Avançar para o conteúdo principal

O regresso de Domingas

A HISTÓRIA de Domingas e de Antonieta, mãe e filha, separadas há 39 anos pelos destinos da história, conhece um final feliz. Há um mês, graças à Radiotelevisão Portuguesa, fizeram-se os primeiros contactos via telefone e uma reportagem de ponta a ponta – estando a filha em Cabo Verde e a mãe em São Tomé e Príncipe. A chegada de Domingas e de seu filho Armando ao aeroporto da Praia, a 25 de Setembro, fruto de uma verdadeira “operação resgate”, conta uma pequena parcela do grande drama humanitário que tem sido a emigração cabo-verdiana em São Tomé e Príncipe. Domingas não regressa a Cabo Verde apenas para o “descanso da velha guerreira”, mas para fugir à fome e reencontrar, pela primeira vez em quase 40 anos, a filha Antonieta, que deixou com apenas alguns meses. “Estou feliz, tenho uma grande alegria dentro de mim”, desabafa Antonieta. Em Tira-Chapéu, bairro suburbano da cidade da Praia, foi notória a alegria dos familiares, dos amigos e dos vizinhos. Ainda não refeitos da comoção deste reencontro, subsistia na face dos recém-chegados as marcas da reintegração e do regresso. Se São Tomé e Príncipe, tanto na poética como no imaginário colectivo cabo-verdianos, persiste como um “caminho longe”, o regresso, ainda que “pródigo”, não exorciza de todo o trauma dos anos passados em regime de quase escravatura e de uma vida comunitária sem cidadania. Depois de trabalhar durante três anos em S. Tomé, Domingas quis voltar. Arrumou a sua carga, pronta para partir para o porto da Praia, quando deu conta que o marido lhe tinha tirado a folha do contrato da emigração. “Diante disso, tive que desistir e tempos depois arrebentou o 25 de Abril”, diz. Apesar da dramática história, o desfecho não deixa de ser feliz para Domingas e sua família. Em verdade, milhares de outros cabo-verdianos saídos de Cabo Verde há muitas décadas e contratados como serviçais nas roças de cacau de São Tomé e Príncipe continuam a viver em condições infra-humanas. Forçados a emigrar para o “Sul”, para fugir às sucessivas fomes e para preencher a demanda de mão-de-obra semi-escrava nas roças de São Tomé e Príncipe, durante o período colonial, eles nunca viram o resultado do seu trabalho. As independências de Cabo Verde e de São Tomé e Príncipe nunca lhes conferiram qualquer tipo de cidadania. A descolonização portuguesa tão-pouco lhes emprestou alguma dignidade humana. Mais de 50 mil cabo-verdianos, de muitas gerações, mantêm viva a “ideia” de Cabo Verde como “Terra Prometida”. O primeiro-ministro, José Maria Neves, durante a Quinta Conferência dos Chefes de Estado e de Governo da CPLP, em São Tomé e Príncipe, teve oportunidade de constatar esse verdadeiro desastre humanitário. O estadista cabo-verdiano chorou diante da realidade, e a visita às roças tê-lo-á marcado profundamente. “Há um antes e um depois desta visita a essa comunidade na vida política de José Maria Neves”, afirmou um membro da delegação cabo-verdiana. Anos antes, o Presidente da República, Pedro Pires, tinha chamado à solidariedade os cabo-verdianos do mundo inteiro em relação às emigrações mal sucedidas, numa clara referência aos casos de São Tomé e Príncipe, Angola e Moçambique. Os cabo-verdianos, na sua maioria, nos países africanos – mesmo nos casos da Guiné-Bissau, Senegal e Costa do Marfim –, não se consideram bafejados pela sorte. Também aqueles que vivem nos bairros degradados nos países do Norte – Portugal, França e Estados Unidos –, não se podem considerar bem sucedidos. Só que, dos vários dramas que condicionam a vida de muitos cabo-verdianos pelo mundo, o de São Tomé e Príncipe é de longe o mais gritante. E desumano…

Margarida Fontes

Comentários

Dhan disse…
Olá, querida amiga. Fico comovido com essas histórias, uma vez que sempre passa pela minha cabeça deixar meu país. Preciso viver outras coisas. Mas, é uma decisão muito difícil, afinal não há nada mais confortável do que nossa terra. Ele é nossa é conhecida e é onde, de alguma forma, sabemos nos defender e temos a quem apelar. Longe dela, somos estranhos. Em alguns lugares, intrusos. Tenho um conhecido que foi para a Holanda. Está lá há duas semanas e está triste pq é difícil arranjar emprego. Quer voltar. Eu disse para ele que é muito cedo, mas se quisesse voltar as portas estariam abertas para ele aqui. Para alguns, o regresso significa derrota. Para Domingas, com certeza, foi uma vitória. Beijos de seu amigo baiano. Dhan.
E.O. disse…
bonita história. e belo texto. aqui no maputo também há uma pequena comunidade de cabo-verdianos. alguns mais velhos, em particular viúvas, subsistindo com grandes dificuldades. e sei que a embaixadora desenvolveu projecto de construção de casas para alojar essas senhoras, ainda algumas dezenas. não conheço pormenores, mas consta que com bastante sucesso e agrado.
Clickbank Mall disse…
Come Visit Santa at his blog and tell him what you want for Christmas,

Mensagens populares deste blogue

CODÉ DI DONA: 1940-2010

Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

Depois da Bandeira

1. SÃO LOURENÇO continua a ser um dos lugares mais agradáveis da Ilha do Fogo. O cemitério casado com a igreja e a casa paroquial; um lugar quase ermo, com a cara voltada para o mar, e um punhado de terra no ventre. Terra boa que d...eu bons filhos à ilha. Nesse cemitério, sob a imagem de uma pirâmide, mesmo à entrada, fica a campa do médico e escritor, Henrique Teixeira de Sousa, natural de Outrabanda, freguesia do Santo. Dois passos à frente descansa eternamente Padre Fidelis Miraglio, o eterno pároco de S.Lourenço e um dos primeiros Padres Capuchinhos italianos a pisar Cabo Verde. Na residência paroquial, mesmo ao lado, vive outro pastor de S.Francisco: Padre Camilo Torassa, italiano, filho de Cuneo, a viver entre Fogo, S.Vicente e Brava há mais de 50 anos: apesar do mal que lhe aflige os olhos e as pernas, a lucidez o acompanha. Éramos quatro adultos e uma criança, e fomos expressamente a São Lourenço para o visitar. Conversa vai, conversa vem, desafiou a um dos visitantes que co…