Avançar para o conteúdo principal

Identidade...

ExampleAssisti, ontem, ao documentário "Identidade em Trânsito" no Palácio da Cultura Ildo Lobo, no Plateau. De cara gostei, pelo trânsito de gente interessante que lá havia, na sua maioria ex. estudantes no Brasil, inclusive o nosso Primeiro Ministro. Esse documentário é o trabalho de fim de curso de dois brasileiros. A escolha foi acertada e o tema era inédito, diga-se de passagem. O trabalho é manifestamente consistente, sobretudo pelas pistas de abordagem que levanta. Identifiquei-me com alguns dos depoimentos, vivi muitas das situações narradas e, com saudade, escrevo estas linhas. É que o Brasil não deixa ninguém indiferente. Muito menos aqueles que lá viveram. Apesar dos assaltos, das favelas e dos muitos males que assolam esse país, ele nos interpela a uma relação recorrente. Pessoalmente, terei para todo o sempre a minha identidade em trânsito por causa do Brasil e, particularmente, da Bahia. Faltou dizer no documentário (e digo-o aqui) que no Brasil reencontramos as nossas raízes negras e quedámo-nos em reconciliação (?) com a nossa história. No Brasil, vivenciamos experiências culturais enraizadamente nossas que aprendemos (ou nos ensinaram) a esquecer. Ali, dançamos ritmos nossos que por um esforço de distanciamento nunca conhecemos. Aceitamos finalmente a nossa mestiçagem e, afoitos, regressamos para resgatar o tempo perdido. Haja Brasil! Era sim o Poema de Jorge Barbosa que afirmara dessa morfologia e semântica, "Eu gosto de você Brasil/ Porque você é parecido com a minha terra". E agora pergunto: como transita a identidade daqueles que outros mundos ganharam? A identidade cabo-verdiana esteve em trânsito ao longo da sua história, e poucas vezes se teve a real dimensão das perdas e dos ganhos, humanamente falando. A nossa identidade (ainda bem) continua transitando...

... Almodóvar

ExampleA Televisão de Cabo Verde emitiu, ontem, o filme "La mála Education", do realizador espanhol, Pedro Almodóvar. E não é que em pleno acto passou por dois cortes cirúrgicos! Até parece que quem escalou a sua emissão não sabia do que se tratava! Quero crer que optaram conscientemente por essa censura purista... e recuso a acreditar que desconhecem os afrontamentos prioritários dos filmes de Almodóvar.
A propósito, "La mála Education" é, para mim, dos mais implacáveis filmes desse estranho, mas demasiadamente interessante homem. Pareceu-me um absurdo. Definitivamente, há narrativas, cuja verbalização a nossa memória de catequese coíbe. Freud a explicar...

Comentários

Narjara disse…
minha querida!
passei um tempo desconectada e vc não sabe a falta que suas palavras fizeram...
não vamos perder o contato...
Voltei. e de ti sou fã cativa.
um beijo
e um ano cheio de coisas boas!
Pura eu disse…
Querida! Um bom ano para ti tb... e obrigada por tudo...
Um beijo

Mensagens populares deste blogue

CODÉ DI DONA: 1940-2010

Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

Depois da Bandeira

1. SÃO LOURENÇO continua a ser um dos lugares mais agradáveis da Ilha do Fogo. O cemitério casado com a igreja e a casa paroquial; um lugar quase ermo, com a cara voltada para o mar, e um punhado de terra no ventre. Terra boa que d...eu bons filhos à ilha. Nesse cemitério, sob a imagem de uma pirâmide, mesmo à entrada, fica a campa do médico e escritor, Henrique Teixeira de Sousa, natural de Outrabanda, freguesia do Santo. Dois passos à frente descansa eternamente Padre Fidelis Miraglio, o eterno pároco de S.Lourenço e um dos primeiros Padres Capuchinhos italianos a pisar Cabo Verde. Na residência paroquial, mesmo ao lado, vive outro pastor de S.Francisco: Padre Camilo Torassa, italiano, filho de Cuneo, a viver entre Fogo, S.Vicente e Brava há mais de 50 anos: apesar do mal que lhe aflige os olhos e as pernas, a lucidez o acompanha. Éramos quatro adultos e uma criança, e fomos expressamente a São Lourenço para o visitar. Conversa vai, conversa vem, desafiou a um dos visitantes que co…