Avançar para o conteúdo principal

"Maria cheia de graça"

ExampleHá cerca de dois anos, o jornal americano Boston Globe fez uma reportagem sobre esta mulher intitulada Maria full of grace. O que li aumentou o meu interesse por ela, e cada vez que a ouvia, gostava mais. Alguma coisa na sua música me transportava aos anos 80, periodo áureo da música cabo-verdiana. Ela é Maria de Barros - a diva cabo-verdiana na diáspora. Encontra-se em Cabo Verde para uma mega digressão pelas Ilhas de S.Vicente, Boa Vista, Santiago, Brava (provavelmente), Fogo e Sal. Esta cantora que em 2003 explodiu, pelas mãos da gravadora Virgin, só agora pôde mostrar às ilhas a sua música. Um encanto! São dois super discos gravados, Nhâ Mundo (2003) e Dança ma mi (2005) - compostos predominantemente por mornas e coladeras, interpretadas por uma voz límpida e singular, com estilo próprio, roçando ao de leve às grandes divas deste país.
Quando decidi gravar pensei na minha mãe. Queria que ela sentisse que gravei um disco genuinamente cabo-verdiano, disse-nos. Crioula cidadã do mundo, mas com os pés fincados na tradição do Arquipélago, Maria de Barros nasceu no Senegal, filha de pais brevenses. Depois, fez a sua infância na Mauritânia e a sua vida adulta nos Estados Unidos.
Maria de Barros é mais um sinal de que Cabo Verde, pelas malhas da Cultura, é uma nação sem fim. Um país que se afirma hoje no mundo pelo pulsar dos seus artistas e fazedores de Cultura, com destaque para os músicos. Ela é um exemplo deste vasto movimento que ganhou ressonância com o feito de Cesária Évora e retemperou atitude com o malogrado Orlando Pantera.
Por detrás dessa diva, e da sua face angelical, está uma mulher cheia de propósitos e de garra. Ela quer propagar Cabo Verde pelos quatro cantos do mundo, a partir da California onde vive. Fá-lo através da música e de um programa que apresenta, na Black Entertainment Television - BET, dedicado a músicas africanas.
Maria de Barros é, actualmente, uma das artistas cabo-verdianas mais celebradas a nivel internacional. Foi eleita personalidade World Music 2004 pela Revista afro-americana Essence e recentemente galardoada com o prémio Miriam Makeba de Excelência Musical.
Volto aos discos para dizer que Kalú Monteiro e Djim Job são dois produtores cabo-verdianos que asseguram o embalo criolo dos trabalhos da artista. A cantora diz que vai continuar com estes mesmos toques no terceiro disco, a ser gravado, durante a sua estada em Cabo Verde. Nos seus dois discos, além de composições próprias, traz músicas de Ramiro Mendes, Kalu Monteiro, Djim Job, Ano Nobo, Paulino Vieira e muitos outros.
À par do encanto criolo, vale ressaltar que de Barros interpreta ritmos e sotaques outros. No primeiro disco adoro o La gloria eres tu, um bolero. No segundo disco interpreta num francês assobiante a música Caresse moi.
Está feito o convite: dia 26 de Agosto, às 22 horas, no Auditório Nacional, Maria de Barros promete um show cheio de graça.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

CODÉ DI DONA: 1940-2010

Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

Poema de amanhã

(...) - Mamãe!

Sonho que, um dia,
Estas leiras de terra que se estendem,
Quer sejam Mato Engenho, Dacabalaio ou Santana,
Filhas do nosso esforço, frutos do nosso suor,
Serão nossas. (...) ilustração: Mãe preta de Lasar Segall, 1930 poema: Poema de amanhã de António Nunes, 1945