Avançar para o conteúdo principal

Cinema: Gosto de Kevin Spacey

Kevin SpaceyUm actor essencial: cínico, psicopata, racional, frio, implacável. Em todas as versões faz a diferença: Mesmo num plano aparentemente secundário como foi a sua participação no eléctrico Edison (2005) no papel de Detective Levon Wallace. Aparente, porque esteve no papel certo, onde se exigia sagacidade e destreza, qualidades intrínsecas ao Spacey actor.
No Os Suspeitos (1995) deixa à prova todo o seu domínio cénico, e ganha o seu primeiro Óscar (Melhor actor coadjuvante). No American Beauty (1999) foi magistral, onde arrebatou o Óscar de Melhor Actor.
Ganhou o MTV Movie Awards de Melhor Vilão, por "Seven - Os Sete Crimes Capitais" (1995), além de uma série de indicações e menções.
Possui uma lista de filmografia invejável de cerca de 43 produções entre cinema e TV.
Anunciou no ano passado a sua retirada do cinema (enquanto actor), mas não é assim tão fácil, nem para ele, nem para aqueles que dele precisam. Regressou com Superman Returns (2006). Em 2008 produziu e actuou no 21.
Já agora, vale informar que Spacey é um acérrimo crítico do presidente Bush, e entrou na lista de actores amigos de Hugo Chavez. No ano passado foi recebido pelo presidente venezuelano, em Caracas.

Comentários

Anónimo disse…
Olá miuda,a quanto tempo!!!
como tens passado?
Por acaso,acabei de ver o filme "21" e,acho que nem preciso dizer-te,o Kevin Spacey esteve "awsome"...tens de ver.
"By the way",acerca do filme "Edison"...esse é o meu nome verdadeiro :)
ps:kal-el...
Alex disse…
Alinho sem reservas na tua apreciação. Nos seus melhores momentos faz-me lembrar o melhor A. Hopkins (p.ex. em Seven ele compara bem - em rigor, contenção -com o daquele em O Silêncio dos Inocentes). Perturbador(es)! No entanto, é nos "pequenos" papéis, nos ditos "filmes menores" que ambos mostram a sua verdadeira dimensão. Tenho para mim que o Javier Banderm não teria recebido o Óscar este ano sem aqueles dois papéis, que fizeram escola (ñ, ñ me estou a esquecer de "Psico" 1960, Hitchcock, nem de "Laranja Mecânica" 1971, Kubrick, que são outros marcos em papéis de psicopatas, e que pura e simplesmente imolaram/canibalizaram os dois actores: Anthony Perkins e Malcolm McDowell).
Abç's
ZCunha

P.S.- Parabéns pelo Blog. Estranho (ou talvez não) mas lamento a ausência de comentadores. Que isso não te desmotive nem te faça parar. Há ainda quem esteja atento.
Pura eu disse…
Ka-el (ou melhor, Edison), muito tempo, sim. Vou tentar ver o 21, estou curiosa.

Visita-nos sempre. Um abraço.

Margarida
Pura eu disse…
Alex,

Obrigado pelo comentário. Vindo de quem vem, ele tem consistência e sustentabilidade. A indústria e a critica de Cinema nem sempre fazem justiça aos melhores. Os "malditos" nao são celebrados no banquete dos estabelecidos. Por isso, queremos estar atentos diante dos "desvios", onde por vezes reside a virtude. Quanto aos demais comentários, eles que venham se tiverem de vir. O que me motiva a continuar (ou a parar) seria uma razão existencial...

Um abraço .

Margarida
Pura eu disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
Pura eu disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
Pura eu disse…
Este comentário foi removido pelo autor.

Mensagens populares deste blogue

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

CODÉ DI DONA: 1940-2010

Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

Poema de amanhã

(...) - Mamãe!

Sonho que, um dia,
Estas leiras de terra que se estendem,
Quer sejam Mato Engenho, Dacabalaio ou Santana,
Filhas do nosso esforço, frutos do nosso suor,
Serão nossas. (...) ilustração: Mãe preta de Lasar Segall, 1930 poema: Poema de amanhã de António Nunes, 1945