Avançar para o conteúdo principal

Sentimento 35 (e outros)

velho morto






























1. Uma certa azáfama à volta das comemorações do 35º aniversário da Independência Nacional fez-me lembrar Caetano Veloso e o seu dito em relação aos que desejam matar amanhã o “velho” que morreu ontem. O espavento, em plena bonança, deixa a descoberto aqueles que não se deram conta do vendaval, e alguns que só agora ouviram falar des "femmes" e des "hommes". À par do resto, que é sempre igual e que, inclusive, já teve mais brilho, a valer mesmo será nos abraçarmos todos aos reptos com equilíbrio, diga-se de passagem, no acto solene: (lucidez, pés no chão, futuro, juventude, emprego, combate à pobreza, etc.), sendo a história dinâmica e, por isso mesmo, de se lhe reinventar compromissos novos; a independência nacional (já) foi uma etapa decisiva na história de Cabo Verde, porque a soberania de um povo é vital para a sua consciência. Os personagens desse momento histórico, muitos deles, tomaram rumos diferentes. Outros, também muitos, engendraram novas e importantes frentes: a democratização do país, o pluralismo, a igualdade de oportunidade. Celebrar a Independência Nacional passa por uma capacidade desabrida de olhar, sem conformismos e idolatrias, a todos esses actores com sentido de reconhecimento e regozijo.

2. Acontece na Praia mais uma feira do livro em português. Fui ter com os meus: a delícia de vida de Chico Buarque (através) da “História das canções”; “Verão” de J.M Coetzee; as cumplicidades de vida de Hannah Arendt e Heidegger. Fiquei de voltar para pegar uma colectânea nova de Osório (o meu outro poeta).

3. As coisas são como são, Arménio Vieira já dizia…e contra elas nada podemos.

Comentários

Anónimo disse…
Vi-te na AN no dia 5 de Julho. Maiiiiis ou meeeeenos a tua actuação. Algumas imagens da realização poderiam ser evitadas. Quais? Aquelas de estares à frente do Cavaco ele já de pé, tu mesmo com vontade de entrevistá-lo e alguém a segurar-te pelo braço puxando para o lado para que saisses da frente. Tirando esse momento ... acho que os teus momentos cumpriram.

-- Admirador Secreto.
Pura eu disse…
Gosto de telespectadores críticos... aqueles com intenções secretas costumam ser mais precisos nos seus reparos.
Anónimo disse…
as vezes (desculpe a sinceridade) convém não ser muito crítico a ver TCV. Mas pronto só as vezes ... ! Itenções secretas ? Isso não. Admirador somente. não tem nem segunda nem terceiras intenções secretas.
Pura eu disse…
Esteja à vontade: a TCV está aos olhos de todos, e não há por onde camuflar.

Um admirador secreto possui razões que se estendem para além do confesso (podem tornar-se intenções, sem intenção. Mas não vamos por aí: admirador é admirador e há que considerar. Abraço.
Pura eu disse…
Este comentário foi removido pelo autor.

Mensagens populares deste blogue

CODÉ DI DONA: 1940-2010

“Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

Depois da Bandeira

1. SÃO LOURENÇO continua a ser um dos lugares mais agradáveis da Ilha do Fogo. O cemitério casado com a igreja e a casa paroquial; um lugar quase ermo, com a cara voltada para o mar, e um punhado de terra no ventre. Terra boa que d...eu bons filhos à ilha. Nesse cemitério, sob a imagem de uma pirâmide, mesmo à entrada, fica a campa do médico e escritor, Henrique Teixeira de Sousa, natural de Outrabanda, freguesia do Santo. Dois passos à frente descansa eternamente Padre Fidelis Miraglio, o eterno pároco de S.Lourenço e um dos primeiros Padres Capuchinhos italianos a pisar Cabo Verde. Na residência paroquial, mesmo ao lado, vive outro pastor de S.Francisco: Padre Camilo Torassa, italiano, filho de Cuneo, a viver entre Fogo, S.Vicente e Brava há mais de 50 anos: apesar do mal que lhe aflige os olhos e as pernas, a lucidez o acompanha. Éramos quatro adultos e uma criança, e fomos expressamente a São Lourenço para o visitar. Conversa vai, conversa vem, desafiou a um dos visitantes que co…