Avançar para o conteúdo principal

Cabo Verde aos pés de Portugal: a Imprensa vai junto

cabo verde, portugal


























1. Aconteceu há dias em Lisboa a I Cimeira Luso cabo verdiana. Duvido que o acontecimento tenha merecido destaque nos telejornais portugueses. Entre nós, assuntos do tipo são considerados notícias de primeira monta, mesmo quando alguns desses acordos assinados não passam de mera cosmética, ou as palavras da hora, puro ímpeto de circunstância. A imprensa cabo-verdiana aprecia esses teatros e participa do "folclore" que muitas vezes acaba sendo esses reforços de cooperação, aprofundamento das relações, etc. Quando José Sócrates visitou Cabo Verde (só visto!) a correria atrás do senhor ministro. Terá faltado fôlego para tanta disponibilidade.

2. A participação de José Maria Neves nas comemorações do dia de Portugal (10 de Junho) foi considerada, por cá, uma honra. Segundo se noticiou, é o único chefe de governo da África lusófona a participar nessa importante festa para aquele país. Em vez dessa exaltação, os media que devem ser, antes de mais, críticos, deviam questionar porque terá calhado (a José Maria Neves e a Cabo Verde) tamanha “distinção”. Se de pura honra se tratasse, porque um país como Angola deixaria de marcar presença? Por outro lado, se tivéssemos uma oposição com sentido estratégico de soberania (nisso o PAICV e o MPD estão cada vez mais iguais) estar-se-ia perante um bom filão de argumentos para oposição. A subserviência, a extrema disponibilidade, o sorriso desmedido, e sobretudo um certo orgulho... desses sinais todos a nossa imprensa passa ao largo.

3. Devido a uma surda disputa eleitoralista interna do tipo: Quem está nas graças da Comunidade Internacional? Alienam-se espíritos, projectos, sentidos...

Comentários

Anónimo disse…
Por acaso tu para jornalista caboverdeana até que pensas umas coisas.
Eu gostaria de ver mais jornalistas a falar assim como tu !
Canto da Boca disse…
O imperialismo continua em voga...
Anónimo disse…
Acho que está perdendo o foco de jornalista. Cabo Verde não tem o peso para Portugal que este tem para Cabo Verde, pagando muito do que se faz em Cabo Verde. Quando
Bush foi ao Brasil a notícia encheu todos os jornais e telejornais brasileiros, o facto nunca foi noticia nos telejornais americanos que são os que marcam a actualidade americana. Logico meu caro watson.

Mara, Lisboa
Amílcar Tavares disse…
Sabe, o pobre adora pôr-se em bicos de pés! Essa cambada é um tristeza.
Anónimo disse…
Cara Margarida por mais que tente esconder a cabeça dentro da areia há um facto irrefutável. Milhões, digo, milhões de euros são "depositados" a fundo perdido no seu país por Portugal. Parceria estratégica? Acontece graças a Portugal, à lingua portuguesa, ao passado conjunto.
Estabilidade económica? talvez esteja a esquecer-se da paridade escudo/ euro. Assegurada por quem? Obviamente por Portugal.

Escolas, estradas, investimento externo, aeroportos internacionais... estamos a falar da mais forte potência da cooperação internacional em Cabo Verde.
Portugal, que goste quer não, é o parceiro estratégico de Cabo Verde e a sua porta de entrada na Europa. Portanto, não se trata de imperialismo mas de tratar bem, com estima e a devida atenção os "amigos" de Cabo Verde.

Uma mão lava a outra, sabia?
Pura eu disse…
"não se trata de imperialismo mas de tratar bem, com estima e a devida atenção os "amigos" de Cabo Verde.

Uma mão lava a outra, sabia?"

Sei disso, meu caro (?). E muito estimaria se assim fosse. O meu texto fala "de coisa" bem diferente...
Paulino Dias disse…
Oi Margarida,

Obrigado por nos trazer sempre este olhar diferente, estes insights que nos levam a reflectir...

Abraço,
Paulino

Mensagens populares deste blogue

CODÉ DI DONA: 1940-2010

“Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

Depois da Bandeira

1. SÃO LOURENÇO continua a ser um dos lugares mais agradáveis da Ilha do Fogo. O cemitério casado com a igreja e a casa paroquial; um lugar quase ermo, com a cara voltada para o mar, e um punhado de terra no ventre. Terra boa que d...eu bons filhos à ilha. Nesse cemitério, sob a imagem de uma pirâmide, mesmo à entrada, fica a campa do médico e escritor, Henrique Teixeira de Sousa, natural de Outrabanda, freguesia do Santo. Dois passos à frente descansa eternamente Padre Fidelis Miraglio, o eterno pároco de S.Lourenço e um dos primeiros Padres Capuchinhos italianos a pisar Cabo Verde. Na residência paroquial, mesmo ao lado, vive outro pastor de S.Francisco: Padre Camilo Torassa, italiano, filho de Cuneo, a viver entre Fogo, S.Vicente e Brava há mais de 50 anos: apesar do mal que lhe aflige os olhos e as pernas, a lucidez o acompanha. Éramos quatro adultos e uma criança, e fomos expressamente a São Lourenço para o visitar. Conversa vai, conversa vem, desafiou a um dos visitantes que co…