Avançar para o conteúdo principal

Há luz na Cidade...

ExampleA Ilha do Fogo, ouvi ontem num programa na TCV, não deixa ninguém indiferente. A paisagem dura, o negro, a força humana, a (ainda) harmonia arquitectónica da Cidade de S.Filipe encantam a qualquer visitante.
A Cidade e a Ilha não estão paradas mercê da sua história e riqueza natural. O Vulcão activo e lindíssimo é um santuário cada vez mais adorado, graças aos empreendimentos turísticos desenvolvidos em Chã das Caldeiras, ligados à produção do vinho, e à hotelaria.

Na Cidade, nunca é demais falar da Casa da Memória, um autêntico museu sob a responsabilidade da Monique Widmer – um local onde se pode conhecer pelos objectos ali expostos, o quotidiano passado das gentes da ilha. Uma vertente bibliográfica faz parte do projecto.

Mesmo ao lado da igreja matriz está o Djar´Fogo de Agnelo Vieira Andrade, um espaço que aposta na promoção de roteiros turísticos culturais na ilha, aberto a estrangeiros e residentes. Acolhe, neste momento, duas exposição de pintura: da francesa Dominique Delaroche, e do bravense José Andrade.

No Alto de S.Pedro, a parte que divide Bila Baxu da Bila Riba, fica o Le Bistrot – uma casa antiga com o encanto do seu pátio e quintal, que também promove tours turísticos pelos cantos da ilha… de lá também se avista a Ilha Brava, numa distância confortável, dir-se-ia que irreal, de tão perto.

O interior norte da ilha igualmente recomendo. Não estive na Praia das Salinas em S. Jorge, mas aconselho a piscina natural. Não estive em Pico Pires, mas aconselho vivamente a visita da Capela.

Sempre passei por Cabeça Monte, a caminho de Lagariça, e sonhava com aquela casa de Nhô Agnelo eternamente fechada. Agora que se abriu, lá fui…e provei as especialidades matinais da casa. O ambiente inspirou um programa de Televisão… dentro de dias hão de indagar, aqueles que ainda se assumem telespectadores da TCV, que belo lugar esse, onde o Alveno Figueiredo entrevistou o Presidente da Republica!

A Cidade de S.Filipe cresce, um pouco irregularmente… surgem novos tamboreiros, e coladores. Pistas para uma outra nota, entretanto!

Comentários

Anónimo disse…
Super color scheme, I like it! Good job. Go on.
»
Anónimo disse…
Greets to the webmaster of this wonderful site! Keep up the good work. Thanks.
»
Anónimo disse…
Really amazing! Useful information. All the best.
»

Mensagens populares deste blogue

CODÉ DI DONA: 1940-2010

Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

Poema de amanhã

(...) - Mamãe!

Sonho que, um dia,
Estas leiras de terra que se estendem,
Quer sejam Mato Engenho, Dacabalaio ou Santana,
Filhas do nosso esforço, frutos do nosso suor,
Serão nossas. (...) ilustração: Mãe preta de Lasar Segall, 1930 poema: Poema de amanhã de António Nunes, 1945