Avançar para o conteúdo principal

Confidências

Vi o show em êxtase. A interpretação de Apocalipse de Manuel d` Novas, transportou-me aos momentos do primeiro disco de Dudu Araújo. Foi uma viagem. Pidrinha revisitado. Tanha de Renato Cardoso, e muitos outros.
De Nôs cantador, Dudu Araújo passou, definitivamente, para Nha cantador. Um estilo inconfundível e uma postura garbosa no palco. Interioriza a poesia lírica na sua plenitude e interpreta-a com alma. Fala com amizade e admiração dos seus compositores, fala das músicas, e interage com a plateia. Pareceu-me tímido, dir-se-ia que da sua densidade artística. Apetece-me também falar da voz, a voz do Dudu: convida a viagens, dá vida a lugares, a personagens, a detalhes do quotidiano...
Nhelas Spencer e Betú são, para mim, dois pilares fundamentais desse disco. Composições únicas numa sintonia perfeita com o intérprete. Nôs Cantador é um disco imperdível e Dudu no palco é uma outra história. Na banda que ontem acompanhou Dudu, destacava também Voginha e Bau. Um delírio bem ao estilo crioulo.

Ao meu confidente deixo um trecho de Carlos Drummond

Amor é primo da morte,
e da morte vencedor, por mais que o matem (e matam)
a cada instante de amor.

Comentários

djinho barbosa disse…
Margarida, imagina isso...Nhelas e Betu resolvem fazer um disco em parceria. Trocam visitas, empunhando seus violoes, brotam melodias, versos, sonham com talvez o que seria uma outra obra.
Isto me parece o que aconteceu pelos lados do Brasil. Havia contacto e interação entre grandes compositores. Espero que um dia possam acordar para isso.
Pura eu disse…
Pois é Djinho. Já temos valores de sobra para começar(já vai tarde)a pensar nessa outra obra musical. Outras ousadias, novas viagens sonoras, encontros mais poéticos, outros Vôos.
Betú e Nhelas Spencer me parecem, de facto, duas grandes possibilidades. O espírito balançado e crítico de Nhelas, e as melodias densas e silenciosas de Betú podem, em síntese, revolucionar. São definitivamente os meus compositores. Falando em ousadias sonoras, Quarteto em Si parou de vez?
Vladimir disse…
Margarida, esse som me pareceu muito bom, aliás até a foto de Dudu do seu post está bonita, lembrando aqueles elegantes cantadores de serenatas, né? Sei pouquíssimo da música caboverdeana, na verdade só conheço - e aprecio muito - a Cesária Évora. Aqui no Brasil é difícil, mas vou procurar mais, e esse "Nôs Cantador" está anotado.
Ah, adorei sua descrição do show, suas palavrinhas são encantadoras, lembrou-me que faz tempo que não vou a uma boa apresentação, daquelas de nos deixa enlevados, como parece que foi a sua.
Bjs, Vladimir
Pura eu disse…
Vladimir, aqui só escrevo sobre coisas e pessoas que me encantam, que me tocam profundamente. E foi, sem dúvida, o caso do Show de Dudu Araújo. Há muito que amo a sua música, e passei a gostar dele: a sua relação sincera e profunda para com a música que faz. Respeito isso nas pessoas. Se quiseres, envio-te o Nós Cantador, com todo o prazer. Um disco estrondosamente cabo-verdiano e cheio de charme. Beijos
Vladimir disse…
Margarida, puxa, seria muito gentil de sua parte; aqui no Brasil é difícil mesmo.
Não achei seu email, me escreve: vladimirbatista@uol.com.br
Bjs
Abílio Neto disse…
bCara,

Não conhecia o cantor, vi um show na RTP Africa, na semana passada, e fiquei (e a minha mulher também) abismado com tanta qualidade. Um verdadeiro crooner. Emocionou-me.

Fez-me lembrar o Ildo Lobo! Jamais me esquecerei dos Tubarões no Coliseu dos Recreios em LX nos anos 80, não perdi 1 show que fosse.

Não consigo encontrar os seus cds nos circuitos habituais em Lisboa, o que me sugere para os ter?

Abr.,

Abílio Neto

Mensagens populares deste blogue

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

CODÉ DI DONA: 1940-2010

Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

Poema de amanhã

(...) - Mamãe!

Sonho que, um dia,
Estas leiras de terra que se estendem,
Quer sejam Mato Engenho, Dacabalaio ou Santana,
Filhas do nosso esforço, frutos do nosso suor,
Serão nossas. (...) ilustração: Mãe preta de Lasar Segall, 1930 poema: Poema de amanhã de António Nunes, 1945