Avançar para o conteúdo principal

Claire Andrade-Watkins: um abraço à Terra Mãe

Claire Andrade-Watkins

























"Some Kind of Funny Porto Rican? A Cape Verdean American Story” (SKFPR ). Este filme mereceu uma nota há poucas semanas nesta página, mas o melhor estaria certamente por vir, depois de uma conversa com a cineasta, Claire Andrade-Watkins. Cabo-verdiana de segunda geração, professora na Emerson College, docente visitante na Brown University, e fundadora /directora de SPIA Media Produções.

No começo da nossa conversa quisemos saber quais as razões, à par do fazer cinema, que ditaram a estrada desta tão aclamada e tocante produção. Um filme que conta a saga dos cabo-verdianos em Fox Point, estado de Rhode Islands. Da sua fundação pelos cabo-verdianos à sua destruição, por motivos de urbanização, ela desfia a história de Fox Point.

Num universo onde as minorias nunca foram protagonistas, Andrade-Watkins quis quebrar as regras e contar a memória do seu povo em primeira pessoa - literalmente, é o que faz ela no filme. “Na qualidade de estudante de história /PhD, passei a conhecer o peso da história “oficial”. Aprendi que quem escreve uma história escolhe um roteiro.” É isso que Claire Andrade acaba por fazer em Some Kind of Funny Porto Rican? A Cape Verdean American Story. Resgata a memória, a história e a cultura de um povo atlântico que se aventura num universo estranho e reinventa uma identidade complexa e em permanente busca de integração.

A comunidade, a memória ...


Demolição da casa de Mamai Alves 88 Alves Way -
último simbolo da comunidade CV em Fox Point


A primeira reacção ao filme foi na própria comunidade que recebeu o documentário como um “sólida reflexo da sua voz, memória e história”. O filme foi um fenómeno, diz Andrade-Watkins. Muitos dos participantes desse trabalho, que durou 10 anos a produzir e ficou pronto em 2006, já faleceram e isso, acrescenta ela, empresta cada vez mais o valor ao trama.
O contacto permanente com a comunidade aquando da produção do filme foi importante, admite a autora. Houve até episódios curiosos. “Muita gente teve problema com o título Some Kind of Funny Porto Rican? De todo o modo, isso reflecte a percepção que se tem de nós nos Estados Unidos. Mas graças à contribuição da comunidade, chegamos ao acrescento: A Cape Verdean American”, diz Claire.

os momentos: Vejo que as questões da memória e da identidade caminham juntas nos teus projectos de cinema. Como esse tipo de trabalho pode contribuir para o debate sobre a identidade real, na diáspora e nas ilhas?

Claire Andrade-Watkins: Antes de mais, precisamos desmistificar percepções e confusões que foram projectadas em nós particularmente nos domínios de raça, identidade e história. Um dia havemos de estar cansados da discussão sobre “What are you”?
A mensagem dos trabalhos de Claire Andrade Watkins, vídeos e não só, passa por explorar a riqueza de valores (amor, fé, família, tenacidade, honestidade e trabalho) da comunidade cabo-verdiana nos Estados Unidos, captando as nuances e a força dessa diáspora multi-geracional e global.

The universal parts of who we are as interpreted through the eyes/mind/soul of someone born and raised in this remarkable community”, remarca.

Portal Atlântico

O actual filme da realizadora, Portal do Atlântico, obedece a mesma linha de pensamento: é o segundo filme de uma trilogia de documentários, depois de Some Kind of Funny Porto Rican, este filme fala dos cabo-verdianos hoje, mais concretamente daquilo que se perdeu e do esforço que se faz para manter o sentido de comunidade apesar da destruição de Fox Point.

Claire Andrade-Watkins faz uma profunda e enigmática discrição do seu novo filme. “Portal do Atlântico faz a história regressar a Cabo Verde em busca de “casa” apenas como meio de voltar a Fox Point, com a consciência de que ser cabo-verdiano é um estado de espírito e não apenas um endereço postal.
“A derradeira oportunidade de recapturar a história por parte daqueles que foram os guardiões da memória, da história, da cultura e da herança cabo-verdiana em Fox Point. Portal do Atlântico é um dos três recursos sobre essa genuína comunidade, a sua história de imigração, de deslocamento e de esperança”, completa.

Parada de Santo António em Fox Point (2009)

























Perante esse entrecruzar de memórias, em que o espaço ganha um lugar no desenho da identidade, quisemos saber como é que a segunda geração vive Fox Point, como a sua memória pulsa por Cabo Verde nos Estados Unidos.

“Aqueles da segunda geração, como eu própria, continuam a ter uma forte noção da cultura, língua e ligação com a primeira geração, nossos pais. Mas estamos preocupados com a terceira e com a quarta gerações. Sim, em Fox Point estamos a caminhar para a sexta geração. Muitos de nós, estamos empenhados em documentar e preservar a nossa história/memória e cultura. Muitos dos cabo-verdianos de origem como eu que já caminhamos para mais de 40 anos, devido à deslocação, regressamos e estamos a trabalhar arduamente para reclamar a nossa memória/história/ e legado para as futuras gerações. É uma batalha, penso!”

Claire Andrade-Watkins reconhece que o passado de Fox Point já foi. Mas acredita no futuro, e é nesse sentido é que pertence ao grupo que trabalha incansavelmente para um dia fazer a comunidade regressar a Fox Point.

Cinema nosso

O trabalho de Claire Andrade.-Watkins não se restringe à sua comunidade. Também ensina o cinema africano-americano e o cinema da diáspora africana, incidindo sobre as fórmulas de produção de documentários independentes. O seu mais recente trabalho académico publicado foi um ensaio sobre Ousmane Sembene e o cinema africano, nas edições Samba Gadjigo, Sada Niang Dakar, Senegal, Dakar,Senegal: Editions Papyrus Afrique, 2010.

Por fim, o cinema, cabo-verdiano/africano! Que cinema é esse? Cinema, enfatiza a realizadora quer dizer produção, exibição e distribuição por cabo-verdianos/africanos. Não é este o caso, e o grande desafio “para nós, é criar um cinema (uma mídia) com nossa voz, nossas histórias, e nossa audiência”. O grande desafio para Cabo Verde, para África.

Portal Atlântico está em fase de pós produção e a sua finalização está aberta a contribuição de todos através do conceito (kickstarter). Um projecto ambicioso, cujo modelo de produção pode servir de referência para projectos futuros similares.

"A Cultura é o produto importante do século XXI. Por isso, os cabo-verdianos não podem perder o seu filão cultural, sob pena da alienação. Para os cabo-verdianos da Diáspora, Cabo Verde será sempre a Mãe Terra. Cabo Verde tem a responsabilidade de perceber que uma grande comunidade identitária beneficiará todos nós na Nação Global Cabo-verdiana." Claire Andrade-Watkins, a primeira cineasta do mundo Cabo-verdiano.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

CODÉ DI DONA: 1940-2010

Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

Depois da Bandeira

1. SÃO LOURENÇO continua a ser um dos lugares mais agradáveis da Ilha do Fogo. O cemitério casado com a igreja e a casa paroquial; um lugar quase ermo, com a cara voltada para o mar, e um punhado de terra no ventre. Terra boa que d...eu bons filhos à ilha. Nesse cemitério, sob a imagem de uma pirâmide, mesmo à entrada, fica a campa do médico e escritor, Henrique Teixeira de Sousa, natural de Outrabanda, freguesia do Santo. Dois passos à frente descansa eternamente Padre Fidelis Miraglio, o eterno pároco de S.Lourenço e um dos primeiros Padres Capuchinhos italianos a pisar Cabo Verde. Na residência paroquial, mesmo ao lado, vive outro pastor de S.Francisco: Padre Camilo Torassa, italiano, filho de Cuneo, a viver entre Fogo, S.Vicente e Brava há mais de 50 anos: apesar do mal que lhe aflige os olhos e as pernas, a lucidez o acompanha. Éramos quatro adultos e uma criança, e fomos expressamente a São Lourenço para o visitar. Conversa vai, conversa vem, desafiou a um dos visitantes que co…