Avançar para o conteúdo principal

Da carreira musical


Grupo Finaçon
Uma pergunta pessoal. Porque é que os nossos artistas chegam ao ápice de suas carreiras musicais e, de repente, caem em cascata?
Alguns tendem a criticar a comunicação social e os agentes culturais (o governo, críticos, produtores...). Outros vêem na ausência de registos a causa da fraca valorização de importantes nomes do passado, ainda que recente.
O facto é que o grupo Finaçon e os seus elementos, o próprio Bulimundo e alguns dos seus músicos, mais recentemente Livity com destaque para Jorge Neto, para não falar de uma fileira deles, não se sentem valorizados pela contribuição incontornável que deram à música cabo-verdiana num momento crucial do seu percurso.
Basta ter dois dedos de prosa com Zézé di nha Reinalda, Jorge Neto, Beto Dias (enquanto ex. líder dos Rabelados) para perceber que convivem com essa mágoa. Para além do que fazem agora, muitos desses artistas querem ser lembrados pelo seu passado, pela sua entrega à música num momento de procura, de busca de uma identidade.
Numa entrevista recente que fiz com Djinho Barbosa percebi esse sentimento também nele que fez parte do grupo Abel Djassi, emblema musical dos anos 80 em Cabo Verde.
Dois problemas se colocam, no meu ponto de vista. Os artistas gerem mal (geriam mal, pelo menos) a sua carreira em Cabo Verde, ou sequer têm (tinham) noção da necessidade dessa gestão… e nós, os outros, não sabemos valorizar os actos no tempo, e ter a noção exacta do seu papel embrionário. Perceber que nada acontece por acaso e que Finaçon, Bulimundo e tantos outros músicos que marcaram época devem, sempre, merecer a nossa admiração.
Hoje, quando falamos de carreira musical, pensamos na Cesária Évora, que abriu as rotas internacionais para Lura, Maria de Barros, Mayra, Tcheka e outros… músicos que sobem todos os dias os palcos de Paris e Londres e nunca deram um espectáculo na Ilha da Brava. Um novo problema das carreiras musicais criolas…

Comentários

Mito Elias disse…
Come gather 'round people
Wherever you roam
And admit that the waters
Around you have grown
And accept it that soon
You'll be drenched to the bone.
If your time to you
Is worth savin'
Then you better start swimmin'
Or you'll sink like a stone
For the times they are a-changin'.

Come writers and critics
Who prophesize with your pen
And keep your eyes wide
The chance won't come again
And don't speak too soon
For the wheel's still in spin
And there's no tellin' who
That it's namin'.
For the loser now
Will be later to win
For the times they are a-changin'.

Come senators, congressmen
Please heed the call
Don't stand in the doorway
Don't block up the hall
For he that gets hurt
Will be he who has stalled
There's a battle outside
And it is ragin'.
It'll soon shake your windows
And rattle your walls
For the times they are a-changin'.

Come mothers and fathers
Throughout the land
And don't criticize
What you can't understand
Your sons and your daughters
Are beyond your command
Your old road is
Rapidly agin'.
Please get out of the new one
If you can't lend your hand
For the times they are a-changin'.

The line it is drawn
The curse it is cast
The slow one now
Will later be fast
As the present now
Will later be past
The order is
Rapidly fadin'.
And the first one now
Will later be last
For the times they are a-changin'.

Bob Dylan - 1964.

Mensagens populares deste blogue

CODÉ DI DONA: 1940-2010

Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

Depois da Bandeira

1. SÃO LOURENÇO continua a ser um dos lugares mais agradáveis da Ilha do Fogo. O cemitério casado com a igreja e a casa paroquial; um lugar quase ermo, com a cara voltada para o mar, e um punhado de terra no ventre. Terra boa que d...eu bons filhos à ilha. Nesse cemitério, sob a imagem de uma pirâmide, mesmo à entrada, fica a campa do médico e escritor, Henrique Teixeira de Sousa, natural de Outrabanda, freguesia do Santo. Dois passos à frente descansa eternamente Padre Fidelis Miraglio, o eterno pároco de S.Lourenço e um dos primeiros Padres Capuchinhos italianos a pisar Cabo Verde. Na residência paroquial, mesmo ao lado, vive outro pastor de S.Francisco: Padre Camilo Torassa, italiano, filho de Cuneo, a viver entre Fogo, S.Vicente e Brava há mais de 50 anos: apesar do mal que lhe aflige os olhos e as pernas, a lucidez o acompanha. Éramos quatro adultos e uma criança, e fomos expressamente a São Lourenço para o visitar. Conversa vai, conversa vem, desafiou a um dos visitantes que co…