Avançar para o conteúdo principal

As belas histórias de África


Assistia, ontem, pela Televisão Nacional, à entrega do prémio Jornalista Africano CNN Multichoice. Uma iniciativa de 10 anos que tem prestigiado a competência e a ousadia jornalísticas em África. Uma boa ideia, sem dúvida. Em Cabo Verde também a associação dos jornalista, AJOC, já criou um prémio para distinguir a qualidade. Perfeito! No decorrer da entrega, percebi, com alguma inquietação, que todas as reportagens premiadas falavam de pessoas violentadas, crianças estrupadas, vítimas da Sida, dificuldades mil. Até o prémio destinado às Artes e Cultura estava relacionado a uma agrura qualquer. Não se sabe de que lado está o pessimismo. Se do lado dos concorrentes que acreditam mais no impacto desses trabalhos, ou do júri que só premeia desgraças bem narradas. Sem qualquer desprimor pelos assuntos premiados, que indiscutivelmente fazem parte do quotidiano de alguns países, e devem ser denunciados, questino a uniformidade da agenda, num continente tão diverso como o Africano. É motivo de belas reportagens, o modo de vida singelo de milhares de povos deste continente, é motivo de reportagem a diversidade artística única "desta nação", é motivo de belas histórias a vida de estrelas africanas que saíram de aldeias recônditas e se fizeram ao mundo. A nossa poesia, a nossa literatura, os nossos homens... temos tantos motivos outros! Nunca ganharei um prémio em África... prefiro contar as belas histórias.

Comentários

Anónimo disse…
Margarida,

Virá o dia em que os jornalistas e os artistas africanos serão portadores da boa nova. O nosso Continente está tão dilacerado e espoliado que as coisas boas ficam ofuscadas pelas más. De qualquer maneira, o teu post é poético e pungente. Com a qualidade habitual. É preciso desafiar o afropessimismo de facto. Que tal escreveres sobre o African Renaissance, a germinar hoje sobre a liderança de Thabo Nbeki. Presidente da África do Sul?
Pura eu disse…
Todos estamos conscientes do estado mutilante de África...exactamente por isso deveriamos estar mais atentos às boas novas. Não deixar-se influenciar por aqueles que vêem as desgraças africanas como um trunfo profissional ou político. Vou ter o seu repto em consideração. Obrigada!
Vladimir disse…
Concordo plenamente com você, Margarida. Acho que mais difícil em reportagens dignas de prêmios, é falar de coisas boas e não as ruins.
Bjs
Pura eu disse…
Exacto, Vladimir. É mais difícil, principalmente quando as coisas más são dadas de bandeja, pelas agências internacionais, organizações disso e daquilo, etc.
Anónimo disse…
Margarida,

Os jornalistas que se prezam (e neste caso, fazes parte do grupo) contam histórias boas e más. O importante é colocar a isenção e o espírito de missão jornalística acima do optimismo e do pessimismo de cada um. Isenção não significa neutralidade, mas com certeza ela tem a ver com a verdade ou a aproximação dela. Thabo Nbeki tem um programa de empoderamento da África - história, cultura, economia, etc - e é preciso acompanhar tal iniciativa. Se precisares de mais elementos, consulta o Site de Thabo Nbeki ou de Nelson Mandela.

Nkosi sikelel' iAfrika
Nkosi sikelel' iAfrika
Pura eu disse…
Captei, leitor atento... vou visitar o site. Muito obrigada. O bom e o mau existem, e devem ser reportados com isenção. Inquestionável isso. Sou crítica a uma certa linearidade de agenda sobre África. Sempre fui.
SANSAKROMA disse…
Sansakroma-�frica-Brasil-Cuba
Julio D'Zamb� e D�bora D'Zamb�
Contadores de Hist�rias Africanas
Escritores do Livro "Nzu� e o Arco-�ris"
Site para conferir:
www.sansakroma.com
eu vou a africa e vc ?? disse…
gostei muito desse site a gente tem que se unir e colocar na cabeças das pessoas q a africa nao e um pais pobre contem tambem suas belezas naturais

Mensagens populares deste blogue

CODÉ DI DONA: 1940-2010

Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

Poema de amanhã

(...) - Mamãe!

Sonho que, um dia,
Estas leiras de terra que se estendem,
Quer sejam Mato Engenho, Dacabalaio ou Santana,
Filhas do nosso esforço, frutos do nosso suor,
Serão nossas. (...) ilustração: Mãe preta de Lasar Segall, 1930 poema: Poema de amanhã de António Nunes, 1945