Avançar para o conteúdo principal

Lucidi Comunicazione



















1. Aprecio o modo lúcido (ácido ou não) como Corsino Tolentino fala das questões comunicacionais em Cabo Verde, mais concretamente de um ou outro desempenho dos media; a forma fluente como articula sobre os meandros, o jeito despretensioso como percorre as gramáticas. Isso, vis-a-vis às opiniões, muitas, desenquadradas e confusas que se nos oferece sobre a área em questão. Não existe pretensa crítica (analítica), mas sim crítica, e a liberdade de se gostar ou não de uma determinada prestação. Concluindo: de Corsino Tolentino se ouviu das poucas análises consequentes sobre o debate presidencial que aconteceu na TCV no passado dia 6 de Julho. Confiram no programa Visão Global no site da RTC.

2. Quando, mas quando é que os gabinetes de imagem, assessorias de imprensa e semelhantes irão perceber que um plano ou práticas de comunicação e divulgação eficientes não são aqueles que promovem os directores e os ministros, mas sim aqueles (outros) que fornecem informações pertinentes, claras, traduzidas, úteis, atractivas… enfim, de utilidade?! É desesperante estar à procura de informações e só dar de cara com notas de actividades do director/ do ministro (sempre acompanhadas da tal fotografia dos próprios). Uma cultura de propaganda que só entorpece as Instituições.

3. Da análise de Corsino Tolentino, apenas discordo de uma nota: quem no debate esteve demasiado preso a alguma coisa que não as presidenciais foi Manuel Inocêncio. O tempo que o separa do cargo de ministro das infra-estruturas do governo de José Maria Neves, e a intensa cumplicidade partidária que os une não contribuem para o desembaraço que vai precisar nestas campanhas. O seu próprio discurso o trairá, sempre. Mas eleições em Cabo Verde já se ganha com outros trunfos, e o candidato do primeiro-ministro tem margens para ser o próximo Presidente da República. Mas que não venha propalar a fé na cidadania. Será forçado!

Comentários

da caps disse…
Agora sim, considero o teu espaço De volta com a ternura e a poesia dos dias claros. :)
É que de facto,
as práticas de comunicação e divulgação eficientes inclusivé os que querem ser ouvidos ou lidos, não são aqueles que promovem-nos ou 'our relatives' - friends inclusivé,
mas sim aqueles (outros) que fornecem informações pertinentes, claras, traduzidas, úteis, atractivas… enfim, de utilidade
isto tudo para dizer qq coisa como beijinhos & welcome back
:)
pura eu disse…
Glad to "see you" da Caps..you know that.

Kiss
Anónimo disse…
Ola, Vi o programa que mencionaste Visão Global e como estes dias é dificil ouvir-se avaliações objectivas, gostava de ouvir entender o "teu lado" - o porque de não concordares com a nota de CT!ABR
pura eu disse…
Olá. Quando Corsino Tolentino diz que JCF esteve no debate muito próximo ao MPD, discordo. Porque Tanto Lima como Fonseca tentaram assentar a ideia de cidadania... (podem é não consegui-lo cabalmente). Entendo que para Inocêncio é tudo mais complicado, porque esteve recentemente no governo, ainda possui um discurso de governante, e está demasiado colado a José Maria Neves (vide a sua campanha). Essas nuances não abonam a cultura de Estado necessária para se exercer a mais alta magistratura. Mas também entendo que o eleitorado cabo-verdiano, infelizmente, deixa-se levar por outras "atracões eleitoralistas", e que nada do que dizemos ou pensamos venha ser consequente no dia 7 de Agosto. Basicamente foi o que quis dizer! Abraço.

Mensagens populares deste blogue

CODÉ DI DONA: 1940-2010

“Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

Depois da Bandeira

1. SÃO LOURENÇO continua a ser um dos lugares mais agradáveis da Ilha do Fogo. O cemitério casado com a igreja e a casa paroquial; um lugar quase ermo, com a cara voltada para o mar, e um punhado de terra no ventre. Terra boa que d...eu bons filhos à ilha. Nesse cemitério, sob a imagem de uma pirâmide, mesmo à entrada, fica a campa do médico e escritor, Henrique Teixeira de Sousa, natural de Outrabanda, freguesia do Santo. Dois passos à frente descansa eternamente Padre Fidelis Miraglio, o eterno pároco de S.Lourenço e um dos primeiros Padres Capuchinhos italianos a pisar Cabo Verde. Na residência paroquial, mesmo ao lado, vive outro pastor de S.Francisco: Padre Camilo Torassa, italiano, filho de Cuneo, a viver entre Fogo, S.Vicente e Brava há mais de 50 anos: apesar do mal que lhe aflige os olhos e as pernas, a lucidez o acompanha. Éramos quatro adultos e uma criança, e fomos expressamente a São Lourenço para o visitar. Conversa vai, conversa vem, desafiou a um dos visitantes que co…