Avançar para o conteúdo principal

A Língua Portuguesa e o Brasil

a língua portuguesa















Ontem, no post anterior, limitei-me a anunciar e a enquadrar a afirmação do Ministro da Cultura de Portugal de que Cabo Verde estaria mais bem posicionado que o Brasil para contribuir na expansão da língua portuguesa no mundo. Fi-lo por uma questão de fidelidade ao discurso alheio, ainda que o Ministro não tenha demonstrado esforço algum para sustentar afirmação tão controversa. Dizer apenas que o ensino em Cabo Verde é eficaz não é suficiente.

Vale dizer que o grande desafio educativo de Cabo Verde é a Qualidade. Falta-nos, depois de grandes conquistas neste sector, o Salto de Qualidade. E um dos nossos condicionalismos é a diglossia entre o Português e o Crioulo, a alienar o Bilinguismo Cabo-verdiano.

Considerando sempre o esforço nacional no sentido da expansão e da qualificação do ensino, tenhamos sempre em vista o caso de uma potência como o Brasil, eu diria, o país que se perfila na linha da frente para a potenciação da língua portuguesa no mundo. De resto, os pobres e os ricos brasileiros referenciados pelo Governante português, também os há em Portugal (e em Cabo Verde), o analfabetismo idem.

A rede das universidades existente no Brasil, só para citar um exemplo, traduz-se num manancial de quadros qualificados incomparável à situação de Cabo Verde que apenas nos anos noventa começou a dar os primeiros passos para o ensino superior. A nível nacional, a alfabetização, ainda que considerável, não apresenta um cenário comparável ao Brasil em números absolutos. A literatura brasileira tem no seu portfólio obras e autores com dimensão equiparada aos grandes nomes da literatura produzida em Portugal. A editoração brasileira é mais de 80% de toda a lusofonia. A própria música brasileira tem levado a língua portuguesa a recantos que lusófono algum conseguiu penetrar. De modo que não se compreende o entusiasmo do Ministro de Cultura de Portugal a pretender dar a Cabo Verde um título que já pertence de modo incontornável ao Brasil, a pátria da maioria dos falantes da língua portuguesa no mundo. O Museu da Lígua em São Paulo (foto) é o corolário dessa força, que já conota enorme qualidade.

Terá chegado a hora de aceitar, sem complexos, nem ressentimentos (vejam o caso do Acordo Ortográfico), essa força numérica do Brasil, e convergir esforços também com os países africanos que falam oficialmente o português, em prol do incremento da lusofonia no mundo.

Comentários

M.J.M. disse…
Ou seja: o que o ministro português faz é, mais uma vez, enterrar a cabeça na areia e não querer ver e reconhecer que o Brasil é hoje o grande país da lusofonia. Um dia ainda vamos acordar e perceber que os brasileiros resolveram falar uma outra coisa a que chamarão simplesmente brasileiro, deixando-nos a nós, os restantes utilizadores do português, reduzidos a palradores de uma língua extravagante e ultraminoritária. Cabo Verde, naquele programa, fez apenas o papel de peneira com a qual o ministro tentou ocultar o sol.
Pura eu disse…
Esperemos que Cabo Verde não caia nessa, até porque o Brasil como escreveu o historiador Correia e Silva é um Caboverdão. Bem antes, o imortal B.Leza escrevera que "Cabo Verde é um Brasilin".

Emoções à parte, os dados estão lançados: Brasil é o que é hoje para a Língua Portuguesa, e as coisas vão acontecer naturalmente, com ou sem traumas. "The day after" será de sol e/ou de tempestade a depender da forma como Portugal se posicionar doravante perante esse português que já pertence ao mundo.

Mensagens populares deste blogue

CODÉ DI DONA: 1940-2010

Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

Depois da Bandeira

1. SÃO LOURENÇO continua a ser um dos lugares mais agradáveis da Ilha do Fogo. O cemitério casado com a igreja e a casa paroquial; um lugar quase ermo, com a cara voltada para o mar, e um punhado de terra no ventre. Terra boa que d...eu bons filhos à ilha. Nesse cemitério, sob a imagem de uma pirâmide, mesmo à entrada, fica a campa do médico e escritor, Henrique Teixeira de Sousa, natural de Outrabanda, freguesia do Santo. Dois passos à frente descansa eternamente Padre Fidelis Miraglio, o eterno pároco de S.Lourenço e um dos primeiros Padres Capuchinhos italianos a pisar Cabo Verde. Na residência paroquial, mesmo ao lado, vive outro pastor de S.Francisco: Padre Camilo Torassa, italiano, filho de Cuneo, a viver entre Fogo, S.Vicente e Brava há mais de 50 anos: apesar do mal que lhe aflige os olhos e as pernas, a lucidez o acompanha. Éramos quatro adultos e uma criança, e fomos expressamente a São Lourenço para o visitar. Conversa vai, conversa vem, desafiou a um dos visitantes que co…