Avançar para o conteúdo principal

momentus


Creio ser o show de Maria de Barros, ocorrido no Sábado passado, uma celebração da cabo-verdianidade no sentido mais puro e simples da questão. O país global e diasporizado estava ali naquele palco. A cantora que nem nasceu nas ilhas ofereceu-nos uma noite cabo-verdiana, das mais genuinas vistas por estas bandas. Morna, coladera, funaná, presença, voz, charme, simpatia, the last, but not the least, competência. A cantora que nasceu no Senegal, canta também em francês, e balança o corpo dir-se-ia que dos ventos da Mauritânia, onde cresceu. Celebra a sua latinidade. Abraça as suas origens.
A banda de Maria de Barros é também uma pérola. Além dos Cabo-verdianos Djim Job (baixo), Zé Rui (cavaquinho) e Calú Monteiro (drums) supreende com o californiano Mitchell Long (guitarra e pandeiro) os brasileiros Sandro Rebel, e Grecco Buratto (teclado e guitarra, respectivamente). Antes de terem sido apresentados pela diva, dava para imaginar que eram estrangeiros, mas o ritmo cabo-verdiano, e o coro num criolo perfeito confundiam um bocado. A dúvida só foi dissipada mesmo com os esclarecimentos da cantora.
Mitchell Long, o americano da banda, disse que foi fácil tocar a música de Cabo Verde, porque adora o Brasil e vai lá muitas vezes. Vejam só o paralelo! Achei curiosa essa relação, para ele quase que natural. Grecco e Sandro (os brasileiros da banda) igualmente estão à vontade com os ritmos destas ilhas. Justificam-se como sendo brasileiros. São detalhes desses que comprovam, uma vez mais, a proximidade do nosso país com as terras de Vera Cruz. Uma relação que ao nivel cultural devia ser mais explorada.
A cantora e, já agora, a banda do momento prometem estar no Tabanka Mar no dia 1 de Setembro.

Bónus

O show de Maria de Barros foi aberto por Djoy Amado. Reportou-me às actuações do nosso cameraman Tcheka na cantina da TCV. Hoje, nos palcos do mundo. É este o percurso natural dos talentosos.

Post...

Resolvi mudar a foto deste post, para não pensarem que corresponde ao show de Sábado. A minha amiga Tânia ainda não mas passou (dommage!). Ela me acompanhou no show, e depois fomos ao Black Cat que eu adoro! (juro que publicava as fotos). A selecção musical do Peter (menino irlandês que cresceu na Itiópia), e as fórmulas mágicas do seu Malibu... vou ficar com saudades da minha amiga que está de malas prontas...

Comentários

Vladimir disse…
Achei curioso essa relação colocada pelos artistas entre o Brasil e Cabo Verde, uma vez que essa integração é ainda muito incipiente. Mas que seja um sinal que ela se tornará cada vez mais forte, né?
Bjs
Pura eu disse…
Informalmente essa relação é intensa de parte a parte. Ao nivel da educação, por exemplo, a parceria é forte (mais sentida em Cabo Verde, pelo número de quadros formados no Brasil), mas do ponto de vista cultural (onde existem muitas semelhanças)não existe um intercâmbio efectivo. Pensou-se em abrir um Centro Cultural Brasileiro aqui na Praia, mas ainda não saiu do papel... vamos torcer, né?
Bjs

Mensagens populares deste blogue

CODÉ DI DONA: 1940-2010

Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

Poema de amanhã

(...) - Mamãe!

Sonho que, um dia,
Estas leiras de terra que se estendem,
Quer sejam Mato Engenho, Dacabalaio ou Santana,
Filhas do nosso esforço, frutos do nosso suor,
Serão nossas. (...) ilustração: Mãe preta de Lasar Segall, 1930 poema: Poema de amanhã de António Nunes, 1945