Avançar para o conteúdo principal

Horace Silver é patrono do Kriol Jazz Festival

horace silver















Horace Silver nasceu em 1928 com o nome Horace Ward Martin Tavares Silva. É pianista e compositor, fundador do hard-bop e galardoado em 2005 com o Grammy Awards. António Correia e Silva num programa de televisão em 2005, falava da necessidade premente de Horace Silver ser homenageado pelo estado de Cabo Verde. Uma homenagem que também será de um tempo histórico ligado à pesca da baleia. Isso, porque Já à volta de 1780, muitos barcos, oriundos de New Bedford e de Nantukect, portos baleeiros dos EUA, começaram a escalar com regularidade as ilhas de Cabo Verde, e, em particular, a ilha do Maio, onde se abasteciam e engajavam tripulantes, dando início à imigração cabo-verdiana para os EUA. Foi desta forma que o pai de Horace Silver viajou para os Estados Unidos.

Silver apesar da distância (muito fisica, já que nunca esteve em Cabo Verde) e da sua agenda determinada pelo showbizz, não perdeu a ligação à ilha e aos seus ascendentes, como afirmam as suas composições The Capeverdean Blues e Song for My Father. Ou mesmo a carta que escrevera, em 1980, a um tio radicado na ilha do Maio. Sobre este pianista de dimensão mundial, fica este trecho lapidar.

“Some of the most influential horn players of the '50s, '60s, and '70s first attained a measure of prominence with Silver -- musicians like Donald Byrd, Woody Shaw, Joe Henderson, Benny Golson, and the Brecker Brothers all played in Silver's band at a point early in their careers. Silver has even affected members of the avant-garde; Cecil Taylor confesses a Silver influence, and trumpeter Dave Douglas played briefly in a Silver combo.”

curiosidades:

O pai de Horace Silver chamava-se João Tavares Silva e nasceu em Calheta, ilha do Maio, onde ainda residem muitos familiares seus. O pianista é primo do conhecido compositor maiense Adalberto Silva (Betú).

Comentários

Amílcar Tavares disse…
Não percebi porque é que o homenageado não está no festival.
Pura eu disse…
Pois. É a pergunta que nós, jornalistas, iremos fazer à organização.
da caps disse…
Acerca do último trecho..
Há coincidências fun-tásticas não há?

(claro k muitas coisas que pensamos k são coincidências, na verdade não são..)

Cheers
Amílcar Tavares disse…
Thanks! Fico aguardando a resposta.
Pura eu disse…
É verdade, Da Caps...nem sempre são. E acho, sinceramente, que neste caso é sangue Tavares mesmo:)

Ab.

Mensagens populares deste blogue

CODÉ DI DONA: 1940-2010

Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

Depois da Bandeira

1. SÃO LOURENÇO continua a ser um dos lugares mais agradáveis da Ilha do Fogo. O cemitério casado com a igreja e a casa paroquial; um lugar quase ermo, com a cara voltada para o mar, e um punhado de terra no ventre. Terra boa que d...eu bons filhos à ilha. Nesse cemitério, sob a imagem de uma pirâmide, mesmo à entrada, fica a campa do médico e escritor, Henrique Teixeira de Sousa, natural de Outrabanda, freguesia do Santo. Dois passos à frente descansa eternamente Padre Fidelis Miraglio, o eterno pároco de S.Lourenço e um dos primeiros Padres Capuchinhos italianos a pisar Cabo Verde. Na residência paroquial, mesmo ao lado, vive outro pastor de S.Francisco: Padre Camilo Torassa, italiano, filho de Cuneo, a viver entre Fogo, S.Vicente e Brava há mais de 50 anos: apesar do mal que lhe aflige os olhos e as pernas, a lucidez o acompanha. Éramos quatro adultos e uma criança, e fomos expressamente a São Lourenço para o visitar. Conversa vai, conversa vem, desafiou a um dos visitantes que co…