Avançar para o conteúdo principal

Perdemos o missionário













*Aprecio o silêncio de certas ilhas, como de S.Nicolau e da Brava, e é precisamente nesses lugares onde, por razões pessoais, tenho tido maior contacto com a fé, particularmente com alguns padres.

O dedo de prosa que tive com o Padre Mauro, de 88 anos de idade, 45 em Cabo Verde, foi particularmente fascinante. Desta feita, fomos além do mero cumprimento e a nossa troca de ideias fez brilhar os olhos desse eterno habitante do Seminário-Liceu.

Um pouco da sua fascinante trajectória. Padre Mauro saiu da Itália numa missão dos Capuchinos para a Ilha do Fogo com apenas 30 anos, em Março de 1949. “Vim num barco mercantil e o meu primeiro contacto com Cabo Verde aconteceu em S.Vicente”. O cenário de desolação foi o primeiro choque, diz. Não saiu do barco, e na noite de 31 de Março seguiu para a Praia onde foi recebido pelo bispo hesperitano, D. Faustino Moreira dos Santos.

Da Capital rumou para S.Filipe numa embarcação de nome Senhor das Areias, a 8 de Abril de 1949.À chegada em S.Filipe estava a ser aguardado pelo padre Luis, que vivia nos Mosteiros. “Foi a primeira vez que andei numa mula”, conta. Foram dois dias de viagem, de S.Filipe para os Mosteiros.

Esse missionário lembra, com detalhes, a erupção vulcânica, ocorrida a 12 de Julho de 1951. O agente agrícola na Ilha, Sr. Leonel, o administrador, Sr. Luis Rendall, e os reverendos Piu e Luis foram as primeiras pessoas a prestarem socorro aos sinistrados de Chã das Caldeiras. Conta, em tom jocoso, a saga dos trabalhadores que tiveram de abrir a estrada depois da erupção e que, na hora da merenda, aqueciam a comida nas lavas.

Ah, antes que me esqueça! Ele remata também que, na época, só existiam três automóveis na Ilha do Fogo, e que nos Mosteiros, onde vivia, não chegou a ver carro algum. Havia um velho camião que pertencia a Sr. Augusto Vasconcelos, precisa.

Do Fogo, o Missionário viajou para a Ilha do Sal, onde chegou a celebrar o centenário da Nossa Sra da Piedade, em Santa Maria, com a saudosa presença do Sr. Bonafoux, o empresário da Salins du Cap-Vert. Essa capela, afirma, foi construída por um senhor conhecido por Duro.

Permaneceu no Sal por 5 anos, num tempo em que as missas ainda eram rezadas em latim.
Esteve também na Boavista, por 4 anos.

Para S. Nicolau veio em dois tempos diferentes, perfazendo ao todo 23 anos, e é aqui, no silêncio da Vila Ribeira Brava, que pretende passar os restos dos seus dias.

Foi uma conversa onde se juntaram o passado e o presente. E as recordações fizeram-se naturalmente. “Gostava das pessoas. Tinham um respeito ilimitado para com os padres”, afirmou. “Havia uma radicalidade de fé no povo”.Transcrevo estas linhas soltas, tal como saíram da boca do Missionário. Ele teve necessidade imperiosa de as contar. E eu um grande prazer de as escutar. Pairando nesse diálogo, o élan do silêncio de certas ilhas…

* Este texto foi publicado n´Os momentos em 2006 com o título Conversa com o missionário. Padre Mauro faceleu, ontem, em Torino, Itália, onde se encontrava há quase dois anos em tratamento médico.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

CODÉ DI DONA: 1940-2010

Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

Depois da Bandeira

1. SÃO LOURENÇO continua a ser um dos lugares mais agradáveis da Ilha do Fogo. O cemitério casado com a igreja e a casa paroquial; um lugar quase ermo, com a cara voltada para o mar, e um punhado de terra no ventre. Terra boa que d...eu bons filhos à ilha. Nesse cemitério, sob a imagem de uma pirâmide, mesmo à entrada, fica a campa do médico e escritor, Henrique Teixeira de Sousa, natural de Outrabanda, freguesia do Santo. Dois passos à frente descansa eternamente Padre Fidelis Miraglio, o eterno pároco de S.Lourenço e um dos primeiros Padres Capuchinhos italianos a pisar Cabo Verde. Na residência paroquial, mesmo ao lado, vive outro pastor de S.Francisco: Padre Camilo Torassa, italiano, filho de Cuneo, a viver entre Fogo, S.Vicente e Brava há mais de 50 anos: apesar do mal que lhe aflige os olhos e as pernas, a lucidez o acompanha. Éramos quatro adultos e uma criança, e fomos expressamente a São Lourenço para o visitar. Conversa vai, conversa vem, desafiou a um dos visitantes que co…