Avançar para o conteúdo principal

Filhos da diáspora...


Interrompe a universidade onde fazia um curso de gestão de empresas, sem, no entanto, desligar-se do mundo musical que conheceu na adolescência; dá um tempo nos estudos, grava o seu primeiro single, e ruma a Cabo Verde para conhecer a terra dos pais, e apresentar-se aos crioulos no show do Akon.
Falamos de Chris Barbosa, um filho da diáspora, mais concretamente dos Estados Unidos. Os pais são do Fogo, e ao contrário do tendencial, Barbosa é pouco fluente em crioulo.
O primeiro CD do jovem músico intitulado “Grown” estará pronto ainda este mês. Um CD que nasce de um laboratório de emoções musicais protagonizado por Barbosa e outros jovens americanos: Fine Print Music, um projecto de escrita e catalogação de composições para géneros, estilos, e ritmos variados.

“Meu primeiro álbum... sairá entre 15 e 17 de Novembro... nessa semana. Já tenho um single com três canções: "Hear that song", "So fine", e "Dance with me”, o mais novo. Vai ser um bom álbum, terá uma música zouk, em crioulo, que ainda estou a terminar de escrever”, disse-nos.

“Grown” é um álbum de Rithm and Blues, com incursões em inglês e crioulo. "Hear That Song" ... aqui.



Delano...


















Delano Barbosa é irmão do Chris Barbosa. É a terceira vez que visita a terra dos pais, fala um crioulo de forte sotaque foguense. É actor, vive em Nova Iorque, onde faz cinema e teatro. Paixão que agora decidiu conciliar com a música. O seu primeiro CD intitulado “Descubrin” sai em Janeiro do próximo ano. “Descubrin nha alma, nha persona: um conceito ambíguo, ku significadu filosófico e físico, sexual até”, descreve Delano. Zouk, Rithm and Blues, em inglês e crioulo são o forte do álbum.

Como actor, Delano Barbosa é dono de uma força expressiva notável, e uma fina sensibilidade que fazem dele uma grande promessa cénica. Confira aqui...

Comentários

Niecey disse…
I am very proud of my brothers for the simple reason that they're learning to express themselves through Cape Verdean music & through their culture as well. Its not an easy task to learn to speak criolo when all you have known your whole entire life is to speak Enlish. We grew up in a Cape Verdean household listening to Cape Verdean music, we ate the food, and we understand the language. Our parents spoke the language as best they can with us and even taught us how to write it. But the reality is that Criolo is our second language. All we can do is try. We grew to love our culture anyways. "Nu nece americano ma nos sangue e Cabo Verdeano! Nu ta curti nos cultura ke nos pais dano. Um ta agradece nhas pais pa tudo ke es fase nu. E tambe nhas irmaos tem txeu amor pa cultura Cabo Verdeano. E por isso ke es fase musica na criolo/zouk pa es mostra mundo entero kel amor grande ke es tem!" I have been reading the comments left on the videos of my brothers on RTC.CV and I can't believe the hate that is expressed. My question is why? Why hate on them. They're obviously trying their best. People need to give more encouragement and credit rather than demean them. It isn't fare and it isn't nice. Cape Verdeans should take us with open arms and show us how beautiful the people, the country, the culture itself is. We want to be able to raise our children to love their culture as well. But if our own people degrade us, & put us down then how can we embrace the Cape Verdean culture? It's pure ignorance! Let's teach instead of hate. Let's love instead of degrade. Let's support each other instead of turning your backs on us!

Mensagens populares deste blogue

CODÉ DI DONA: 1940-2010

“Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

Depois da Bandeira

1. SÃO LOURENÇO continua a ser um dos lugares mais agradáveis da Ilha do Fogo. O cemitério casado com a igreja e a casa paroquial; um lugar quase ermo, com a cara voltada para o mar, e um punhado de terra no ventre. Terra boa que d...eu bons filhos à ilha. Nesse cemitério, sob a imagem de uma pirâmide, mesmo à entrada, fica a campa do médico e escritor, Henrique Teixeira de Sousa, natural de Outrabanda, freguesia do Santo. Dois passos à frente descansa eternamente Padre Fidelis Miraglio, o eterno pároco de S.Lourenço e um dos primeiros Padres Capuchinhos italianos a pisar Cabo Verde. Na residência paroquial, mesmo ao lado, vive outro pastor de S.Francisco: Padre Camilo Torassa, italiano, filho de Cuneo, a viver entre Fogo, S.Vicente e Brava há mais de 50 anos: apesar do mal que lhe aflige os olhos e as pernas, a lucidez o acompanha. Éramos quatro adultos e uma criança, e fomos expressamente a São Lourenço para o visitar. Conversa vai, conversa vem, desafiou a um dos visitantes que co…