Avançar para o conteúdo principal

Lugares


Ontem conversava com alguém sobre a emotividade. Confesso que fora uma conversa desconcertante. Susceptibilidades à parte, mas os lugares também são sujeitos de reflexão e diálogo. Ocorrem-me sempre os lugares, sobretudo aqueles que vou seleccionando como "meus lugares". São uma espécie de contrapartida aos "meus momentos". Quem sabe até sejam a mesma coisa.
Cabo-verdiana de condição, e sobretudo de opção, amo de forma muito própria os pedaços desta terra. Tenho sido recorrente, senão mesmo obstinada, no expressar o meu amor pelo Fogo, ilha que me viu nascer e crescer. Também amo, de paixão por resolver, as ilhas de Santiago, Maio e Brava. Por sinal, todas de Sotavento, mas "sem conotação alguma", como dizia o músico Cazuza.
A esses lugares, me ligam todos os sentidos a funcionar. Percepção total. Ou quase total, pois o absoluto, além de improvável, é detestável.

Guardo réstias de encontros e diálogos. Com os mais velhos. Com as histórias incríveis. Das catequeses. Das festas. Com as bandeiras e as cavalhadas. E os tambores que ainda repicam na minha lembrança…

Confessei, na referida conversa, que achava mágico o anoitecer em São Filipe. Na Ilha de Santiago, a Ribeira da Barca me faz recuar aos tempos das ligações marítimas com a ilha do Fogo. Veleiros fantásticos que sulcavam mares heróicos dos anos de antanho. Penso também no meu amor memorial pela Achada Falcão, pronunciada em quilombos, revoltas e quadras da escravatura. Talvez isso me tenha impelido a editar um documentário sobre as revoltas de Santiago. As tais razões que a Razão não explica…

Falando nisso, adoro o Porto Inglês, no Maio. O navio Essex ali parado no tempo, em escala para a longa saga da pesca da baleia. Os ianques e os cabo-verdianos, juntos, na conquista do Pacífico. No cristalino da Calheta, ainda no Maio, a aridez sisuda de Lém Tavares...a terra ulterior de Horace Silver. Aquele pianista…"The Capeverdean Blues", diria.

Comentários

Anónimo disse…
Margarida

"Os Momentos" è un progetto molto bene fatto.Dovete seguire questa linea effettivamente.Avete una nozione adeguata di coltura e della media.

Non sono un arrogante e stupido. Voi stessi, Eileen, Matilde e Kamya, tutte donnas, sono nella buona stratta.

Ho gradito "Lugares", un buon lavoro litterario.

Te voglio bene e dopo.

Arrivedercci,

Pasqualino Settebellezze, i.e. Badiu Civilizado
Pura eu disse…
Obrigada Pasqualino ... Volta sempre!
Anónimo disse…
Porquê que a uns o gajo ataca e a outros (outras, mais precisamente) o gajo elogia? Muito intrigante! O que é que os blogs dessas "tutte donnas" têm e os blogs dos "rapacis" não têm? O gajo quer dividir para reinar e as meninas (claro) caem no papo furado. Essa "volúvel" da Kâmia, então, deve estar nas nuvens. Não confundam Djô ku Jah.

Txam bai ri gatxód.
Anónimo disse…
Oh, pá, não sejas ciumento, nem machista. As gajas fazem um trabalho sério e honesto. Fazem um blog mais cultural e menos brigão. O blog dos rapacis, desculpem a franqueza, parece uma briga de "comadres", salvando honrosas excepções.

Mas não vamos emporcalhar o blog desta menina, pois não? E nada de ciumeiras com os "Arrivedercci" do tal de Pasqualino. Se calhar é dos que leva flores...e as damas gramam disso.

Mensagens populares deste blogue

CODÉ DI DONA: 1940-2010

Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

Depois da Bandeira

1. SÃO LOURENÇO continua a ser um dos lugares mais agradáveis da Ilha do Fogo. O cemitério casado com a igreja e a casa paroquial; um lugar quase ermo, com a cara voltada para o mar, e um punhado de terra no ventre. Terra boa que d...eu bons filhos à ilha. Nesse cemitério, sob a imagem de uma pirâmide, mesmo à entrada, fica a campa do médico e escritor, Henrique Teixeira de Sousa, natural de Outrabanda, freguesia do Santo. Dois passos à frente descansa eternamente Padre Fidelis Miraglio, o eterno pároco de S.Lourenço e um dos primeiros Padres Capuchinhos italianos a pisar Cabo Verde. Na residência paroquial, mesmo ao lado, vive outro pastor de S.Francisco: Padre Camilo Torassa, italiano, filho de Cuneo, a viver entre Fogo, S.Vicente e Brava há mais de 50 anos: apesar do mal que lhe aflige os olhos e as pernas, a lucidez o acompanha. Éramos quatro adultos e uma criança, e fomos expressamente a São Lourenço para o visitar. Conversa vai, conversa vem, desafiou a um dos visitantes que co…