Avançar para o conteúdo principal

Carlos Matos: Crioulidade na Conservatória


Carlos Matos





















“Os momentos” conversou com o pianista e professor de música Carlos Matos via facebook. Ele, na sua residência na Holanda, e nós, por cá, algures, no arquipélago.

Aos 5 anos, quando acompanhado da mãe foi assistir a um show do grupo Voz de Cabo Verde, soube que rumo dar à sua vida. Queria ser músico e um homem do piano. Começou a estudar música aos 9 anos. Fez conservatória, basicamente para música clássica, mas veio despertar-se para a música cabo-verdiana bem depois, após um repto da própria conservatória. Do retorno às raízes, Matos leva a música cabo-verdiana à conservatória, e surge o primeiro projecto World Music Orchestra Codarts de que se torna maestro.

O músico que admite que na adolescência “não gostava da música de Cabo Verde”, descobriu depois um mundo de possibilidades rítmicas, estéticas e culturais. “Eu descobri que você pode desenvolver a música cabo-verdiana, em muitos aspectos”, diz. “Comecei, em 1995, com a minha primeira banda acústica Nostalgia onde aprendi o básico da música cabo-verdiana tradicional, e descobri as minhas raízes, não apenas como músico.” Em termos de banda, integrou ainda os Koladance e o emblemático grupo Rabelados.  No seu percurso, além de vários artistas e bandas estrangeiros, Matos já acompanhou nomes nacionais como Luis Morais, Ildo Lobo, Titina, Boy Ge Mendes, Tito Paris e muitos outros.

Cabocubajazz, a Banda, o Disco





















Em 2008, com o famoso percussionista alemão Nils Fischer, ele funda uma banda e agora veio o primeiro disco: Cabocubajazz - Rikeza e Valor. Pela plástica e pela gramática, sem perder-se das raízes todas, este disco materializa o pensamento musical de Matos. Ritmos juntos, cubanos e cabo-verdianos, todos crioulos; jazz é cabo-verdiano, mas é também cubano. As vozes também são partilhadas: Dina Medina, Grace Évora e o colombiano Alberto Caicedo. A banda também é uma amálgama de nacionalidades: Sérvia, Colómbia, Estados Unidos, Senegal, Alemanha, Curaçao e, claro, Cabo Verde.
A experimentação permanente que sela a carreira do pianista também está plasmada no seu primeiro disco, Caboverdianismo.

Formação musical

Carlos Matos, filho de pais cabo-verdianos, nasceu há 39 anos, e sempre viveu na Holanda. No próximo ano prepara-se para rumar às ilhas e ensinar música na Universidade de Cabo Verde. O Pianista tem um olhar muito preciso sobre a música cabo-verdiana. Entre nós, grava-se muito, mas não é o suficiente, entende.
“A chave do desenvolvimento da nossa música é a EDUCAÇÃO. Estamos conscientes de que a nossa música é reconhecida mundialmente por causa de Cesária Évora e outros, agora é a hora de preparar a nova geração com a nossa música tradicional. Organizar workshops, masterclasses com grandes guitarristas como Báu, Voginha, Kim Alves, Paulino Vieira, pianistas como Tututa, Chico Serra e Toy Vieira. Se não começarmos agora, dentro de 10 a 15 anos algum conhecimento desaparecerá.”
É nesse sentido que o pianista desenvolve um projecto de ensino para as crianças; a ideia é encontrar métodos adaptados para tocar a coladeira e a morna. “Como é que o povo japonês pode cantar jazz e fado? Porque existem livros e professores!” É o exemplo que nos deixa.

O Rumo, a estética

O pianista demonstra uma visão positiva sobre o rumo da música cabo-verdiana, mas também fala em alguma inquietação. “Estamos numa fase em que começamos a ser maduros nas escolhas artísticas, o que é bom. Não temos mais a necessidade de copiar o zouk, por exemplo, para torná-lo nosso. Gostaria que voltássemos mais às nossas raízes, para criar algo novo a partir daí. É como uma língua: se você quiser jogar com a gramática, você tem que conhecê- la bem, certo? Miles Davis disse uma vez: If you want to break the rules, you have to know them first!”

Carlos Matos tem em Luís Morais a imagem de uma figura paterna. “Ele incorpou a música cabo-verdiana”. O legendário instrumentista é primo de Carlos Matos, o nosso, hoje, homem do piano.

Comentários

Fatima disse…
Bom dimais da conta!!!
Bjs.
Anónimo disse…
Excelente, Margarida. Até para fazer conhecer o Carlos que para a nossa malta aqui passa meio que ao lado.

Um grande recurso da música caboverdiano. Vamos tê-lo por cá breve se tudo der certo.

Djinho Barbosa
da caps disse…
Seria bom se não ficássemos por Praia (e S. Vicente).
É que em termos de música, muito outras ilhas têm dado ao nosso panoraman com o pouco recurso recurso que têm, e qdo é hora de reconhecimento, fica-se pela Praia..
São casos por exemplo da Boavista, S. Nicolau e Fogo..

Cheers
pura eu disse…
Abraço musical, Fátima!! Sempre...
pura eu disse…
Djinho, tudo vai dar certo. Só pode! É Cabo Verde e a sua música que sairão a ganhar. Todos nós, em suma.
MF
pura eu disse…
da Caps, sei que não te referes ao caso concreto de Matos. Ele é um filho da diáspora... daqueles com uma visão de conjunto quando pensa e executa a música cabo-verdiana.
:)
da caps disse…
Claro k não.
Ele por si só já faz o reconhecimento, a C. Verde, e com o que saberá melhor fazer.

Refiro-me à canalização interna.
Reconheço igualmente nestes boa-vontade. Aproveito é este espaço para a chamada de atenção.

Mensagens populares deste blogue

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

CODÉ DI DONA: 1940-2010

Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

Poema de amanhã

(...) - Mamãe!

Sonho que, um dia,
Estas leiras de terra que se estendem,
Quer sejam Mato Engenho, Dacabalaio ou Santana,
Filhas do nosso esforço, frutos do nosso suor,
Serão nossas. (...) ilustração: Mãe preta de Lasar Segall, 1930 poema: Poema de amanhã de António Nunes, 1945