Avançar para o conteúdo principal

A Internet e os Candidatos

























Carlos Veiga lança na terça-feira o seu site de combate para as legislativas de 2011. O motivo dessa nova frente digital é confesso e assumido no próprio endereço do site. José Maria Neves ainda não anunciou o seu site. Ele criara há meses um blog que não teve continuidade, já que não passou de dois posts. Se bem que o blog de Neves não parece ser um instrumento de campanha. A marca do Primeiro-Ministro, candidato à sua sucessão em 2011, parece ser o Facebook, onde os pedidos de amizade já ultrapassam o limite permitido e o mesmo, como confessou em tempos, cogita a possibilidade de abrir um “fan space”. Debates sobre vários assuntos da actualidade governativa com a participação do próprio autor, têm acontecido no mural do Primeiro-Ministro.

Carlos Veiga também está no Facebook. A sua conta é gerida por alguém próximo e o número de pedidos de amizade também tem aumentado vertiginosamente.

As redes sociais com o recurso às NTICs não são apanágio apenas dos candidatos a Chefe do Governo. Os presidenciáveis Aristides Lima, David Hopffer Almada e Jorge Carlos Fonseca já têm as suas contas no Facebook, e devem estar a preparar-se, a depender dos entendimentos internos, para a abertura de sites. Manuel Inocêncio Sousa ainda não deu sinal de estar na terceira vaga da comunicação política.

As últimas movimentações servem para demonstrar que, nestas eleições, os media tradicionais não terão o monopólio dos debates. Outra valência da exploração do meio digital, tem a ver com a participação da diáspora. Se se reparar, nomeadamente no Facebook do Primeiro-Ministro, grande parte dos intervenientes nos debates são cabo-verdianos radicados no exterior. Esta tendência, da participação da diáspora, já era notória nos comentários dos jornais onlines existentes no país.

Da regulação

Não havendo legislação sobre propaganda nos meios electrónicos, o regulador dos novos sites políticos será o bom senso dos seus patronos e o próprio retorno dos internautas. De qualquer forma, fica a dúvida sobre os riscos, para lá das virtudes, das novas sociabilidades de comunicação. Estamos apenas diante da ponta do iceberg. Para o bem e para o mal…

No Brasil, por exemplo, por iniciativa de um deputado federal, foi aprovado um projecto de lei que altera a Lei Eleitoral e regula a propaganda na Internet.

A Lei, a ser regulada, deve igualmente incidir sobre propagandas extemporâneas na rede. Afinal, temos candidatos em campanha, mas a campanha ainda não começou.

fotu: imagem que José Maria Neves exibe no seu perfil no facebook

Comentários

Amílcar Tavares disse…
Por aquilo que vejo por aí, esses candidatos não percebem a Web 2.0 pois estão lá para dizerem que estão. Não há relacionamento, não há engajamento e não se aprende nada.
Anónimo disse…
Ouvi dizer que
Obama desceu nas sondagens por ter dito que não se opunha à construção de uma mesquita em NY, nas imediações do Graund Zero
e que, em contrapartida,
Sarkozy subiu nas sonsagens depois de ter ordenado a expulsão de famílias ciganas romenas.
A Democracia não se cansa de nos dar lições. E a chamada Opinião Pública não se cansa de nos dar motivos para ilações.
Um, age em consciência, e com consciência democrática, independentemente da opinião pública … e das sondagens.
Outro, age à revelia do que é a consciência democrática, pensando exclusivamente na opinião pública … e nas sondagens.
Descubram as diferenças.
Alguém que comentar?

ZCunha
pura eu disse…
Lá isso é verdade, Amílcar. Um exemplo disso é o blog de José Maria Neves que não passou de dois posts. Por outro lado, a sua página facebook é o único caso de alguma interacção política ... os nossos políticos estão longe, muito longe das possibilidades da web 2.0. O que não impede que se comece a reflectir sobre essa nova gramática.

Cunha, acho que disseste tudo... a diferença é abismal: entre governar em consciência e governar para os gráficos... pensamos no mesmo extremo oposto?

abraços circundantes

Mensagens populares deste blogue

CODÉ DI DONA: 1940-2010

“Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

Depois da Bandeira

1. SÃO LOURENÇO continua a ser um dos lugares mais agradáveis da Ilha do Fogo. O cemitério casado com a igreja e a casa paroquial; um lugar quase ermo, com a cara voltada para o mar, e um punhado de terra no ventre. Terra boa que d...eu bons filhos à ilha. Nesse cemitério, sob a imagem de uma pirâmide, mesmo à entrada, fica a campa do médico e escritor, Henrique Teixeira de Sousa, natural de Outrabanda, freguesia do Santo. Dois passos à frente descansa eternamente Padre Fidelis Miraglio, o eterno pároco de S.Lourenço e um dos primeiros Padres Capuchinhos italianos a pisar Cabo Verde. Na residência paroquial, mesmo ao lado, vive outro pastor de S.Francisco: Padre Camilo Torassa, italiano, filho de Cuneo, a viver entre Fogo, S.Vicente e Brava há mais de 50 anos: apesar do mal que lhe aflige os olhos e as pernas, a lucidez o acompanha. Éramos quatro adultos e uma criança, e fomos expressamente a São Lourenço para o visitar. Conversa vai, conversa vem, desafiou a um dos visitantes que co…