Avançar para o conteúdo principal

Abraão tem notícias de África

Cabo Verde – spritu lebi é título de uma exposição fotográfica de Abraão Vicente, patente, neste momento, ao público mindelense. Estivera na Praia, no Centro Cultural Francês. Um olhar humano sobre os rituais da morte, e da vida, as gentes e a tradição da Ilha de Santiago. Quinze fotos dessa exposição foram seleccionadas, numa lista de centenas de fotógrafos africanos, para participar no Notícias de África, em Paris. Uma mega exposição fotográfica que acontece em Setembro, e reúne 60 fotógrafos de 23 países africanos, portadores de um novo olhar sobre o continente negro.

O evento é organizado por três agências de fotografias de Paris, e vai obedecer a cânones pouco convencionais, em termos de formato. Algumas ruas de Paris vão acolher uma exposição inovadora em outdoors e murais. Outra ideia da organização é construir um álbum de família. Ou seja, conseguir com algumas famílias africanas residentes em Paris, duas ou três fotos que retratam a sua vida nessa cidade, e expor num mural. Prevê-se também sessões de áudio e vídeo com motivos africanos – será uma verdadeira exposição de África em Paris.

Abraão Vicente, o escolhido para representar Cabo Verde, é formado em sociologia, e se fez no mundo da arte enquanto artista plástico. Há dois anos deixou Barcelona, onde experimentou a miscelânea e a ousadia artísticas. Cabo Verde Spritu lebi é a sua primeira exposição fotográfica em Cabo Verde, tendo anteriormente realizado várias mostras de quadros.

Comentários

Anónimo disse…
O Abraao nao passa de uma grande fraude. Em terra de cego, o cololo armado em rei. O programa Casa da Cultura destila uma pseudocultura. Muito leve para o nosso gosto. Sinceramente...
Pura eu disse…
Obrigada pela opinião e pela sinceridade ...
Abraao Vicente disse…
Ola Margarida!Por mero acaso fui cair ao teu Blog (Parabens pelo excelente conteudo e pelo dom da escrita) e por pura sorte deparei_me com o artigo dedicado a "Noticias de Africas" e ao unico e respectivo comentario. Dar_me_ia ao trabalho de responder aos conteudo se acaso a pessoa se tivesse identificado, atras de mascaras torna_se demasiado tentador atacar, principalmente atacar a alguém que neste momento é uma figura publica (doa a quem doer). A nivel pessoal a gente que nada ou mal me conhece nao custumo dedicar o meu tempo. Ciumes, inveja e principalmente falta de coragem sao sentimentos demasiado baixos para serem levados em conta. Alerta: sei muito bem de onde parte o comentario! As minhas melhores saudaçÕes!melhores dias nes Nha Terra!
Abraao Vicente
Anónimo disse…
"ami en mora li", ou "ami é di li".
a moda pegou mas o programa e o seu conteudo está aquem da promoção do proprio programa.
o "casa da cultura" tem tudo para ser um bom programa mas a falta de humildade do apresentador....
me lembrei que "figuras publicas" são melhor dotadas que nós plebeus.
Pura eu disse…
Que bom que aqui chegaste, Abraão! Fica.
Eu também gostaria que os comentários tivessem rosto, os positivos e os mais criticos.
Obrigada a todos pela visita, e pelos comentários.
Abraao Vicente disse…
....e la vem a mascara...referi_me a figuras publicas pensando na minha actual exposiçao mediatica, segundo ponto: nao tenho complexo em ter ideias e um espaço onde divulga_las, terceiro: nao necessito de bengalas para me apoiar, quarto jamais farei parte de nenhuma palhaçada produzida com o unico intuito de vender a nossa cultura para turistas,mais se "Casa da Cultura" nao tem conteudo meus senhores falamos de outra coisa qualquer menos de cultura de Cabo Verde...quanto ao meu ego alimenta_se directamnete da minha certeza de que tenho total apoio de toda a comunidade artistica e da populaçao, n ta mora li mais aue moda é uma linha aue apenas une aos aue realmente sao daqui e tem conhecimente de facto da cultura caboverdiana! Nota: alegro_me imenso de poder trocar estas impressÕescom estiver ai desse lado e o faço com um enorme sorriso§ n ta mora li pegou de facto!as minhas melhores saudaçÕes
Abraao Vicente
Anónimo disse…
cuidado com a basófia e com a falsidade das pessoas. já diz o ditado "denti ca ten sangui".
Pedro Reis disse…
"O artista é o criador de coisas belas.
O objectivo da arte é revelar a arte e ocultar o artista.
O crítico é aquele que sabe traduzir de outro modo ou para um novo material a sua impressão das coisas belas.
A mais elevada, tal como a mais rasteira, forma de crítica é um modo de autobiografia.
Os que encontram significações torpes nas coisas belas são corruptos sem sedução, o que é um defeito.
Os que encontram significações belas nas coisas belas são os cultos. Para esse há esperança.
Eleitos são aqueles para quem as coisas belas apenas significam Beleza.
Um livro moral ou imoral é coisa que não existe.
Os livros são bem escritos ou mal escritos. E é tudo.
A aversão do século XIX pelo Realismo é a fúria de Caliban ao ver a sua cara ao espelho.
A aversão do século XIX pelo Romantismo é a raiva de Caliban por não ver a sua cara ao espelho.
A vida moral do homem faz parte dos temas tratados pelo artista, mas a moralidade da arte consiste no uso perfeito de um meio imperfeito.
Nenhum artista quer demonstrar coisa alguma. Até as verdades podem ser demonstradas.
Nenhum artista tem simpatias éticas. Uma simpatia ética num artista é um maneirismo de estilo imperdoável.
Um artista nunca é mórbido. O artista pode exprimir tudo.
O pensamento e a linguagem são para o artista instrumentos de arte.
O vício e a virtude são para o artista matérias de arte.
Sob o ponto de vista da forma, a arte do músico é o modelo de todas as artes. Sob o ponto de vista do sentimento, é a profissão de actor o modelo.
Toda a arte é, ao mesmo tempo, superfície e símbolo.
Os que penetram para além da superfície, fazem-no a expensas suas. Os que lêem o símbolo, fazem-no a expensas suas.
O que a arte realmente espelha é o espectador, não a vida.
A diversidade de opiniões sobre uma obra de arte revela que a obra é nova, complexa e vital.
Quando os críticos divergem, o artista está em consonância consigo mesmo.
Podemos perdoar a um homem que faça alguma coisa útil, contanto que não a admire. A única justificação para uma coisa inútil é que ela seja profundamente admirada.
Toda a arte é completamente inútil." (Oscar Wilde)

Pedro Reis
(Sem máscaras, sim porque isto de ser ser anônimo dá jeito mas demonstra uma tamanha falta de coragem que até faz impressão)
Júlia Sá disse…
É mesmo muito fácil criticar os outros, principalmente, quando na assinatura se escreve: "anónimo"!
Eu, pessoalmente, acho que Cabo Verde lucraria muito mais se tivesse mais pessoas como Abraao Vicente!
Se o programa não corresponde às expectativas culturais...talvez a falha esteja mesmo nos apoios à cultura,para não dizer mesmo na cultura em si, e não no apresentador da "Casa da Cultura".
Anónimo disse…
Nice idea with this site its better than most of the rubbish I come across.
»
Anónimo disse…
Super color scheme, I like it! Good job. Go on.
»
Anónimo disse…
Hi! Just want to say what a nice site. Bye, see you soon.
»
Anónimo disse…
I find some information here.

Mensagens populares deste blogue

CODÉ DI DONA: 1940-2010

Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

Depois da Bandeira

1. SÃO LOURENÇO continua a ser um dos lugares mais agradáveis da Ilha do Fogo. O cemitério casado com a igreja e a casa paroquial; um lugar quase ermo, com a cara voltada para o mar, e um punhado de terra no ventre. Terra boa que d...eu bons filhos à ilha. Nesse cemitério, sob a imagem de uma pirâmide, mesmo à entrada, fica a campa do médico e escritor, Henrique Teixeira de Sousa, natural de Outrabanda, freguesia do Santo. Dois passos à frente descansa eternamente Padre Fidelis Miraglio, o eterno pároco de S.Lourenço e um dos primeiros Padres Capuchinhos italianos a pisar Cabo Verde. Na residência paroquial, mesmo ao lado, vive outro pastor de S.Francisco: Padre Camilo Torassa, italiano, filho de Cuneo, a viver entre Fogo, S.Vicente e Brava há mais de 50 anos: apesar do mal que lhe aflige os olhos e as pernas, a lucidez o acompanha. Éramos quatro adultos e uma criança, e fomos expressamente a São Lourenço para o visitar. Conversa vai, conversa vem, desafiou a um dos visitantes que co…