Avançar para o conteúdo principal

Puzzle em construção...

Embalo

Existe xodó mais gostoso do que pegar no sono embalada pela voz do Gil!?
Aquele abraço à cidade linda que continua sendo.
O circular do Expresso com ponto de partida rumo ao infinito
O dia que vai raiar
O filho da dor
Os lugares do medo e do segredo...
Longe daqui
Chorar quando se está triste
A alegria
A crença
noites...serenas.. maduras e belas

Congresso de Quadros

Começa, hoje, na Capital cabo-verdiana o 4º Congresso dos Quadros da diáspora...
Muito se disse e se escreveu, nos últimos dias, sobre esse mega evento que desafia em várias latitudes... gostei particularmente do artigo Nação Diasporizada na encruzilhada da História de António Correia e Silva, publicado no último número do A Semana, e queria compartilhar aqui um trecho.

"... a diáspora é um património, construído ao longo da história e não uma formação sociológica espontânea. Nós, da emigração fizemos comunidades e destas, redes próprias de uma diáspora. Tudo isso foi produto de dinâmicas informais e de base. A questão que se coloca hoje é como valorizar este património, uma vez que ele parece portador de imensas potencialidades para gerar soluções de desenvolvimento e de inserção internacional?
Neste momento, creio que o aprofundamento da Nação diasporizada – sociabilidade que é mais um ponto de chegada do que de partida, mais um ideário do que realidade -, reclama que intervenha no processo a dinâmica de topo, protagonizada pelo próprio estado cabo-verdiano, complementando assim a diáspora dos cidadãos e das iniciativas particulares.
Legitimado pelo sucesso em produzir o desenvolvimento de Cabo Verde e munido de meios materiais, legais e diplomáticos, o Estado cabo-verdiano deve agir de forma integrada e coerente, de modo persistente e estratégico, não só no sentido de capturar uma construção que é da sociedade, mas no de densificar a rede erguida pelos nossos emigrantes, promovendo nela a intensificação de fluxos de solidariedade, de laços de colaboração empresarial e de espaços de interacção cultural."

Comentários

Olá Margarida!
No meu novo espaço, criei uma página só para links, mas são vocês que se adicionam! Se for de sua vontade, vá até lá e clique no logotipo do "Páginas Amar-ela", que fica ao fundo da coluna da direita, mesmo por baixo dos aquivos e depois é só fazer o registo.
Fico à sua espera!
Beijinhos,
Dani
www.amar-ela.com

Mensagens populares deste blogue

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

CODÉ DI DONA: 1940-2010

Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

Poema de amanhã

(...) - Mamãe!

Sonho que, um dia,
Estas leiras de terra que se estendem,
Quer sejam Mato Engenho, Dacabalaio ou Santana,
Filhas do nosso esforço, frutos do nosso suor,
Serão nossas. (...) ilustração: Mãe preta de Lasar Segall, 1930 poema: Poema de amanhã de António Nunes, 1945