Avançar para o conteúdo principal

Ìylè Àsè Màrìwóláje vai ser tombado

O Ministro da Cultura do Brasil, Gilberto Gil, continua a marcar ponto na sua agenda de preservação dos patrimónios materiais e imateriais de raiz negra. No dia 1º de Dezembro viajou de Brasília para Salvador para participar da 45ª Reunião do Conselho Consultivo do Património Cultural, que aconteceu no Museu de Arte Sacra.

Já está aprovado o tombamento do Terreiro do Alaketo – Ìylè Àsè Màrìwóláje, como bem cultural do Património Material, e o registro, no Livro dos Saberes do Património Imaterial, da Viola-de-Cocho, de Mato Grosso, e do Ofício da Baiana de Acarajé, como bens culturais de natureza imaterial.

Por intermédio do Instituto do Património Histórico e Artístico Nacional (Iphan), o Ministério da Cultura tem desenvolvido políticas de protecção de bens e sítios vinculados ao património cultural afro-brasileiro. Além do Terreiro do Alaketo (Ilê Maroiá Láji), outras antigas casas de candomblé da Bahia foram inscritas nos Livros do Tombos do Património Cultural.

Estão tombados os terreiros da Casa Branca do Engenho Velho (Ilê Axé Iyá Nassô Oká, em 1986), do Ilê Axé Opô Afonjá (em 1999), do Gantois (Ilê Iyá Omin Axé Iyamassé, em 2002) e do Bate Folha (Manso Banduquenquá, em 2003).

Comentários

João Dias disse…
é bonito ver fazer referencia à cultura afro-brasileira... mas não posso deixar de fazer uma rectificação: Ìylè Àsè Màrìwóláje
Odelonan disse…
Motumbá a todos os meus mais velhos!
Cultura afro-brasileira sendo preservada é a nossa chance de termos perpetuação de nossa religiosidade, das novas casa de santo, dos novos terreiros de candomblé, de viver, pois o movimento crescente de Evangelicos, que se fosse só por motivos relisiosos, cada um com seus interesses, contudo somos nos da espiritualidade de outro continente que estamos ameaçados pela uma futura inquisição...é muito delicado, devemos entregar a nossos orixas nossa oferendas, como sempre o fazemos para dias melhores e com a presença deles.
De onde estou eu fico com meu coração feliz a cada Tombamento Historico de uma Casa Religiosa Afro-Brasileira.
Motumbá e motumbá axé
Odelonan

Mensagens populares deste blogue

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

CODÉ DI DONA: 1940-2010

Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

Poema de amanhã

(...) - Mamãe!

Sonho que, um dia,
Estas leiras de terra que se estendem,
Quer sejam Mato Engenho, Dacabalaio ou Santana,
Filhas do nosso esforço, frutos do nosso suor,
Serão nossas. (...) ilustração: Mãe preta de Lasar Segall, 1930 poema: Poema de amanhã de António Nunes, 1945