Avançar para o conteúdo principal

O jornalismo e as legislativas de 2011

















1. Os dois maiores partidos cabo-verdianos estão, há meses, em campanha eleitoral valendo-se, ambos, de todos os meios a seu dispor: tempos de antena, comícios, festivais, inaugurações, programas institucionais na televisão, facebook, autodoors, tudo… Sobre este momento particular do cenário político nacional (os dois partidos se declararam publicamente em campanha), nunca se ouviu uma única palavra (pedagógica que seja) da Comissão Nacional de Eleições.

2. Por esses dias, entretanto, essa mesma comissão está a ministrar uma formação à classe jornalística. A ideia, segundo a presidente da CNE, é ajudar os jornalistas a melhor fazerem o seu trabalho que, segundo diz, não se trata apenas de informar, mas também orientar as pessoas para o voto consciente. O facto é que os jornalistas já começaram a perder terreno no seu desafio de “orientar”, senhora presidente, simplesmente, porque os cidadãos cabo-verdianos já estão a ser bombardeados por quezílias eleitoralistas, antes da hora, pelos partidos políticos e pelo próprio governo. A dita formação, além do conhecimento das leis, reserva algum capítulo sobre essa questão??!!


3. Num certo parâmetro, é no mínimo caricato termos uma sala de jornalistas a ouvirem de uma jurista qual deve ser o seu papel na cobertura de umas eleições, sabendo todos que os critérios em jogo devem ser estritamente jornalísticos.

4. Mais estranho ainda, é pensar que o grosso desta mesma classe que necessita de “conhecer noções sobre as leis” para fazer o seu trabalho, está classificada em 26º lugar no relatório dos Repórteres Sem Fronteira, no quesito Liberdade de Imprensa, tendo ficado à frente de países como Portugal, Espanha, Itália e outros.


5. O que os jornalistas e alguns órgãos precisam para fazer o seu trabalho no sentido do voto consciente, como pretende a presidente da CNE, é de ambiente e de espaço: um ambiente que está a ser, a cada dia que passa, sufocado por propaganda e desinformação; um ambiente que não dilua a informação jornalística; um ambiente que propicíe um espaço crítico e coeso de informação e debate. Um ambiente que diga não à propaganda e a toda e qualquer tentativa de manipulação da informação. Sem esse ambiente, e sem esse espaço, o conhecimento das leis não passa de cansaço e número da CNE.

6. Finalmente, a ONG Repórteres Sem Fronteira terá de rever a sua lista de questionários, porque, pelo desenrolar da situação, estaremos a ocupar, qualquer dia, o 1º lugar na lista dos países mais livres do mundo.

Comentários

Amílcar Tavares disse…
Pura e simplesmente, precisamos de jornalistas que conheçam e que cumpram o Código Internacional de Ética para Jornalistas.

Nada mais.
pura eu disse…
Jornalistas e ÓRGÃOS que conheçam e que cumpram o Código Internacional da Ética para Jornalistas. Poupávamos dinheiro, tempo e paciência.
Edy disse…
em outras bandas,o problema é que os meios de comunicação estão sob a alçada de grupos empresariais privados;em CV,parece-me,o problema é que os meios de comunicação do país estão sob a alçada dos partidos políticos.Estes são os donos dos jornais,rádios,tv´s...mesmo que indirectamente!Estarei enganado?
pura eu disse…
em certa medida, sim. donos, não apenas dos media, mas do mundo cabo-verdiano. os outros hipotéticos poderes diluem-se, perante o músculo dos partidos.
da caps disse…
Gostei.
Acho que mais claro não poderia ser.

Está claro que não são só os jornalistas a 'levar na orelha', pelo actual estado da (pré)campanha.

Quem quiser, por conviniência pessoal e/ou corporativa, (CNE inclusivé) que continue numa de avestruz.
Anónimo disse…
Totalmente de acordo, mas cabe aos jornalistas e aos orgãos mudar esse estado de coisas, pelo menos ao seu nível. Resta saber quando a sociedade deixará de votar nesses políticos para que uma nova geração de líderes possa surgir. Espero que não me censure desta vez.
Carlos Silva
pura eu disse…
Estranho que concorde "totalmente" com algo que escreva... contraditório até! Mas não... desta feita, não o sensurei, porque foi comedido, não ofendeu a minha pessoa (que nada tem que ver com aquilo que aqui se debate)... confesso-te a minha dificuldade em lidar com fantasmas.
Apenas isso, Carlos Silva
Anónimo disse…
um gostá !! tem mas uns 2, 3 jornalistas moda bo ? seria bom!

Mensagens populares deste blogue

CODÉ DI DONA: 1940-2010

Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

Depois da Bandeira

1. SÃO LOURENÇO continua a ser um dos lugares mais agradáveis da Ilha do Fogo. O cemitério casado com a igreja e a casa paroquial; um lugar quase ermo, com a cara voltada para o mar, e um punhado de terra no ventre. Terra boa que d...eu bons filhos à ilha. Nesse cemitério, sob a imagem de uma pirâmide, mesmo à entrada, fica a campa do médico e escritor, Henrique Teixeira de Sousa, natural de Outrabanda, freguesia do Santo. Dois passos à frente descansa eternamente Padre Fidelis Miraglio, o eterno pároco de S.Lourenço e um dos primeiros Padres Capuchinhos italianos a pisar Cabo Verde. Na residência paroquial, mesmo ao lado, vive outro pastor de S.Francisco: Padre Camilo Torassa, italiano, filho de Cuneo, a viver entre Fogo, S.Vicente e Brava há mais de 50 anos: apesar do mal que lhe aflige os olhos e as pernas, a lucidez o acompanha. Éramos quatro adultos e uma criança, e fomos expressamente a São Lourenço para o visitar. Conversa vai, conversa vem, desafiou a um dos visitantes que co…