Avançar para o conteúdo principal

Jornalismo em cena

O próximo número do jornal Artiletra, a sair a qualquer dia desta semana ou da próxima – já que por alguma razão forte esse periódico não consegue ter uma periodicidade fixa – será um documento sobre o jornalismo moderno cabo-verdiano.
Além de uma grande entrevista com o decano da área, Manuel Delgado, a próxima edição do Artiletra trará outras informações e artigos que ilustram o percurso do jornalismo em Cabo Verde. Aliás, a própria entrevista que Manuel Delgado concedeu a Filinto Elísio é um verdadeiro relato das confluências políticas, sociais, culturais e outras, por que passou o jornalismo cabo-verdiano, no país e na diáspora. O recorte feito prioriza os períodos de luta de libertação, no seio dos estudantes em Coimbra, a ligação destes com os outros focos de luta, a saga de 25 de Abril, passada por Manuel Delgado na Prisão, e o período pós independência e suas implicações na vida do jornalismo em Cabo-Verde. Um olhar sobre o jornalismo actual não poderia ser de todo dispensado. Confira!

Comentários

Anónimo disse…
Bom Ano, menina! Depois ha-de de nos dizer quais foram os critérios para se escolher Manuel Delgado como decano do jornalismo em Cabo Verde. Se no 25 de Abril de 74 Manuel Delgado estava na prisão como você escreve, como é que ele pode ser decano? Isto porque ja nessa altura, ja havia jornalismo de imprensa, caso do Arquipélago, e d jornalismo de radio, feito por pessoas como Luis Lobo na Praia, ou Carlos Lima, Fernando Carrilho, Carlos Afonso, Fonseca Soares e outros. Porque é que o Decano, é Manuel Delgado, e não Carrilho ou Lobo ou Fonseca Soares, por exemplo?
Anónimo disse…
Olá, obrigada por visitar este espaço. Nas verdade não poderei lhe dizer porque se escolheu Manuel Delgado como decano do jornalismo em Cabo Verde, porque não fui quem o escolheu. De todo o modo, prometo informar-me melhor sobre o assunto e reportar neste espaço o que apurar. Do que pude depreender da entrevista, Manuel Delgado, em França, muito antes de 25 de Abril, já exercia o jornalismo.
Anónimo disse…
Nao sei por que é que o meu comentario sobre o jornalismo nao trouxe a minha assinatura, mas sou Jay Di. Replico, porque acho que a minha amiga quando tenta fugir à verdadeira questao em debate - quer dizer jornalismo em Cabo Verde, so està a afundar-se. Nao sei nem me interessa se Manuel Delgado exerceu jornalismo em França antes do 25 de Abril, o que interessa é o jornalismo em Cabo Verde. Ja agora informe ao pessoal, qual é o jornal ou jornais ou radio francesa onde Delgado exerceu em França. Pesquisei e nao encontrei nada, e ja agora nao confunde algum artigo escrito de modo esporadico para um jornal com o fazer jornalismo como jornalista. Um bom ano! Jay Di
Anónimo disse…
Oi Jay Di!

A entrevista já foi publicada e as pessoas poderão tirar dali as suas ilações. A minha intenção foi tão somente dar a conhecer às pessoas, de antemão, o conteúdo da matéria por estar relacionada ao jornalismo. Não propus um debate sobre o tema - que poderá acontecer num outro momento, concorda? Aquele abraço!

Margarida

Mensagens populares deste blogue

CODÉ DI DONA: 1940-2010

Codé di Dona tem um perfil de funaná que cativou a atenção da nação” disse Eutrópio Lima da Cruz em entrevista à TCV.

Todos são unânimes em considerar Codé di Dona (1940-2010) como uma das figuras incontornáveis do funaná, género musical outrora confinada à Ilha de Santiago, hoje com ressonância universal.

Compositor de músicas definitivas do repertório nacional, como “Febri Funaná”, “Fome 47”, “Praia Maria”, “Yota Barela”, “Rufon Baré” e “Pomba”, entre dezenas de outras, Codé di Dona emocionou os cabo-verdianos, ao longo de uma meteórica vida artística, com a singularidade das suas melodias e a poesia das suas letras. A composição “Fome 47”, só para citar um exemplo paradigmático, constitui uma imensa referência sobre uma das realidades históricas mais marcantes de Cabo Verde: a estiagem, a fome e a emigração para São Tomé e Príncipe. A imagem da partida do navio “Ana Mafalda” faz parte do imaginário colectivo dos cabo-verdianos, tanto que essa música é entoada, como um hino, pelos se…

HISTÓRIA, Dire Straits... uma dentre tantas outras da minha banda preferida

Com uma harmonia perfeita de guitarra, teclados, bateria e músicas originais o DIRE STRAITS coloca o seu nome na história como uma das maiores bandas de todos os tempos.
Tudo começa quando os irmão Mark e David Knopfler resolvem formar uma banda de rock um tanto diferente das demais (pois estavam na época da plenitude do punk rock). Até então MK já tinha tido outras experiências em outras bandas (na época de formação da banda MK era um professor de inglês) e DK era funcionario público. David(guitarra), Mark(guitarra e vocal), John Illsley(baixo) e Pick Withers(bateria) que se integraram ao grupo, formaram uma banda chamada Cafe Racers que mais tarde passou a se chamar DIRE STRAITS. Juntos fizeram uma demo que incluia um, até então, futuro sucesso do grupo "Sultans of Swing", mais tarde assinaram com o selo Vertigo e conheceram Ed Bicknell que seria o empresária da banda brevemente. Logo lançaram em 1977 o seu primeiro álbum que intulava-se com o nome do grande sucesso da ban…

Poema de amanhã

(...) - Mamãe!

Sonho que, um dia,
Estas leiras de terra que se estendem,
Quer sejam Mato Engenho, Dacabalaio ou Santana,
Filhas do nosso esforço, frutos do nosso suor,
Serão nossas. (...) ilustração: Mãe preta de Lasar Segall, 1930 poema: Poema de amanhã de António Nunes, 1945