Avançar para o conteúdo principal

O criolo do Steadfast

A Organização do Tratado do Atlântico Norte – NATO, em sigla inglesa – é uma organização alargada e multinacional, não só porque a compõem muitos países da Europa e da América do Norte, mas também indivíduos das mais diversas origens.
Um dos insólitos, que não deixa de ser curioso e agradável, é a presença entre as suas fileiras de Romano Gomes dos Santos, um cabo-verdiano, de nacionalidade holandesa. O jovem militar de apenas 22 anos de idade, está eufórico e orgulho de fazer parte dos exercícios Steadfast Jaguar 06, que decorrem em Cabo Verde, destinados a testar a Força de Intervenção Rápida (NRF), comando recém criado pela NATO. E isso é visivel nas andanças que faz pela Cidade da Praia. Um misto de encontros, cumprimentos, olhares curiosos, enfim! A satisfação provocada pela presença de um caboverdiano numa missão de importância universal.
Nos exercícios Steadfast Jaguar 06, Romano não é um operacional, no sentido tradicional do termo, na medida em que a sua missão é administrativa e a sua função de articulação local, recaindo sobre ele uma responsabilidade especial e delicada. Muitas vezes, vê-se mesmo obrigado a esclarecer às pessoas sobre o papel desta missão.
Romano Gomes dos Santos começou a sua carreira militar na tropa holandesa em agosto de 2001 e entrou para a NATO em 2005. A farda de gala que exibe na foto acima resume alguns dos grandes momentos por que passou a sua carreira militar. A missão na Bosnia em 2003, por exemplo, é um dos momentos que recorda com muito sentimento, devido ao sofrimento humano que presenciou.
Feliz de haver regressado numa ocasião pontual, Romano não deixa de ser um exemplo da potencialidade da emigração cabo-verdiana pelo mundo. Tendo deixado Cabo Verde aos 4 anos de idade para acompanhar a família na aventura da “terra longe”, é para esta mesma familia que endereça palavras de amizade, e de carinho. "N sta contenti, e n´ta mánda um abraço pa nhas familias, amigos e amigas, e um grandi bejo pa nha mãe na Holanda", diz.
Além da causa, em si, este regresso está a ser uma grata oportunidade de Romano reencontrar familiares e amigos. Radiante por estar na cidade da Praia que o viu nascer, Romano é prova que não só a NATO é uma organização alargada e multinacional, mas também que Cabo Verde é de facto uma Nação Global.

Comentários

Kamia disse…
Olá Margarida,belo artigo. Gostei também da reportagem na TV.
Pura eu disse…
Não tivemos a sorte de cruzar com o Pança, mas demos de cara com o simpático D. Quixote :)
É assim que surgem as belas histórias para reportagens. Beijocas.
Daniela Mann disse…
No meu blog há uma surpresa para ti!
Anónimo disse…
é muito bonitinho o rapaz. será que isso não entusismou a reporter que ja foi vista diversas vezes da companhia do galã.
Na verdade a reportagem televisiva ficou excelente.é sempre bom realçar casos de sucesso da nossa diapora e mostrar que nem todos são Thugs e repatriados.
parabens pura e "bom proveito"
Pura eu disse…
O criolo é bonito, de facto, e é um bom exemplo para a juventude da nossa diáspora.
O Sr. anónimo nos viu juntos, porque somos bons amigos. Satisfeito?
Anónimo disse…
Here are some links that I believe will be interested
Anónimo disse…
I'm impressed with your site, very nice graphics!
»
Anónimo disse…
Very pretty design! Keep up the good work. Thanks.
»

Mensagens populares deste blogue

CODÉ DI DONA: 1940-2010

Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

Depois da Bandeira

1. SÃO LOURENÇO continua a ser um dos lugares mais agradáveis da Ilha do Fogo. O cemitério casado com a igreja e a casa paroquial; um lugar quase ermo, com a cara voltada para o mar, e um punhado de terra no ventre. Terra boa que d...eu bons filhos à ilha. Nesse cemitério, sob a imagem de uma pirâmide, mesmo à entrada, fica a campa do médico e escritor, Henrique Teixeira de Sousa, natural de Outrabanda, freguesia do Santo. Dois passos à frente descansa eternamente Padre Fidelis Miraglio, o eterno pároco de S.Lourenço e um dos primeiros Padres Capuchinhos italianos a pisar Cabo Verde. Na residência paroquial, mesmo ao lado, vive outro pastor de S.Francisco: Padre Camilo Torassa, italiano, filho de Cuneo, a viver entre Fogo, S.Vicente e Brava há mais de 50 anos: apesar do mal que lhe aflige os olhos e as pernas, a lucidez o acompanha. Éramos quatro adultos e uma criança, e fomos expressamente a São Lourenço para o visitar. Conversa vai, conversa vem, desafiou a um dos visitantes que co…