Avançar para o conteúdo principal

Reminiscências


foto daqui
Choca-me a notícia da chegada de mais uma embarcação clandestina às ilhas Canárias, cheia de africanos, inclusive mulheres e crianças. Esse facto faz-me lembrar a escravatura. A empreitada mais desumana que o mundo já assistiu, e que deveria ser considerada a maior vergonha mundial de todos os tempos.
Ainda hoje, esses barcos negreiros continuam a circular. Os seus capitães e passageiros são interceptados em alto mar. Tal gente nem chega a conquistar o que há cinco séculos foi possível: um porto.
Há coisas que chocam. Parafraseado uma ilustre caseira, “preciso descobrir o que me liga à escravatura”.

A ilha

Aproxima-se mais um 1º de Maio, data, para mim, mais do que dia dos trabalhadores, mas do padroeiro da cidade que me viu nascer. Assistir à missa e à corrida de cavalos eram as únicas actividades que, enquanto criança, estavam ao meu alcance. Lembro-me da festa que era a chegada de gente da Praia, e principalmente dos grupos musicais, ora Gama 80, ora Bulimundo, ora Finaçon.
Outra novidade eram os famosos “carros gaiola” para prender “piratas” que chegavam da Praia, acompanhados de reforço policial. A chegada dos cavalos, principalmente de Santo Antão e S.Vicente, igualmente fazia parte da movimentação de San Filipe. A dinâmica das barracas nas feiras era diferente, mais saudável e mais festiva. Lembro-me de padres a venderem nas barracas das Cáritas. Hoje, não consigo imaginar um padre nos bailes do Presídio.
A idade não me permite muitas ginásticas remanescentes, mas lembro-me do almoço no Instituto da Solidariedade e da movimentação, verdadeiramente popular, que ali se dava.
Depois de 91, tudo mudou. Pela primeira vez, nesse ano, dois grupos musicais se deslocaram ao Fogo e num acto insólito aconteceram duas feiras - uma do MPD na praça do Presídio e outra do PAICV no Instituto. Era o que se dizia à boca pequena e o alinhamento dos militantes e simpatizantes veio a comprovar isso.
Nos anos seguintes, as feiras duplas não se repetiram, mas nada ficou como dantes. Estranhamente, as conhecidas vozes do Movimento para a Democracia na Ilha, deixaram de participar nas Festas de S.Filipe. Depois de alguns anos de ausência, passei a frequentar com alguma assiduidade à Bandeira, e constactei a continuada descaracterização. Reparei também que são poucos os residentes que participam no almoço do grande dia, uma festa só para convidados. A bandeira de S.Filipe nasceu numa sociedade escravocrata e fortemente desigual. Factos que não podem ser perpetuados, em nome da tradição. Ninguém deve sentir-se dono da Bandeira de S.Filipe, e nem à margem dessa festa que é de todos nós.
1º de Maio é uma data que interpela a todos os filhos do Fogo. E, por arrastamento, a todos os cabo-verdianos.

Comentários

Rui Guilherme disse…
Assisti às festas de S. Filipe apenas em 1999, 2000 e 2001, e nessa altura também os preços dos bilhetes para os bailes no Presídio funcionavam, para muitos, como mecanismo de selecção e exclusão. Há dias, a propósito do Bitú, de Leão Lopes, Abílio Hernandez dizia-se surpreendido pela participação da cidade do Mindelo no desfile de Carnaval, ao contrário do que acontece nas grandes avenidas do Brasil. Será parte dessa aliança entre a cidade e a festa que parece fracturar-se em S. Filipe? (E ela existe mesmo em S. Vicente, como sugere o filme/documentário de Leão Lopes? A pergunta não é retórica, é que não conheço o Carnaval de Soncente).
Pura eu disse…
Rui Guilherme, no caso de S.Filipe me parece existir uma fractura cada vez maior entre a festa e as gentes da cidade. Não posso dizer o mesmo do carnaval do Mindelo. Desconheço em pormenor as subtilezas dessa festa.

Mensagens populares deste blogue

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

CODÉ DI DONA: 1940-2010

Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

Poema de amanhã

(...) - Mamãe!

Sonho que, um dia,
Estas leiras de terra que se estendem,
Quer sejam Mato Engenho, Dacabalaio ou Santana,
Filhas do nosso esforço, frutos do nosso suor,
Serão nossas. (...) ilustração: Mãe preta de Lasar Segall, 1930 poema: Poema de amanhã de António Nunes, 1945