Avançar para o conteúdo principal

Um desabafo

propaganda





















Permaneci em silêncio, sussurrando apenas com os meus botões, ouvi tudo o que se disse acerca da última remodelação de José Maria Neves, mas ninguém dizia aquilo que ansiava ouvir. Até que numa sexta-feira, en passant, li no jornal A Semana que a pasta da Comunicação Social continua sob a alçada do Ministro Sidónio Monteiro, agora tutela das Comunidades. Por um momento pensei que tivesse sido extinguida! Seria um rasgo de coerência sem precedentes …

Liberdade na propaganda

A questão é: para quê silenciar, se a propaganda é liberada nos mais públicos meios de difusão? Num país onde a propaganda flui com naturalidade, perante o silêncio da oposição que sonha fazer o mesmo quando ocupar o Palácio, o jornalista não passa de um lacaio vencido pelo cansaço… daí que eu defendo, criem um Gabinete de Propaganda do Governo (GPG) com legitimidade para ludibriar os cabo-verdianos e as cabo-verdianas, e extingam (melhor, mudem os estatutos) dos órgãos públicos de comunicação, começando pela TV pública.

Comentários

da caps disse…
Olha que esta propaganda tua incentivando à propaganda legitimada, pode-te custar alguns constrangimentos profissionais..
Foi assim na 1a fase da 2a república (MpD 90s) e continua, de forma escandalosa com 2a fase da 2a república (PAI 2000s).

Não é fácil manter os níveis de motivação quando é assim (nos mais variados quadrantes - o teu não é o único) mas minha sugestão ´q que se continue a produzir com igual ou maior empenho..
Porque o reconhecimento real vem dos que consomem a informção e não a propaganda.

E a razão é simples, só uma massa cada vez mais formada e informada consegue separar o trigo (informação) do joio (propaganda).
Tchale Figueira disse…
Margarida seria perigoso... Lembra-me o malvado Gobels.

Como cidadadão temos que ser mais ousados e não ter papas na lingua
Pura eu disse…
concordo contigo, Da Caps! mas olha, não se vive sem riscos...seria tudo demasiado previsível.

Tchalé, Goebbels era um assumido, um obsessivo, fazia muito bem o seu trabalho... porque sem máscaras.

Abraços circundantes...

MF
Edy disse…
E que tal privatizar a RTC??
Anónimo disse…
Entendo a tua lógica Margarida, mas Cabo Verde não é excepção. Só os EUA e a Grâ-Bretanha conseguiram safar-se dessa mistura. No entanto, também gostaria de saber se os poderes públicos não têm direito a promover o que eles fazem? Porque não, desde que os espaços sejam salvaguardados como tais? É que uma estação de serviço público não se limita a jornalistas e informação, há outros interesses que o público tem que não se compaginam com os do jornalismo puro. O pior é quando são os jornalistas a fazerem o frete. Na tua casa, por exemplo, há muitos que fazem assessoria e inclusive escrevem para sites do Estado. Isto é pior que a rádio ou a televisão vender espaço para os poderes públicos. É um longo debate. Aqui em Portugal, as coisas estão um pouco mais claras, mas também vejo patacuadas todos os dias nos canais da RTP.

Uma pergunta: achas que por esta opinião vão mexer contigo aí?

Magda Ramos
Pura eu disse…
Magda, ainda bem que entendes o ponto em questão. Isso não quererá dizer que outros não os há.
Mas olha, poderes publicos, mormente o Governo, comprarem espaços na TV para divulgar o seu trabalho não lembra ao diabo. "Há outros interesses que o público tem que não se compaginam com os do jornalismo puro". Concordo Magda, mas isso não abre abre espaço à propaganda que é algo bem diferente. As abordagens não jornalisticas também elas obedecem a interesses publicos, e/ou especificos que não passam por beneficio de grupos, partidos, ou confissões. Os estatutos, as leis, são claros.

Não vão mexer comigo por causa desta opinião. Eu sempre opinei abertamente sobre as coisas.
Anonymous disse…
Eis um video de Clay Shirky:

http://www.ted.com/talks/view/id/575

que mostra como Facebook, Twitter e SMS ajuda os cidadãos nos regimes repressivos a fazer a reportagem de factos reais fazendo o bypass à "censura" (órgãos de comunicação social manipulados).

Mesmo o teu blog conjuntamente com estas outras oportunidades estão a mudar o controlo top-down das notícias.
Pura eu disse…
Vou visionar o vídeo..valeu a dica!

Mensagens populares deste blogue

CODÉ DI DONA: 1940-2010

Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

Depois da Bandeira

1. SÃO LOURENÇO continua a ser um dos lugares mais agradáveis da Ilha do Fogo. O cemitério casado com a igreja e a casa paroquial; um lugar quase ermo, com a cara voltada para o mar, e um punhado de terra no ventre. Terra boa que d...eu bons filhos à ilha. Nesse cemitério, sob a imagem de uma pirâmide, mesmo à entrada, fica a campa do médico e escritor, Henrique Teixeira de Sousa, natural de Outrabanda, freguesia do Santo. Dois passos à frente descansa eternamente Padre Fidelis Miraglio, o eterno pároco de S.Lourenço e um dos primeiros Padres Capuchinhos italianos a pisar Cabo Verde. Na residência paroquial, mesmo ao lado, vive outro pastor de S.Francisco: Padre Camilo Torassa, italiano, filho de Cuneo, a viver entre Fogo, S.Vicente e Brava há mais de 50 anos: apesar do mal que lhe aflige os olhos e as pernas, a lucidez o acompanha. Éramos quatro adultos e uma criança, e fomos expressamente a São Lourenço para o visitar. Conversa vai, conversa vem, desafiou a um dos visitantes que co…