Avançar para o conteúdo principal

Nós somos o jazz

mário Canonge














No ano passado escrevi este texto sobre a minha percepção da dinâmica de socialização que o Krioll Jazz Festival traria à Cidade da Praia e a Cabo Verde. A edição deste ano só veio confirmar essa impressão: além de um cartaz de luxo, e sobretudo consequente, tendo em conta a proposta do festival – consolidar um jazz crioulo – o festival deste ano mereceu a cobertura da imprensa estrangeira e despertou interesse de produtores internacionais. Praia entrou na rota do jazz.
Creio ser de louvar o facto de um grupo como Manhattan Transfer (as lendárias 4 vozes) aceitar actuar na Cidade da Praia sem cobrar cache, ou, por exemplo, o arranjador e um monstro sagrado da música popular brasileira (MPB) como Jacques Morelembaum dizer alto e em bom som que sonhava pisar estas ilhas.
Insisto na proposta de uma música jazzi cheirando à raíz, e nessa perspectiva o Kriol Jazz superou todas as expectativas. É só ver o que Ralph Tamar faz em parceria com Mário Canonge - foto: um casamento perfeito. Tamar decide por uma carreira a solo, e fá-lo sem abandonar o tom e a estética que o caracterizavam nos Malavoi…prolonga-se em outras bases rítmicas. Mário Canonge é versátil, transita com mestria pelos vários géneros.
A mesma leitura se pode fazer do grupo Kora Jazz Trio. Djeli Diawara, o korista da banda, já actuou com grandes nomes do jazz, sem nunca perder a sua tradição sonora mandinga.
Foi, como afiançou o director artístico do festival, Djô da Silva, este repto que se lançou aos músicos cabo-verdianos: um novo show, outros voos. Kim Alves e Princezito, sem falar de Vasco Martins, provaram que, de facto, nós somos o jazz.

Falar da música

Outra marca do kriol jazz festival foi a inter modalidade entre a performance musical e a reflexão sobre a música, entre o espectáculo e o workshop, entre o entretenimento e o conhecimento.
Ao agregar a Universidade de Cabo Verde no rol dos promotores, este festival aporta uma complexidade que o torna referência para os músicos de Cabo Verde e de outras paragens.

Finalmente …

Horace Silver foi o homenageado do festival, e segundo as palavras de Ulisses Correia e Silva, “uma homenagem que terá chegado tarde” e Silver só não esteve presente no evento por motivos de saúde. Até aí, tudo bem. Que me recorde, apenas Mário Canonge interpretou uma das canções de Silver… ao longo do Festival, raramente se fez referência ao pai do hard – bop. Eu, e meus entrevistados, teremos falado muito mais dele nas reportagens que fiz para a televisão…

fotu: Omar Kamilo

Comentários

Mensagens populares deste blogue

CODÉ DI DONA: 1940-2010

Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

Poema de amanhã

(...) - Mamãe!

Sonho que, um dia,
Estas leiras de terra que se estendem,
Quer sejam Mato Engenho, Dacabalaio ou Santana,
Filhas do nosso esforço, frutos do nosso suor,
Serão nossas. (...) ilustração: Mãe preta de Lasar Segall, 1930 poema: Poema de amanhã de António Nunes, 1945

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…