Avançar para o conteúdo principal

Nação Crioula

A Globalização colocou em crítica e em crise o modelo de Estado-Nação. Um pouco por todo o lado, o debate sobre a ideia da Nação e seus conceitos derivados, tais como nacionalidade, identidade nacional, nacionalismo e etc, tem vindo a ganhar ímpeto e impulso. As nações saídas de um colonialismo recente precisam deste debate. O facto de terem passado por experiências traumáticas, como a escravatura e a fome, torna imperiosa tal catarse. E as nações crioulas, oriundas da mestiçagem racial e étnica, não se podem furtar à busca incessante das suas componentes, em prol de uma sublimação de traumas e fantasmas. Entre nós, o debate sempre existiu, algumas vezes de forma espontânea, outras vezes de forma organizada, mas nunca de jeito desinteressado. A busca da nação crioula, perdida quem sabe nos meandros do nosso inconsciente colectivo, tem suscitado muita tensão entre os nossos intelectuais.
Li, com interesse, a reacção crítica do Combatente da Liberdade da Pátria, Carlos Reis, sobre o livro "Em Busca da NAÇÃO notas para uma reinterpretação do Cabo Verde crioulo", do investigador Gabriel Fernandes. O texto de Reis procurava desmontar e contrariar as teses de Fernandes sobre o movimento nacionalista e a própria luta de libertação nacional, liderada por Amílcar Cabral. Este contrapôs com um artigo "demolidor", cáustico e intolerante. Em boa verdade, não entro no mérito do debate, nem faço resenha crítica sobre a obra em questão, merecedora do Prémio Cidade Velha, que tive o gosto de ler.
Ao tentar apresentar uma re-leitura sobre a "Geração de Cabral", trazendo novos dados e novas leituras, Carlos Reis extrapola na afirmação que "a expectativa de tratamento científico da revisita à questão nacionalista cabo-verdiana no âmbito da luta e, desde logo, um tratamento pautando-se essencialmente por parâmetros de isenção e a objectividade possível, acabou por sucumbir perante a tentação de emprestar chancela académica a teses partidárias facilmente contrariadas por factos indesmentíveis".
Há nestas palavras um tom ressentido - se calhar, por ter sido um dos sujeitos dessa saga nacionalista. Carlos Reis tem legitimidade e pergaminhos para teses sobre o processo histórico e sociológico contemporâneo em Cabo-Verde, mas, no caso, devia prescindir de certas emoções.
E a resposta de Gabriel Fernandes alinhou pelo mesmo diapasão e chocou a muitos que esperavam do autor um "banho académico". O sociólogo, para além de responder violentamente à carta de Reis, deixou claro que quem não detém o título de Doutor não está autorizado para falar da sua tese, e nem terá capacidades de a entender. Este "statement" desencorajou qualquer resenha jornalística sobre a obra, por exemplo. O mesmo contraria a posição do prefaciador do livro que afirma claramente que "Esse cuidado de restaurador, ao construir histórias e trajectórias, confere consistência e vida aos contextos estudados por Gabriel Fernandes, tornando a leitura proveitosa e estimulante mesmo para o público não académico." O investigador contraria o seu prefaciador numa única frase da sua carta/resposta: "Habituado que está a ler manuais sob medida, não lhe exijo que compreenda uma tese feita para ser lida por especialistas".

Será que ao público não académico ficou vedado a apreciação da obra em apreço? Terão os doutos, de voz mais académica, os únicos autorizados a buscar a Nação? A existência de sérias rupturas sobre as especificidades e o percurso da nação cabo-verdiana, bem como a necessidade urgente de mais ambiente académico (não desvinculado da pedagogia), onde impere a crítica e o debate descomplexado são as minhas certezas sobre o tempo em que vivemos. Com devido respeito pelos debatedores, diria que, em democracia, nem os juízes estão imunes a juízos dos mais simples cidadãos. Os cientistas tampouco...

Comentários

Ludovicus Rex disse…
جيد عطلة نهاية الاسبوع

Mensagens populares deste blogue

CODÉ DI DONA: 1940-2010

Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

Depois da Bandeira

1. SÃO LOURENÇO continua a ser um dos lugares mais agradáveis da Ilha do Fogo. O cemitério casado com a igreja e a casa paroquial; um lugar quase ermo, com a cara voltada para o mar, e um punhado de terra no ventre. Terra boa que d...eu bons filhos à ilha. Nesse cemitério, sob a imagem de uma pirâmide, mesmo à entrada, fica a campa do médico e escritor, Henrique Teixeira de Sousa, natural de Outrabanda, freguesia do Santo. Dois passos à frente descansa eternamente Padre Fidelis Miraglio, o eterno pároco de S.Lourenço e um dos primeiros Padres Capuchinhos italianos a pisar Cabo Verde. Na residência paroquial, mesmo ao lado, vive outro pastor de S.Francisco: Padre Camilo Torassa, italiano, filho de Cuneo, a viver entre Fogo, S.Vicente e Brava há mais de 50 anos: apesar do mal que lhe aflige os olhos e as pernas, a lucidez o acompanha. Éramos quatro adultos e uma criança, e fomos expressamente a São Lourenço para o visitar. Conversa vai, conversa vem, desafiou a um dos visitantes que co…