Avançar para o conteúdo principal

Sinais que ficaram!

mee
















Desde o Kriol Jazz Festival que não escrevo uma nota neste espaço, sem deixar, entretanto, de contar os dias em outras paragens:

1. (Bandeira S.Filipe) Passaram à história as festividades de São Filipe e não tive a oportunidade de escrever sobre uma das melhores bandeiras dadas nos últimos anos. Os festeiros (familiares de Dinis Dias da Fonseca) fizeram jus a uma das festas populares mais rijas e complexas deste país. Alguns momentos, principalmente aqueles do baile de violino e de homenagem aos coladores e tamboreiros, foram horas de boas recordações e rememoração de uma cidade que já foi, e pode vir a ser. Outra nota vai para o lado religioso que este ano, muito ao contrário dos anteriores, foi cuidado e celebrado com muito sentido de fé no Santo.

2. (media 1) A 3 de Maio celebrou-se o dia da Liberdade de Imprensa: daquilo que pude ler e ouvir, deu para perceber que não se fez, em momento algum, a ligação necessária entre o pacote legislativo da comunicação social aprovado no parlamento e a Liberdade de Imprensa nas Ilhas. Não se disse que a liberdade de imprensa em Cabo Verde sofreu, recentemente, em toda a linha, um atentado legal: agora temos uma imprensa parceira do desenvolvimento. É obra!

3. (media 2) As nossas redações assumem sem pejo o ditar exterior da sua agenda informativa: na RCV, por exemplo, ouvimos um spot que diz algo como: “para o seu pedido de cobertura informativa, escreva para *=*&^%%$$. Editores consequentes desconfiam, em toda a linha, das notas de imprensa, quando recorrem a elas fazem-na de forma crítica. Uma solicitação pública dessa é mais uma inovação das ilhas afortunadas.

4. (media 3) Ouvindo agora o Bom dia Cabo Verde, uma nota da correspondente dá conta que o Ministro da Educação vai estar no Tarrafal de São Nicolau: e os ouvintes com isso?

5. (Soul of music) No Fogo actuaram tantos grupos, num afã municipal de fazer da festa do município a maior de todas: dos grupos, ficaram-me as músicas de Vlú e banda, e até hoje ando a cantarolar os refrões das músicas do artista mindelense. Vlú ê propi nice!

6. (música) Melhoras para a nossa diva, Cize! A artista, depois do espectáculo que deu ao lado do angolano Bonga em Lisboa, seguiu para Paris onde foi surpreendida por um problema coronário, tendo sido submetida a uma intervenção cirúrgica no coração. Por conta disso, cancelou toda a sua agenda internacional (pela Europa, América do Norte e do Sul, e África do Norte).

7. (TV) 1 Mn de História já passa na TCV (antes do Jornal da Noite) e na RTP África (ao longo da emissão). Uma forma natural de contar a História das Ilhas. Será assim durante 66 dias.

Comentários

Anónimo disse…
Cara,
Por favor explique-se melhor: "Não se disse que a liberdade de imprensa em Cabo Verde sofreu, recentemente, em toda a linha, um atentado legal: agora temos uma imprensa parceira do desenvolvimento".

1 min de história: muitissimo, interessante! Muitos parabens.
Pura eu disse…
Caro,
refiro-me às alterações legislativas do pacote sobre a comunicação social. Mais abaixo (neste post)http://odiaquepassa.blogspot.com/2010/03/rio-e-rio.html
pontuo algumas adaptações com as quais descordo como jornalista.

Obrigada!
MF

Mensagens populares deste blogue

CODÉ DI DONA: 1940-2010

“Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

Depois da Bandeira

1. SÃO LOURENÇO continua a ser um dos lugares mais agradáveis da Ilha do Fogo. O cemitério casado com a igreja e a casa paroquial; um lugar quase ermo, com a cara voltada para o mar, e um punhado de terra no ventre. Terra boa que d...eu bons filhos à ilha. Nesse cemitério, sob a imagem de uma pirâmide, mesmo à entrada, fica a campa do médico e escritor, Henrique Teixeira de Sousa, natural de Outrabanda, freguesia do Santo. Dois passos à frente descansa eternamente Padre Fidelis Miraglio, o eterno pároco de S.Lourenço e um dos primeiros Padres Capuchinhos italianos a pisar Cabo Verde. Na residência paroquial, mesmo ao lado, vive outro pastor de S.Francisco: Padre Camilo Torassa, italiano, filho de Cuneo, a viver entre Fogo, S.Vicente e Brava há mais de 50 anos: apesar do mal que lhe aflige os olhos e as pernas, a lucidez o acompanha. Éramos quatro adultos e uma criança, e fomos expressamente a São Lourenço para o visitar. Conversa vai, conversa vem, desafiou a um dos visitantes que co…