Avançar para o conteúdo principal

Mayra

ExampleA cantora Mayra Andrade encontra-se em Cabo-Verde, vinda de Paris onde reside, e traz na bagagem uma grande novidade: o seu primeiro álbum “Navega”.

A cantora surpreende pela interpretação e pela composição, pois o álbum marca a estreia de uma compositora a se afirmar.

As doze faixas do álbum “Navega” denotam uma Mayra Andrade mais madura e mais dona de recursos do canto e da interpretação. Enraizada nos valores musicais de Cabo Verde, ela acrescenta à cabo-verdiana um toque sofisticado de quem também já se habitou em outras claves, harmonias e arranjos. Para lá de tanta graça e alguma originalidade, é a Mayra Andrade compositora que nos surpreende desta feita. Este disco marca, nas suas nuances intangíveis, uma cantora já saída da adolescência e inaugurando a idade adulta com elegância e sentido estético.

Ressalta-se também em “Navega”, o bom gosto do repertório. Tanto na selecção de compositores como Betú, Pantera e Kaká Barbosa, como na ousadia dos arranjos, ora com simplicidade acústica e tradicional, ora com arrojo jazzy, própria de quem já é senhora do mundo. O naipe dos participantes no álbum é na sua maioria estrangeiro, mas a base criola do trabalho foi fielmente garantida por Kim Alves que tocou vários instrumentos e pela própria Mayra.

Mayra Andrade cantou desde pequena, um pouco por todo o lado por onde passou, quase sempre em ambientes restritos e familiares. Mas depois aconteceu o seu momento de glória – a Medalha de Ouro do Festival Internacional da Francofonia, em Quebéc, Canadá. Ela tinha apenas 17 anos, mas apostada em se fazer à roda de alguns dos músicos, como Mário Lúcio, Ildo Lobo e Orlando Pantera. Em Quebéc, ela encantou não apenas pela forma com interpretou a música “Lua”, de Princesito, mas também pela energia, alegria e inteligência. A Francofonia não resistiu aos mil encantos da jovem cantora e fê-la a sua mais jovem galardoada de sempre.

Habituada, tanto nas ilhas como no mundo, a compartilhar a sua arte, Mayra Andrade parte deste álbum para uma tournée internacional, que a ocupará na “estrada” nos palcos internacionais. Por isso, o retorno a Cabo Verde não é só o descanso merecido desta Diva, mas sobretudo um recarregar as baterias para novos encontros que o seu dinamismo impõe. Um perfume de Mayra Andrade é promessa para o próximo sábado, no Tabanka Mar, antes da sua partida.

Comentários

Erasmo disse…
Sou fã da música cabo-verdiana, mas não conheço esta interprete. Tenho de fazer uma pesquisa na net. Até breve.
Pura eu disse…
Vale a pena.Visita o seu site Erasmo. www.mayra-andrade.com
Quem dera poder ir amanhã ao Tabanka...
Erasmo disse…
Obrigado pelo link. De facto a miúda tem futuro, a julgar pela biografia. Espero ouvi-la em breve.
Pura eu disse…
Pois é, Jorge. Perdeste uma noite daquelas!

Vais gostar de ouvi-la Erasmo, com certeza.
Rita disse…
Tive o enorme prazer de ve-la e ouvi-la, sabado passado, no grande Festival Musicas do Mundo. Algo de espectucular, certamente para voltar a ouvir muitas mais vezes ao vivo :)
Rita disse…
Correcçao, nao foi sabado, mas sim sexta feira. Convido todos a virem a Sines, o festival esta por ca ate sabado, dia 29... vale a pena!
Pura eu disse…
Se estivesse aí, ia com certeza, Rita. Vale a pena! Obrigada pela visita.
kijack disse…
""Ela tinha apenas 17 anos, mas apostada em se fazer à roda de alguns dos músicos, como Mário Lúcio, Ildo Lobo e Orlando Pantera. Em Quebéc, ela encantou não apenas pela forma com interpretou a música “Lua”, de Princesito, mas também pela energia, alegria e inteligência. A Francofonia não resistiu aos mil encantos da jovem cantora e fê-la a sua mais jovem galardoada de sempre."" ????????????????????????? o k k isso??? onde k bzot ta estod ta tra es informações??
Pura eu disse…
Bu debi sta cu dificuldadi di interpreta rapacinhu. Ali informaçon ta tradu directamente di fonti...ok?
kijack disse…
..pois.. resta saber kual fonte!
Pura eu disse…
As mais fidedignas possíveis, meu rapaz.
kijack disse…
... unton konfirmas sempre k possivel ma ots fontes.. tambe igualmente fidedignas..i bo e kapaz d ter txeu surpresas...

Mensagens populares deste blogue

CODÉ DI DONA: 1940-2010

Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

Poema de amanhã

(...) - Mamãe!

Sonho que, um dia,
Estas leiras de terra que se estendem,
Quer sejam Mato Engenho, Dacabalaio ou Santana,
Filhas do nosso esforço, frutos do nosso suor,
Serão nossas. (...) ilustração: Mãe preta de Lasar Segall, 1930 poema: Poema de amanhã de António Nunes, 1945