Avançar para o conteúdo principal

Era uma vez S.Filipe...


A Ilha do Fogo proporcionou aos seus visitantes de 25 Abril a 2 de Maio uma temporada jamais vista em Cabo-Verde.
Para começar, imaginem um show a começar na boca noti à frente do vulcão, ventado por um fresco característico de Chã das Caldeiras. Tito Paris, Ramiro Mendes, Tcheka numa dupla imbatível com Hernâni, Violinistas locais, e muito mais… O show foi produzido pelo jornal A Semana, no âmbito da abertura da sua delegação local…

Sobre a festa da bandeira, em si, deixo os pormenores com a Kamia no So Pa Fla. Um à parte: o Cola Sandjon (presente no painel fotografado pela Kamia) não faz parte da bandeira de S.Filipe. O Cola de S.Filipe são cantigas espontâneas entoadas pelas coladeras e coladores… não a dança típica de S.Antão erroneamente representada no painel.

As obras do presídio. Viram? Aquele presídio de onde sempre se avistou a brava… aquele que Teixeira de Sousa descrevia. Hoje ostenta uma grade à volta, e um palco de cimento fixo. O chão é azul. Não digo mais.

O emblemático sobrado de Nho Agnelo (construído nos finais do Séc. XIX) foi inaugurado como Sobradinho/hotel. A restauração do sobrado, em si, me pareceu interessante, mas o apêndice que construíram à frente! A própria arquitecta da obra admitiu que aquilo é um non sense estético. Mas como precisavam de uma recepção!

A praça central, à frente da Câmara, está, a partir de agora, cercada. O chão é também azul com tudo o que tem direito: umas pinturas de ramo de café e um vulcão. Os clichés todos.

Há! No Alto de S.Pedro construíram um coreto… a vista para Bila Baxu já não é a mesma coisa.

O Ministro da Cultura ficou de visitar essas obras, e se posicionar depois de um parecer técnico do Instituto de Investigação e Promoção Culturais. A Instituição que cuida da preservação do património em Cabo-Verde, mesmo depois da corajosa carta aberta do cidadão Fausto do Rosário contra o Presidente da Câmara Municipal de S.Filipe, e do protesto de três operadores turísticos residentes na ilha, acorrentados às grades da praça, não disse uma única palavra.

Vamos aguardar.

Comentários

Kamia disse…
Belo texto, Margarida. Sobre o silêncio de quem de direito ante as manifestações...estão engasgados. É que esse pessoal começa a ficar afrontado com essa "lata" que o caboverdiano finalmente está a mostrar que tem ao por a "boca no trombone" e gritar bem alto e em praça pública os seus protestos. Nunca o cabo-verdiano foi tão activo na denúncia dos desmandos feitos por quem se julga dono de Cabo Verde e do seu património.
Anónimo disse…
Olá Margarida,

Tenho acompanhado à distância a delapidação do património arquitectónico de S. Filipe e só me apetece dizer "Shame on you, mister Veiga!!" Espero que as autoridades nacionais ajam em conformidade. A ver...

Bjs,
Katia
Mário Almeida disse…
Olá, Margarida:

O teu texto deixa a sensaçäo de que há ainda certas imagens por explorar e comentários a fazer no contexto da ilha do Vulcáo. Apesar de muito já se ter esgrimido sobre o assunto (inclusive em ficçäo), näo deixa de ser pertinente uma nova incursáo nesse domínio. Algo atípico, provocador e de denúncia espreita por entre as tuas palavras. Sei lá: tome isso como uma simples observaçáo.
Pura eu disse…
Obrigada kamia. Tens toda a razão.
Pois é Katy ... o nosso Eu(Genia), assim o chamam no Fogo, está a destruir lentamente aquela pérola. Gostei da tua observação, Mário. Porque não?!
Abraços aos três...

Pura eu
Anónimo disse…
Hey what a great site keep up the work its excellent.
»
Anónimo disse…
I really enjoyed looking at your site, I found it very helpful indeed, keep up the good work.
»
Anónimo disse…
Very pretty design! Keep up the good work. Thanks.
»
Anónimo disse…
I find some information here.

Mensagens populares deste blogue

CODÉ DI DONA: 1940-2010

Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

Depois da Bandeira

1. SÃO LOURENÇO continua a ser um dos lugares mais agradáveis da Ilha do Fogo. O cemitério casado com a igreja e a casa paroquial; um lugar quase ermo, com a cara voltada para o mar, e um punhado de terra no ventre. Terra boa que d...eu bons filhos à ilha. Nesse cemitério, sob a imagem de uma pirâmide, mesmo à entrada, fica a campa do médico e escritor, Henrique Teixeira de Sousa, natural de Outrabanda, freguesia do Santo. Dois passos à frente descansa eternamente Padre Fidelis Miraglio, o eterno pároco de S.Lourenço e um dos primeiros Padres Capuchinhos italianos a pisar Cabo Verde. Na residência paroquial, mesmo ao lado, vive outro pastor de S.Francisco: Padre Camilo Torassa, italiano, filho de Cuneo, a viver entre Fogo, S.Vicente e Brava há mais de 50 anos: apesar do mal que lhe aflige os olhos e as pernas, a lucidez o acompanha. Éramos quatro adultos e uma criança, e fomos expressamente a São Lourenço para o visitar. Conversa vai, conversa vem, desafiou a um dos visitantes que co…