiletra marca também os setenta e cinco anos da morte de Eugénio Tavares, com um texto de Aristides Lima e o primeiro acto do exercício dramático do bravense Artur Vieira, intitulado "Eugénio Tavares - palco de dor e amor".

Francisco Fragoso traz-nos, ainda, nesta edição, uma leitura interessante do Assomada Nocturna de José Luís Hopffer Almada.

Um porém, dentre outros, em relação ao Artiletra é a sua inconstância. Ninguém sabe quando sai… como a sua distribuição não é má de todo, nem tudo está perdido. Reparos à parte, o casal Larissa e Vadinho Rodrigues está de parabéns por conseguir tão invejada longevidade para uma publicação desse tipo. A mesma proeza não conseguiu a Editora Artiletra.

Comentários

Objectivo disse…
É tão dificil manter a Cultura... é que há tão poucos a perceberem o seu efeito benéfico a nível pessoal e social. É a cultura que nos distingue dos outros animais. Cultura é igual a Ser Humano. Por isso, é sempre de louvar quem teima em divulgar e produzir CULTURA

Mensagens populares deste blogue

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

CODÉ DI DONA: 1940-2010

Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

Poema de amanhã

(...) - Mamãe!

Sonho que, um dia,
Estas leiras de terra que se estendem,
Quer sejam Mato Engenho, Dacabalaio ou Santana,
Filhas do nosso esforço, frutos do nosso suor,
Serão nossas. (...) ilustração: Mãe preta de Lasar Segall, 1930 poema: Poema de amanhã de António Nunes, 1945